publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Esteatose hepática, o que é?

Fígado gorduroso, doença gordurosa do fígado ou esteatose hepática é nosso tema de hoje. É uma doença resultante do acúmulo de gordura no fígado e que tem sido motivo de grande número de transplantes do órgão. Algumas das suas causas são o abuso de álcool, o diabetes, o sobrepeso ou a obesidade, as hepatites virais, a má alimentação e o sedentarismo.

A doença faz parte do grupo das assintomáticas na maior parte das vezes, mas alguns indícios podem sinalizar sua presença. Os exames poderão confirmar a existência, são eles: a sensação de peso após as refeições, dores no abdome e fadiga crônica. O médico chegará ao diagnóstico.

Se confirmada a doença, algumas medidas básicas serão indicadas, principalmente as referentes à alimentação e à pratica de exercícios físicos, pois no caso da esteatose hepática não alcóolica, a doença se manifesta em um a cada cinco pessoas com sobrepeso.

O caminho está na suspenção da ingestão de frituras, gorduras e doces. Caso seja a esteatose hepática alcóolica, a medida imediata será a suspenção da ingestão de bebidas alcóolicas, acompanhadas das demais alterações da dieta. O apoio de um nutricionista será fundamental.

O cardápio, com certeza passará a ser dominado por frutas, legumes, verduras, laticínios sem gordura, açúcar zero, grãos e até carnes magras, grelhadas ou cozidas no azeite. O conjunto deverá ter o mínimo de gordura.

Outra recomendação fundamental para prevenção da doença é a prática de exercícios físicos. Uma alimentação rica em gorduras e o sedentarismo são grandes passos para o surgimento da doença.

A esteotose não está no grupo dos problemas mais graves que os maus hábitos alimentares e a preguiça podem causar. Mas o fato é que esses fatores são riscos para complicações de maior monta. A esteotose em si, se tratada com o apoio do médico, pode ser curada em prazo relativamente curto, em torno de dois meses, dependendo da quantidade de gordura acumulada no fígado.

Essa relativa facilidade na cura da doença não deve servir para relaxamento em caso de identificação. Vale lembrar que, se não controlada, ela pode evoluir para um cirrose hepática.

Portanto, vamos cuidar bem do fígado, que é tão falado, mas também tão mal tratado.

 

Postado por flaviocure às 17:30

Compartilhe:

Nenhum comentário

Tudo azul contra o diabetes

Hoje é dia de azul. É o

A mobilização é necessária. Segundo dados da Federação Internacional de Diabetes, 13,4milhões de brasileiros estão com taxas de açúcar elevadas no sangue. Um dos principais problemas é a negligencia, pois se estima que 50% não saiba que convive com a doença. Em todo o mundo são 371 milhões de pessoas com a diabetes.

Vale lembrar que diferentes fatores concorrem para o excesso de açúcar no sangue. Desde a alimentação desequilibrada à falta de atividade física. A obesidade é um deles. Por isso, insisto que é preciso uma revisão geral nos hábitos, que envolve alimentação, redução no consumo de álcool, doces e, claro, um programa de exercícios.

As complicações do diabetes são também causadoras de outras doenças, como o glaucoma e câncer, como os de fígado, pâncreas, intestino e endométrio, por exemplo. Muitas pessoas com a evolução da doença se veem mesmo obrigadas a amputarem partes do corpo, mais frequentemente os pés.

Portanto, não há porque descuidar. Vamos nos inspirar no símbolo da campanha, um círculo azul, que simboliza a união da comunidade global para combate à doença e difundir as necessárias precauções contra o diabetes.

Toda ajuda é positiva. Comece hoje mesmo com seus próprios hábitos. Na dúvida, procure um médico. Ele pedirá os exames necessários e dará a melhor orientação para o seu caso.

Aproveite o feriadão da República e bom fim de semana.

 

Postado por flaviocure às 20:00

Compartilhe:

Nenhum comentário

Rio, campeão da hipertensão

Em alguns rankings é muito bom estar à frente. Nas competições os atletas se esforçam para serem os líderes e se vangloriam com o sucesso. Mas essa nem sempre ser o primeiro significa ser o melhor. Muito pelo contrário. Em alguns casos, como o da pesquisa “vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônica (Vigitel)” divulgada no início do mês, é o oposto. Ela mostra que o Rio de Janeiro é o líder nacional no número de hipertensos num total de 29,7% da população convivendo com a doença, contra a média geral de 24,3% da população brasileira.

Como falo aqui regularmente, é necessário maior atenção para a hipertensão, que resulta em outras consequências graves, como as doenças cardíacas, a insuficiência renal e o acidente vascular cerebral (AVC).

E como fazer? Bom evitando a obesidade, o sedentarismo, o estresse e o consumo excessivo de sal. Ou seja, hábitos saudáveis formam a melhor prevenção. Procurar o médico, fazer um check-up, estabelecer metas com programas de exercícios físicos e um cardápio com frutas, legumes, verduras ajuda bastante.

O recente acordo entre o governo e a indústria de alimentos para redução da quantidade de sódio em mais um grupo de produtos é mais um passo para evitar o agravamento da situação. A meta anunciada é retirar 28 mil toneladas de sódio dos produtos até 2020, o que é positivo, mas ainda exigirá mais cortes.

Dados da pesquisa revelam a necessidade de difusão de informações sobre a hipertensão. Segundo a Vigitel, o grupo da população formado por pessoas com menor escolaridade sofre mais com a doença. Quem tem doze anos ou mais de escolaridade, é atingido em 14,2% pela doença, já aqueles com até oito anos, ficam em 37,8%. Outro grupo que deve aumentar a vigilância é o das mulheres, que chegam a 26,9%, mais do que os 21,3% dos homens. A doença, embora seja registrada em pessoas mais jovens, chega a 59,2% entre os que têm mais de 65 anos de idade.

Portanto, atenção ao que comemos. Menos produtos industrializados, melhor alimentação e mais atividades físicas já ajudam na prevenção. Cuide-se. Faça a sua parte e viva melhor.

 

 

Postado por flaviocure às 17:29

Compartilhe:

Nenhum comentário