publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Diferentes sexos, diferentes tratamentos para mesmas doenças

As mesmas doenças se apresentam de formas diferentes para homens e mulheres. É o que demonstra o estudo conduzido pela equipe de pesquisadores da Universidade de Pádua, na Itália, sob o comando do professor Giovannella Baggio e publicado no Journal of Clinical Chemistry and Laboratory Medicine. Eles concluem pela necessidade urgente de os dois gêneros contarem com estudos específicos para cuidados de saúde, afinal as mesmas doenças podem apresentar diferentes sintomas e formas de se manifestar, além de exigirem tratamentos também diferentes.

Na realidade eles ressaltam algo que na prática muitas vezes é negligenciado. A falta de atenção específica a cada paciente, da investigação particular, da continuidade, contribui para a pasteurização do atendimento. E, dessa forma, o menosprezo aos detalhes que são fundamentais e podem melhorar a qualidade do procedimento médico.

O estudo aponta que há dimensões psicológicas e de impacto social, além dos sinais clínicos, prognósticos e abordagem terapêutica que deixam de ser apreciados. Os pesquisadores concentraram a investigação em cinco áreas da medicina: o das doenças cardiovasculares, o de oncologia, a farmacologia, as doenças e fígado e osteoporose.

Com relação às doenças cardiovasculares, lembram que são a primeira causa de mortalidade e incapacidade nas mulheres e que os fatores de riscos para ambos os sexos têm impactos diferentes. Também os medicamentos têm eficácias e efeitos colaterais diferenciados.

Nos homens, por exemplo, o ataque cardíaco é sentido com uma dor no peito que se prolonga para o braço esquerdo. Já nas mulheres os sinais são náuseas e dor na parte inferior do abdome. Com certeza todos, mesmo os leigos, já ouviram falar nos sintomas masculinos, mas poucos conhecem os femininos. Isso pode ser fatal, visto que, em geral, os ataques nas mulheres são mais graves.

Mesmo submetidas a exames como a angiografia coronária, os resultados das mulheres podem não ser semelhante aos que ocorrem com os homens. A angiografia nas mulheres podem não evidenciar a doença aterosclerótica coronariana em função de diferenças na circulação microvascular.

O estudo afirma que, embora os homens sejam mais identificados como passíveis de sofrerem de doença arterial coronariana, ela é a principal causa de morte de mulheres com 65 anos de idade. Diz ainda que a mortalidade por doenças cardiovasculares nos últimos 30 anos diminuiu mais para os homens do que para as mulheres.

Outro dado revela que o número de mortos intra-hospitalares de um infarto agudo do miocárdio (IAM) é maior em mulheres do que em homens até 70 anos de idade e a sobrevida após seis meses é menor em mulheres. O estudo aponta que os ensaios clínicos em prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares têm sido conduzidos exclusivamente com homens ou em populações com um número muito baixo do sexo feminino.

Em resumo o essencial que extraio desta pesquisa é a necessidade dos profissionais de saúde e pesquisadores investirem nos estudos que permitam a melhoria da precisão dos diagnósticos e das formas de tratamento. Ao mesmo templo, cada um de nós, independentemente do sexo, devemos periodicamente buscar os profissionais de saúdes e assim minimizarmos os riscos.

Mulheres e homens, aproveitem bem o feriadão e boa Páscoa!

 

Postado por flaviocure às 18:18

Compartilhe:

Nenhum comentário

Cuidados com medicamentos contra osteoporose

Um novo alerta, desta vez feito pela Anvisa, e publicado esta semana no seu Boletim Brasileiro de Avaliação de Tecnologia em Saúde, deixa em alerta médicos e pacientes. Desta vez foi constatado o risco da ingestão dos bisfosfonatos, que são conhecidos como alendronato, ibandronato, risedronato, pamidronato, clodorato e ácido zoledrônicos.  Eles geralmente são indicados no tratamento da osteoporose. Os problemas apontados são a possibilidade de aumentar a quantidade de fraturas dos ossos e de maiores chances de incidência de AVC (acidente vascular cerebral) e câncer de esôfago.

Diante deste alerta, creio que aqueles que se submetem a tratamentos com essas substâncias devem procurar de imediato seus médicos, para uma avaliação de seus casos. Segundo as informações, 1% das pessoas que consomem os medicamentos com bisfosfonatos sofrem fraturas ou os outros problemas.

A estimativa é de que dez milhões de brasileiros sofram de osteoporose. Este é o contingente populacional potencialmente atingido. A proporção de mulheres é maior, uma em cada três com idades superiores aos 50 anos. Mas os homens também são afetados, em um para cada cinco. Em geral o fêmur, a coluna vertebral, os punhos e a lombar são as regiões onde ocorrem a doença.

Os dados indicam ainda que ocorrem 2,4 milhões de fraturas/ano em função da osteoporose, que resultam em 200 mil mortos no período.

Como em quase todas as doenças alguns fatores aumentam a probabilidade dela se manifestar. Entre eles estão o diabetes, o consumo excessivo de café ou álcool, o fumo e atividades físicas inadequadas (excesso ou falta).  Portanto melhores hábitos ajudam na prevenção. Fique alerta.

 

Postado por flaviocure às 17:24

Compartilhe:

Nenhum comentário

Porque devemos consumir mais carotenoides ?

Da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, em Piracicaba, vem uma pesquisa interessante sobre os hábitos alimentares dos brasileiros e sobre como eles refletem diretamente em nossa saúde. O trabalho aponta que ao mesmo tempo em que a população consome quantidades de vitaminas abaixo do recomendável, está crescentemente com sobrepeso. Ou seja, a pior combinação possível.

O estudo aponta que o consumo de carotenoides, em média, é muito abaixo do recomendável. São apenas cerca de 4.117 miligramas diários, em vez de quantidades entre 9 e 18mil indicadas. A presença de alimentos com esta substância revela o quanto é saudável a alimentação de cada pessoa, pois ela está presente em frutas, legumes e verduras, com grande quantidade de fibras e nutrientes.

Podemos concluir que a ingestão de alimentos por grande parte da população está concentrada em produtos de baixa qualidade nutricional. Como já falei em outros artigos, excesso de produtos industrializados, açúcares, gorduras formam esse cardápio preferencial, que tem tido a preferência nacional.

Segundo alerta o estudo, os carotenoides atuam como antioxidantes e são essenciais na prevenção de diferentes tipos de doenças. Não é difícil alcançar a média diária, mas é preciso adotar hábitos alimentares como o de comer produtos como brócolis, agrião, cenoura, manga, pêssego, tomate, acerola, cajá, goiaba, mamão, abóbora, alface, couve e milho.

A pesquisa analisou 34 mil pessoas com idade superior a dez anos de idade em todo o Brasil com base em dados do IBGE e do Ministério da Saúde reunidos na Pesquisa de Orçamentos Familiares do período 2008/2009.

Um dado revelador sobre como se dá a alimentação do brasileiro é o que revela que a alimentação mais balanceada está concentrada nas melhores faixas de renda. Já os mais pobres têm consumido produtos mais baratos como doces, refrigerantes e frituras.

Vamos aproveitar o fim de semana, passar num hortifrúti e começar já uma alimentação mais sadia. Nossa saúde merece.

 

Postado por flaviocure às 17:39

Compartilhe:

Nenhum comentário