publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabe o que é “xerostomia”?

Você sabe o que é “xerostomia”? Provavelmente poucos ligarão o nome técnico à doença, que nada mais é do que a sensação de “boca seca”, não necessariamente devido à falta ou diminuição de saliva. Já quando há a redução na produção de saliva, chamamos de hipossalivação, que causa muito desconforto e pode levar até a problemas de nutrição, uma vez que  consegue  inibir o paladar, dificultar a mastigação e absorção dos alimentos pelo organismo.

Além disso, pode também atrapalhar a fala, aumentar o risco da halitose (mau hálito) e contribuir para o elevação do risco de cáries, uma vez que sem a saliva a mucosa da boca fica menos protegida contra as bactérias. Outros problemas podem ocorrer com a língua, tais como fissuras e inflamações.

O organismo normal gera, em média, mais de um litro de saliva diariamente. O processo é comandado pelo sistema nervoso autônomo e o seu descontrole muitas vezes está diretamente relacionado a ele. O estresse é uma dos fatores que pode desencadear o problema.

Muitos já tiveram a experiência e outros ouviram falar da boca seca eventual nos momentos de tensão. Essa reação é fruto da produção de adrenalina, que desencadeia um processo que culmina com o efeito da falta de saliva.

Outros potenciais causadores da boca seca, esses não eventuais, são os remédios, muitos com propriedades que diminuem o fluxo da saliva. São anti-histamínicos, antidepressivos tricíclicos, antiespasmódicos e determinadas drogas usadas para mal de Parkinson, incontinência urinária e bronquite crônica.

É fundamental o acompanhamento médico para precisar a causa do problema, que pode surgir mesmo com cuidados básicos, como manter-se sempre bem hidratado, seja consumindo água, seja evitando hábitos como o de respirar pela boca. Se estiver com dificuldades de respirar pelo nariz, o melhor é pedir ao médico um descongestionante nasal. Há sempre a possibilidade, embora menor, de a boca seca ser provocada por alguma provocada por fungos ou ainda problemas específicos das glândulas salivares, como a síndrome de Sjögren.

No geral, é recomendado que sejam evitados alimentos secos ou condimentados, bebidas alcoólicas e cafeinadas. Em caso de crise, para dissimular o efeito, chicletes e balas sem açúcar podem ajudar a salivação.

 

Postado por flaviocure às 18:44

Compartilhe:

Nenhum comentário

Tarefas domésticas também exercitam

Uma pesquisa feita pela Universidade Estadual de Oregon, nos EUA e publicada no American Journal of Health Promotion, promete ser o alento para muita gente. Segundo os estudiosos, não é necessário frequentar uma academia de ginástica ao longo da semana para ser considerado fisicamente ativo.  Atividades cotidianas, como varrer a casa ou subir escadas, cumpririam a mesma função, inclusive com benefícios como manter sob controle a pressão arterial e o colesterol.

Foram avaliadas 6.321 pessoas com idades entre 18 e 85 anos, que tiveram analisados fatores como açúcar no sangue, triglicerídeos e colesterol.  O resultado indicou que 43% deles, mesmo sem frequência regular à academia, alcançavam o índice de 150 minutos de exercícios por semana, medido por um instrumento chamado acelerômetro. A conclusão dos pesquisadores foi de que os riscos de síndromes metabólicas dessas pessoas eram o mesmo dos que frequentam academias.

Os portadores de síndrome metabólica sofrem com pelo menos três das seguintes doenças: hipertensão, índice de açúcar elevado no sangue, excesso de gordura abdominal, índices elevados de ácidos graxos e baixo nível de bom colesterol.

Para ajudar o entendimento sobre as tarefas domésticas que podem ser consideradas exercícios físicos, busquei algumas projeções de gastos calóricos que elas proporcionam. Uma hora de lavagem de louças equivale a 170 calorias, estender a roupa no varal, 100 calorias, varrer o chão, 180 calorias, lavar o carro, 450 calorias; lavar roupa entre 160 e 282 calorias e passar roupa, 90 calorias.

