publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Ano novo sem ressaca

Fim de ano e continuam as festas. Passado o Natal, hora da comilança familiar, vem o réveillon e o encontro com os amigos, normalmente em festas com o teor alcoólico muito mais acentuado. Em seu rastro, muitas vezes, a popular ressaca com todo o mal estar que proporciona. É a forma de o organismo manifestar os sintomas da intoxicação provocada pelo excesso de álcool ingerido.

A cabeça fica pesada, qualquer barulho incomoda, a luz quase cega, o corpo fica dolorido, a boca fica seca, o enjoo e, por vezes, a diarreia, levam à vã promessa de que nunca mais colocará um pingo de álcool na boca. Muitos já enfrentaram esse quadro. Mas ele é possível evita-lo com alguns cuidados básicos. Afinal, a intoxicação do organismo depende exclusivamente do quanto cada um bebe.

O primeiro passo é lembrar que o último dia do ano não será o último da vida e nem o primeiro é o marco que merece uma comemoração exagerada. Portanto, nada de agir como se o mundo fosse acabar. O melhor é pensar bem antes de exagerar na bebida. Afinal, o seu corpo vai pagar a consequência.

Um bom caminho é comer bem antes de começar a beber e deixar o sistema digestivo – especialmente o fígado – mais protegido da intoxicação provocada pelo álcool. Afinal, o organismo vai ter que trabalhar muito para metabolizar tudo o que for ingerido. Se o estômago estiver vazio absorverá com maior velocidade o álcool e o consumo se transforma mais rapidamente em bebedeira. Portanto, uma boa refeição ou, mesmo, um sanduiche ajuda bastante.

O mesmo vale para o dia seguinte, quando é bom consumir frutose e glicose por meio de frutas ou doces. Nada de comidas ácidas ou gordurosas se estiver de ressaca. Uma sopa, saladas e legumes descem bem.

Acima de tudo, muito líquido, água é o melhor de todos, mas podem ser também sucos, preferencialmente evitando laranja e limão, que são ácidos. A água dilui o álcool e, dessa forma, reduz as possibilidades de intoxicação. A água de coco é excelente, pois oferece os sais minerais e o sódio que são expelidos pelo corpo junto com a urina. O ideal para quem consome álcool é sempre beber água, antes de começar a beber álcool, durante e depois.

Vale lembrar que algumas bebidas atuam mais rapidamente do que outras. Os destilados – vodka, cachaça ou whisky, por exemplo, têm maior teor alcoólico, portanto entram mais rapidamente na corrente sanguínea do que a cerveja ou o chope, que são fermentados.

Cada pessoa reage de forma diferente à ingestão do álcool. Diferentes fatores pesam nas consequências, tais como a idade, o peso ou o sexo. O importante é fazer da bebida um ingrediente para animar a festa, para descontrair, mas não exagerar. Afinal um bêbado pode estragar a festa de muita gente, além da dele mesmo e, no dia seguinte a ressaca é capaz de fazer qualquer um começar mal o ano.

Por isso, previna-se. Modere na bebida e aproveite a festa.

Feliz 2013 para todos nós.

 

Postado por flaviocure às 14:32

Compartilhe:

Nenhum comentário

É Natal, saboreie cada garfada

O fim do mundo não aconteceu, apenas alguns indícios dele nas diversas barbaridades que tomaram as manchetes dos jornais nos últimos dias. Mas nada que nos leve a crer que a humanidade não resista por muito tempo. Sendo assim, vamos para mais uma rodada de festas de fim de ano, com um belo Natal e um animado réveillon, mantendo a saúde em dia.

Aqui no Brasil as festas acontecem durante o verão, que começou na manhã desta sexta-feira, 21 de dezembro e promete ser dos mais quentes dos últimos anos. Portanto, alguns cuidados extras são necessários e manter uma alimentação leve e muita hidratação é básico.

Aquele presunto, o peru, o pernil, a salada de maionese, a farofa com bacon e ovos, castanhas, avelãs, que importamos da tradição do Natal europeu estão incorporados ao cardápio das festas. Assim como o álcool, seja na cervejinha ou no vinho. E, o melhor, é saber que podemos aproveitar tudo isso e manter a saúde. O segredo está sempre no equilíbrio. Devemos lembrar que as festas duram um, dois dias, mas o exagero pode deixar consequências por muito mais tempo.

Portanto, sem desprezar a tradição, que tal incluir nestes cardápios as nossas frutas, ricas em líquidos, como o abacaxi, a melancia, a laranja, uva ou a manga, por exemplo? Todas extremamente saborosas e refrescantes. Sejam sozinhas, sejam misturadas numa salada de frutas.

Os vegetais e os legumes também são bem vindos nessa sugestão de dieta leve para enfrentar festas nesse nosso clima. Saladas bonitas com diferentes tipos de alface, agrião, rúcula, tomate, cebola, cenoura, beterraba, pepino, nabo, por exemplo, alimentam e são belas de se ver.

