publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

O que faz a pressão subir ?

Como cardiologista muitas vezes sou questionado sobre os motivos que levam a pressão arterial a subir. Como acontece esse fenômeno e suas consequências. A percepção geral é de que se alguém está sob estresse, nervoso, preocupado, há a elevação. Está correto, mas não são apenas esses fatores, outros também complexos estão envolvidos, tais como a idade, os hábitos alimentares e físicos.

A idade, por exemplo, é um fator de risco, pois com o tempo as artérias por onde circula o sangue vão enrijecendo. Menos flexíveis dificultam a passagem do líquido e, desta forma, o sangue que é bombeado pelo coração encontram menos espaço para circular. Com isso a pressão sobe.

Os rins também têm papel expressivo neste equilíbrio do organismo.  Quando estão funcionando mal e não regulam a quantidade de líquidos em circulação no corpo, o coração tenta compensar com mais impulso ao sangue e também eleva a pressão.

O coração, claro, é o centro da história. Ele é um músculo que funciona ininterruptamente para garantir a irrigação das células com o oxigênio e nutrientes presentes no sangue. O bater do coração que ouvimos é o movimento de contração e expansão para bombeamento do sangue. É conhecido tecnicamente como sístole, quando o músculo se contrai e diástole, quando se dilata e está cheio de sangue. A força que o sangue exerce sobre os vasos sanguíneos determina a pressão arterial.

Em situação normal o corpo tem que ser capaz de dosar essa pressão e fazer o sangue chegar a cada célula na medida certa. Quando há pressão em excesso as artérias podem resistir e se romperem. É o que ocorre quando há um acidente vascular cerebral (AVC) hemorrágico, com sangramento no cérebro.

Algumas situações provocam a elevação esporádica da pressão arterial e não chegam a ser graves se não se tornam rotineiras. A pressão alta contumaz afeta diferentes órgãos. Nos olhos podem romper as artérias que irrigam a retina e levar à cegueira. No cérebro podem provocar o AVC isquêmico (quando há o entupimento de algum vaso) ou o hemorrágico; coração, os rins, os vasos sanguíneos e o cérebro. No coração pode chegar à obstrução arterial ou à formação de coágulos, que impedem a irrigação e leva à morte de tecido e ao infarto. Os rins assim como provocam a hipertensão sofrem com as consequências que podem chegar à insuficiência renal. Na vida sexual, a pressão elevada pode levar à disfunção erétil, em função da chegada insuficiente de sangue no pênis. E nas atividades físicas, a pressão elevada desregula o volume de sangue em circulação no corpo e provoca dores musculares.

A elevação da pressão tem esses fatores, mas eles podem estar presentes também em pessoas que não sofrem com o problema. Na verdade, em cerca de 90% dos casos a causa não é conhecida. Mas os estudos mostram que alguns fatores incrementam seu aparecimento.

Para prevenir, o melhor é evita-los Alguns são a obesidade e o sobrepeso, que sobrecarregam o coração; o tabagismo em função de substâncias que reduzem a elasticidade das paredes das artérias ou a diminuição da espessura dos vasos sanguíneos; o sedentarismo, o estresse, o excesso de sal, o uso de drogas e álcool e a hereditariedade.

Se você se enquadra em qualquer desses casos, procure um médico e previna-se.  Alguns sintomas como dores de cabeça, na nuca, no peito, tonturas, visão embaçada, sangramento nasal e inchaço (retenção de líquidos) demandam atenção.

Mesmo que nenhum deles esteja presente, vá ao médico regularmente e faça seu check up.

A prevenção é o melhor remédio.

 

Postado por flaviocure às 19:39

Compartilhe:

Nenhum comentário

Infecção urinária, como evitar

Aproximadamente 30% das mulheres entre os 15 e 50 anos sofrem com infecção urinária, a mais comum das infecções bacterianas nos seres humanos. Nos homens a doença ocorre] principalmente durante a infância e a partir dos 55 anos, geralmente devido a distúrbios na próstata.

São diferentes formas de manifestação da patologia que ocorre em qualquer parte do aparelho urinário, seja na uretra, na bexiga ou nos rins. Em cada caso recebe um nome diferente. Nos rins é pielonefrite. Na bexiga é cistite, na uretra é uretrite ou na abertura da vagina é vulvovaginite.

Para prevenir uma preocupação básica é a hidratação. Beber água é fundamental para a atividade do aparelho urinário. Assim como fazer xixi logo que o cérebro avisa que a bexiga está cheia. Quem deixa para depois se arrisca, pois a uretra fica mais suja e pode facilitar a infecção. Outra preocupação deve ser com a cor da urina. O normal é que ela seja clara. Se estiver amarelada além do usual, pode ser por falta de hidratação ou em função de algum alimento específico, além do uso de medicamentos.

Vale lembrar que o primeiro xixi do dia pode ser mais escuro, pois à noite há a secreção hormonal que aumenta a absorção de água e provoca a concentração da urina. Se identificar sangue, não titubeie. Procure logo um médico, pois a presença de sangue pode indicar a existência de pedras nos rins, doenças de próstata, traumas, tumores ou infecções, por exemplo.

As mulheres devem ter preocupações extras em relação à higiene íntima. Afinal, a proximidade entre a vagina e o ânus é um fator de risco para as infecções. Por isso, deve haver muito cuidado com a utilização adequada do papel higiênico evitando passa-lo, ainda que involuntariamente, nos dois órgãos, para não permitir a migração de bactérias intestinais até a vulva.

Mais uma dica para ambos os sexos é procurar urinar após o sexo. O motivo é evitar que as bactérias envolvidas na relação contamine a região pélvica da mulher. O xixi exercita o aparelho urinário e elimina boa parte das bactérias que podem ter acessado a uretra a caminho da bexiga. O uso do chuveirinho é indicado para as mulheres, assim como sabonetes íntimos, com os cuidados no número de utilizações por dia, para não prejudicar o equilíbrio da flora bacteriana própria da vagina. Também lembrar de trocar os absorventes íntimos regularmente é necessário.

Alguns fatores e momentos aumentam o risco da doença, tais como a gravidez, que diminui as defesas do organismo feminino; o diabetes; o climatério e infecções ginecológicas, entre outros. Os sintomas da doença são a vontade de urinar diversas vezes, sempre em pequenas quantidades, dor e ardência na hora de urinar, dificuldade para começar a urinar, urina com cor alterada ou mau cheiro, o sangue na urina e a urgência em urinar.

Fique atento e previna-se.

Postado por flaviocure às 16:39

Compartilhe:

Nenhum comentário