Além dessas atividades, vale lembrar que sempre é possível evitar o sedentarismo, por exemplo, ao subir um ou dois andares de escada, dispensando o elevador. Ou estacionando o carro há uma ou duas quadras do destino; ou, mesmo, deixando de lado o controle remoto da TV ou falar ao telefone de pé, em vez de deitado ou sentado. Vale lembrar estudos anteriores que já apontaram a necessidade de intermediar períodos sentados com outros levantados. A indicação é de que aproximadamente a cada hora sentada, a pessoa levante, de forma a colaborar com a perda da circunferência abdominal e redução do índice de massa corporal (IMC) e glicose no sangue.

Portanto, se a desculpa da falta de tempo para a academia te acompanha, busque alterativas. Só não fique parado. Aproveite este reinício de ano pós carnaval e mexa-se! A sua saúde agradece.

Bom fim de semana.

 

Postado por flaviocure às 18:02

Compartilhe:

Nenhum comentário

Febre, o sinal de alerta

Todo mundo já teve febre em algum momento. Às vezes ela vem acompanhada por falta de apetite, prostração, mal estar, dor de cabeça ou outras dores pelo corpo. Em casos mais graves, especialmente em idosos, se for alta demais, pode até provocar delírios e, nas crianças, convulsões. Mas, apesar de todas essas consequências, ela até pode ser considerada positiva. Pois, na realidade, é um sinal de alerta do organismo, para indicar que algo de errado está acontecendo.

O estado de febre, ou seja, a elevação da temperatura do corpo, varia de uma pessoa para outra. Mas para efeitos gerais, há uma média que considera o valor normal da temperatura humana entre 36 até 37,5ºC. Quando ultrapassa esses números há a febre, que é medida por meio dos termômetros. Vale ressaltar, que uma mesma pessoa pode apresentar variações da temperatura do corpo ao longo do dia, sem que haja qualquer anormalidade. Em geral durante a madrugada, quando o corpo está em repouso, a temperatura é mais baixa e se eleva até o ápice no final da tarde.

A febre ocorre quando o organismo precisa alertar para algum tipo de agressão provocada por micróbios, como vírus e bactérias. As células de defesa são acionadas e acontece uma verdadeira batalha, com os chamados glóbulos brancos na defesa contra os agressores. Nesse processo é produzida uma substância chamada prostaglandinas, que atuam no combate às infecções e também são responsáveis pela sensação de dor e geram as inflamações. Essas substâncias alcançam hipotálamo, o que provoca a elevação da temperatura, ou seja, a febre.

Normalmente as febres são provocadas pela invasão de vírus e duram pouco tempo. O importante é que ao primeiro sinal do desconforto o médico seja acionado. Ele saberá como diagnosticar e medicar da forma adequada, afinal, as origens da febre podem ser variadas e é importante identificá-las. Não basta o uso do medicamento que vai ajudar temporariamente diminuindo a febre, é preciso ir à raiz do problema.

A febre alta, por exemplo, pode ser decorrente de uma pneumonia, de meningite, de endocardite (infecção das válvulas do coração) ou até de uma gripe. Casos de febre prolongada na faixa dos 38ºC, com perda de peso, podem estar relacionadas à tuberculose ou à Aids. Também casos de câncer provocam febres, assim como as chamadas doenças autoimunes, como o lúpus.

A prevenção e os exames de rotina são fundamentais, pois, nem sempre a febre surge para nos alertar. Idosos têm reduzida a capacidade de gerar calor e, muitas vezes, têm infecções sem ficarem febris. O que eleva o risco do agravamento da doença. O mesmo ocorre com insuficientes renais crônicos e, mesmo, recém-nascidos.

Vale lembrar que há situações em que a temperatura do corpo se eleva, mas não há doenças. Isso ocorre, por exemplo, quando são realizados exercícios físicos, quando a pessoa está em ambientes muito quentes ou frios, com excesso de roupas ou, ainda, nas mulheres, em função de alterações de ciclo hormonal. Nesses casos, durante a ovulação, pode haver elevação de até 0,5ºC na temperatura.

Portanto, fique atento e não titubeie. Se for necessário,  busque palavra do seu médico.

 

Postado por flaviocure às 12:54

Compartilhe:

Nenhum comentário