A hidratação é um ponto fundamental, uma vez que nossos organismos perdem consideráveis quantidades de líquidos e sais minerais por meio da transpiração que nos permite enfrentar as temperaturas elevadas. Portanto, água, sucos, chás, leite etc. são bem vindos. A água de coco é uma excelente opção.

O segredo é consumir o menos possível os alimentos calóricos, como as frituras e embutidos. Se for possível, trocar o pastelzinho frito por um assado. A bola de sorvete (com gordura) pelo picolé que tem suco de frutas, a maionese por molhos que tenham o iogurte natural com base. Em vez de queijos amarelos, os queijos brancos.  Sem sacrifício é possível comer bem e não sobrecarregar o organismo.

Vale lembrar também que você não é obrigado a comer tudo o que está oferecido à mesa. Não exagere na quantidade, para depois ficar com aquela sensação de peso e cansaço. Ponha o prato apenas o suficiente para satisfazê-lo. O ritmo da ingestão também é importante. Coma devagar, saboreie cada garfada e, além de apreciar o sabor comerá menos. Outra dica, é encarar as festas como um espaço para relacionamento, para encontrar as pessoas e conversar, não como uma espécie de rali gastronômico.

Feliz natal e divirta-se!

 

Postado por flaviocure às 18:02

Compartilhe:

Nenhum comentário

Asma: o que é e como cuidar

Quarta causa de internação hospitalar no país, segundo a Associação Brasileira de Asmáticos (Abra) , a asma é uma doença que todos já ouviram falar, mas sobre a qual poucos sabem como se prevenir. A imagem do doente ofegante, aspirando uma bombinha já foi utilizada em diferentes momentos em filmes e novelas, nem sempre de forma positiva. Mas o que é na realidade e como lidar com a doença?

A asma  é uma doença crônica que ocorre quando há o estreitamento dos bronquíolos, com consequente dificuldade para passagem de ar dos pulmões. O doente tem dificuldade de expirar maior do que de inspirar e sofre com irritação ou inflamação das vias respiratórias. Com isso, vem a tosse seca, o chiado, a opressão no peito e muita dificuldade nos momentos de crise. Em geral, os sintomas surgem ainda na infância, mas acompanha o doente por toda a vida. Não tem cura, mas é possível mantê-la sob controle. É comum afetar pessoas de uma única família.

A origem pode ser alérgica e provocada por fumaça, produtos químicos, pelos de animais, mofo, infecções, mudanças de clima e até aspectos emocionais.

A infecção é causada por vírus ou bactérias (viroses, gripes, resfriados e sinusites) e se apresenta em quatro tipos básicos. Um com sintomas em intervalos de curta duração, chamado de não contínuo; a leve, que são crises não frequentes, mas que quando ocorrem são diárias e interrompem o sono; a moderada, que, prejudicam o sono e as demais atividades diárias e a grave. Nesse caso os sintomas são contínuos e a pessoa fica impossibilidade de fazer qualquer exercício físico.

Diferentes causas podem desencadear uma crise asmática. Entre as principais estão o fumo, o ácaro, os produto químicos, inseticidas e a poeira. Em parte dos doentes até alguns alimentos podem ser os responsáveis, como o leite e ovos.

Em qualquer situação é importante o acompanhamento do médico, que poderá dar o suporte clínico e também o emocional.  Muitas vezes os pacientes agravam o problema em função do desespero que o medo de uma crise gera. O papel do médico no aconselhamento prévio sobre como se comportar na perspectiva de uma crise, assim como na assistência imediata ao paciente, minimiza as consequências.

Algumas recomendações gerais são no sentido de que não se fume em casas onde há asmáticos; evitar mudanças bruscas de temperatura, manter uma rotina de exercícios moderadas, abusar dos líquidos, especialmente a água, adotar a práticas de exercícios respiratórios e evitar remédios que induzam ao sono, mas, acima de tudo: mantenha uma rotina de prevenção junto com o médico.

A famosa bombinha do asmático, que na realidade contém  broncodilatadores, é um parceiro permanente e que preferencialmente deve estar sempre ao alcance.

Aqui no Rio a Abra oferece apoio e orientação em reuniões mensais todas as últimas segundas-feiras do mês. A entidade funciona na Rua Conde de Bonfim, 255. Mais informações podem ser obtidas no 21-25676076.

Àqueles que são asmáticos ou têm parentes que sofrem com a asma, vale lembrar que o Ministério da Saúde oferece gratuitamente três medicamentos para tratamento da asma por meio de mais de 20 mil farmácias credenciadas no programa Aqui tem farmácia popular e em mais de 500 farmácias da rede pública.

 

Postado por flaviocure às 17:56

Compartilhe:

Nenhum comentário