publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

A doença coronariana é reversível

A Cleveland Clinic, um dos mais respeitados centros de tratamento de doenças cardiovasculares do mundo, divulgou essa semana uma notícia muito animadora: a de que a doença arterial coronariana, o tipo mais comum de doença cardíaca, é reversível. Não apenas tratável, controlável, mas reversível. Isso mesmo!

A doença arterial coronariana (DAC), também conhecida como aterosclerose, é a obstrução das artérias por placas de gordura,
formadas por um determinado tipo de colesterol: o LDL, ou lipoproteína de baixa densidade, ou colesterol “ruim”. Obstruídas e estreitas, as artérias perdem flexibilidade e endurecem, dificultando a passagem do sangue e o transporte de oxigénio para o coração e outros órgãos. Essa condição pode provocar dores no peito (angina), derrame, ataque cardíaco ou insuficiência cardíaca. A maioria dos ataques cardíacos ocorre quando uma placa dessas se rompe e forma coágulos, interrompendo o fluxo sanguíneo.

Em um estudo pioneiro, Steven Nissen, chefe de medicina cardiovascular da Cleveland Clinic, mostrou que o acúmulo da placa pode ser revertido com a redução do LDL a um nível muito baixo. “Temos os melhores resultados quando combinamos o melhor estilo de vida com as melhores drogas”, diz ele, referindo-se às estatinas, drogas utilizadas no estudo para atingir as reduções necessárias.

Segundo Dr. Nissen, a alimentação saudável e exercícios físicos têm outros benefícios importantes para o coração. Podem ajudar a interromper o ciclo de formação da placa, reduzindo a inflamação. Aumentam, ainda, a sensibilidade à insulina, o que é muito positivo para evitar a própria doença arterial coronariana, já que a resistência à insulina (fator típico da diabetes)
tem sido associada à DAC. A mudança de hábitos também pode estabilizar a placa anterior e evitar o desenvolvimento de um problema cardíaco mais sério.

Como se não bastasse, uma dieta equilibrada e atividade física regular ajudam a perder peso e mantêm a pressão arterial em níveis normais, fatores que reduzem o risco de um ataque cardíaco. As mudanças para um estilo de vida mais saudável também fazem as pessoas se sentirem mais felizes. Sem dúvida, é o melhor negócio da sua vida!

Postado por flaviocure às 9:26

Compartilhe:

Nenhum comentário

Cosme, Damião e os tranplantes

Hoje é Dia de São Cosme e de São Damião e esta é a Semana Nacional de Doação de Órgãos. A maioria das pessoas vai pensar: “Sim, mas qual é a relação entre uma coisa e outra?”. Bem, de acordo com a Igreja Católica, Cosme e Damião teriam sido os primeiros a realizar um transplante. Curioso, não?!

No século II, os gêmeos teriam operado o sacristão de uma igreja na Sicília, (Itália), que teve em uma das pernas amputadas,  com gangrena. Os dois religiosos foram, então, ao cemitério da localidade e o único cadáver disponível era de um negro etíope. O transplante foi feito com sucesso e o sacristão passou o resto da vida com uma perna de cada cor*. Mas a mistura de raças simbolicamente representada pelo transplante dessa história, porém, não foi o que fez Cosme e Damião tão populares no Brasil, mas o fato de serem gêmeos. Em alguns candomblés, gêmeos são “ibêji” ou um orixá duplo, reverenciado com guloseimas. Está aí a origem da distribuição de doces no Dia de São Cosme e de São Damião.

Mas o que importa, neste nosso espaço e nesta semana, é chamar a atenção para a questão dos transplantes no Rio de Janeiro e, mais especificamente, para os transplantes de coração no Estado. Talvez a maioria das pessoas também não tenha conhecimento dessa informação, mas, até julho deste ano foram realizados apenas quatro transplantes de coração no Rio, enquanto que São Paulo fez 40 procedimentos. Vamos repetir o fiasco de 2010, quando o Rio de Janeiro fez seis transplantes do órgão de um total de 166 em todo o país, mesmo com instituições aptas a realizar a cirurgia em nível de excelência, tecnologia de ponta e capacitação técnica?

Alguns importantes nós dessa complexa malha do transplante de órgãos continuam atados e sem a devida atenção das autoridades competentes, como a precariedade de atendimento nos hospitais públicos, onde é quase impossível dedicar atenção às pessoas com morte cerebral e com chances de doar órgãos. Outra questão é que grande parte dos médicos do Estado do Rio não sabe da capacidade instalada do Estado para a realização do transplante de coração, assim seus pacientes também seguem desinformados e acabam procurando (quando podem) outra unidade da federação para conseguir o órgão.

Será tão difícil assim sanar essas falhas em prol de muitas e muitas vidas? Recursos, certamente, não faltam. Vontade política já é uma coisa bem rara em nosso país…

 

 

Postado por flaviocure às 17:38

Compartilhe:

1 Comentário

Menos carne vermelha, menor risco de diabetes

Os amantes da carne vermelha, seja ela bovina ou suína, que querem cuidar da saúde, devem estar atentos também para o consumo da versão processada do alimento, como as linguiças, salsichas, bacon, lombo canadense e presunto. Pesquisas mostram que comer pequenas porções desses frios, todos os dias, pode aumentar em até 50% os riscos de desenvolver diabetes tipo 2.

E são pequenas porções mesmo! Os estudos se referem a uma quantidade equivalente a duas fatias de presunto ou a uma salsicha por dia. Os riscos também existem com a ingesta da carne vermelha fresca (bovina ou suína), mas são menores que os provocados pelos embutidos: um bife de 100 gramas, diariamente, aumenta em 20% as chances de desenvolver a diabetes tipo 2, por exemplo.

A preocupação não é exagerada. Os números, no Brasil e no mundo, não são nada animadores: da meia-noite de hoje, dia 24 de setembro, até o momento em que escrevo esse post, 325 novos casos de diabetes surgiram em nosso país, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, que tem uma espécie de “contador” em tempo real no site www.diabetes.org.br. Ainda de acordo com a SBD, hoje, no mundo, quase 347 milhões de pessoas têm a doença, com um novo caso a cada cinco segundos. Especificamente nos Estados Unidos – país que, infelizmente, estamos tentando imitar nos quesitos sobrepeso e obesidade – mais de 11% dos adultos têm diabetes.

Prevenção

Além de evitar o consumo diário de carne vermelha – fresca ou em embutidos – combinando com outras fontes de proteína como feijão, peixe, aves magras e cereais integrais, para prevenir-se da doença é fundamental fazer atividade física regular. Isto porque o diabetes tipo 2 possui um fator hereditário maior do que o tipo 1, mas tem grande relação com a obesidade e o sedentarismo: a estimativa da SBD é de que 60% a 90% dos portadores da doença sejam obesos.

Dieta e exercícios são fundamentais, também, depois que a doença está instalada, e podem ser combinados com medicamentos orais ou insulina, de acordo com o caso. A doença caracteriza-se pela contínua produção de insulina pelo pâncreas, pois as células não conseguem metabolizar a glicose suficiente da corrente sanguínea. Os principais sintomas são infecções frequentes, alteração visual (visão embaçada), dificuldade na cicatrização de feridas, formigamento nos pés e erupção de vários furúnculos.
A incidência da diabetes tipo 2 é maior é após os 40 anos e ela é oito a dez vezes mais comum que o tipo 1.

Alimentar-se melhor e praticar exercícios são pequenos esforços para garantir sua saúde, que é o passaporte para aproveitar a vida! Pense nisso.

Postado por flaviocure às 14:42

Compartilhe:

2 Comentários