publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Cuidados com os alimentos crus

Muitos afirmam que comer alimentos crus é benéfico à saúde. Sim, pode ser, mas, na realidade, nem sempre é assim, mesmo no caso de frutas e verduras. Isso porque a qualidade dos alimentos está associada também à sua origem e à forma como é manuseado. Uma vez que diferentes bactérias, capazes de grandes estragos à saúde, podem estar presentes. Uma das doenças à espreita quando esses cuidados são relaxados é a yersiniose, que é uma infecção que atinge especialmente o intestino delgado.

Para evitar doenças como esta a prevenção é fundamental. No caso de frutas, por exemplo, lavá-las com água limpa e tratada. Já as carnes devem ser cozidas, especialmente as de boi, porco e frango.  Mas os cuidados devem ser tomados também com linguiças e salsichas, carnes de carneiro, ostras, peixes, leite não pasteurizado e até a água infectada com excrementos de animais domésticos, especialmente suínos e bovinos.

A yersiniose não é uma doença comum e até seu diagnóstico muitas vezes é confundido como sendo, por exemplo, uma crise de apendicite. Além de sintomas comuns a outras infecções gastrointestinais, como diarreia e febre, pode provocar problemas como o surgimento de nódulos dolorosos nas pernas e pés, batizados como eritemas nodosos. Essa evolução chega a atingir 10% dos adultos que são infectados.

A doença também pode causar inflamação das articulações num percentual que chega até metade dos infectados. No caso das crianças entre 10% e 30% delas apresentam diarreia com sangue.

Para evitar riscos como esse é importante verificar se os alimentos ficaram realmente cozidos. Muitos argumentam que neste processo alguns nutrientes são perdidos, mas é um preço a pagar, afinal as consequências podem ser muito mais graves.

A doença é mais comum em crianças e idosos, além de pessoas que estejam com alguma debilidade imunológica. Não há dados específicos sobre a doença no Brasil, mas podemos acreditar que haja uma boa quantidade de subnotificação em função dos seus sintomas.

Vale lembrar que algumas bactérias resistem ao frio e, com, isso, mesmo alimentos guardados em geladeiras podem preservá-las.

Portanto, busque sempre se certificar da origem dos alimentos que ingere, assim das melhores condições de conservação. Se em casa é mais fácil, na rua pode ser complicado. Então, na dúvida, não arrisque. Sua saúde vale mais.

 

Postado por flaviocure às 18:41

Compartilhe:

Nenhum comentário

Pré-diabetes é um alerta para prevenção

Que o diabetes é um mal a ser evitado todos sabemos. Mas muitos se sentem “tranquilos”, numa espécie de zona de conforto, quando fazem exames de glicemia e recebem como diagnóstico que estão numa fase de “pré-diabetes”. Se sentem aliviados e, ao mesmo tempo, livres para manterem o mesmo estilo de vida. Afinal, ainda não têm a temida doença.  É um grande erro, que não deve ser cometido. O alerta deveria, antes, ser encarado como uma oportunidade para atuar preventivamente e evitar chegar à fase seguinte.

Recentemente mais um convincente motivo foi constatado por pesquisadores do Hospital Universitário do Norte da Noruega e divulgado em estudo publicado no “American Journal of Kidney Disease”. Segundo esse trabalho, o pré-diabetes pode causar danos nos rins. Eles chegaram à conclusão a partir de um teste de função renal que mede a quantidade de sangue que passa através dos glomérulos, que são pequenos filtros nos rins que filtram os resíduos do sangue. Níveis elevados de GFR são um sinal de hiperfiltração, a qual pode, ao longo do tempo, conduzir a danos no rim e insuficiência renal.

O pré-diabetes foi classificado como níveis de glicose em jejum entre 110-125 mg/dL de acordo com o Comitê de especialistas Internacionais de 2009. Ou entre 100-125 mg/dL como definido pela Associação de Diabetes Americana.

No estudo para aferir a relação entre o pré-diabetes e os danos renais foram analisados 1.324 pessoas com idades entre 50 e 62 anos, que tiveram medidos seus níveis de glicose em jejum e de hemoglobina. Os participantes foram acompanhados em períodos, em média, entre cinco e seis anos, sendo que no início do estudo 595 deles estavam em estágio de pré-diabetes.

Os pesquisadores averiguaram os estilos de vida dos participantes e checaram detalhes como ingestão de medicamentos.  Após esse processo foi identificado que aqueles que apresentavam pré-diabetes tinham uma mGFR mais elevada quando comparadas com os demais num sinal de hiperfiltração nos rins.

Outra constatação foi a de elevação dos níveis de albumina na urina daqueles que tinham níveis mais elevados de glicose no início do estudo. O que indica um sinal da doença renal.

Relembro alguns fatores de risco para o pré-diabetes, que é um estágio para o diabetes mellitus: o sobrepeso (IMC maior que 25 kg/m²), o  acúmulo  de gordura na região abdominal, o sedentarismo, a idade superior aos 45 anos de idade, o histórico familiar de casos de diabetes tipo 2; histórico de diabetes gestacional; a hipertensão arterial, o colesterol elevado, o tabagismo, entre outros.

São fatores controláveis, mas que, sem a adoção de nenhuma medida preventiva podem contribuir para que cerca de 1/3 dos pacientes com pré-diabetes desenvolvam a diabetes num prazo de até cinco anos.

Portanto, previna-se. Faça dos exercícios físicos um hábito regular. Diga não ao sedentarismo. Evite o excesso de açúcar, controle sua glicemia. Busque uma dieta equilibrada e aproveite a vida.

Bom fim de semana.

 

Postado por flaviocure às 17:26

Compartilhe:

Nenhum comentário

Câncer de mama, prevenção e direitos

Com 1,38 milhões de novos casos e 458 mil mortes pela doença por ano em todo o mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer de mama é o tipo que mais ocorre nas mulheres. Aqui no Brasil são estimados, pelo Ministério da Saúde, 52.680 novos casos anuais. É um quadro preocupante e que demanda atenção tanto no tratamento como nas formas de prevenção, para reduzir a incidência da doença.

O câncer ocorre quando há um crescimento descontrolado das células mamárias, em decorrência de alguma alteração genética. Embora não haja uma forma para “evitar” a doença, algumas recomendações para prevenir podem ser feitas. São basicamente ligadas à adoção de hábitos saudáveis, como uma alimentação balanceada, calcada em frutas, legumes e evitando produtos industrializados, açúcares ou sal, por exemplo. Além da prática regular de exercícios, e a realização de exames regulares, quem permitam a identificação de qualquer anormalidade. O diagnóstico precoce é um fator fundamental.

Estimativas do Inca (Instituto Nacional do Câncer) são de que com uma alimentação adequada e atividades físicas é possível reduzir em até 28% o risco de desenvolvimento do câncer de mama. E não é preciso muito sacrifício, bastam 30 minutos de caminhadas diárias para melhorar a condição física.  Lembro que mulheres obesas no período da menopausa têm até duas vezes mais riscos de desenvolverem o câncer de mama.

Outros fatores de risco são o histórico familiar, a idade (principalmente na faixa entre os 49 e os 69 anos), a menstruação precoce, a menopausa tardia, o colesterol elevado, a ausência de gravidez, outras lesões, reposição hormonal e quem já teve um tumor anterior.

No caso do histórico familiar é importante verificar mesmo parentes de segundo ou terceiro grau, como os primos. O hormônio estrógeno é o grande vilão da doença e sua variação é determinante nas diferentes fases e fatores de risco. Sempre que organismo o produz em quantidades significativas, em um processo desordenado, há o risco da formação do tumor.

A prevenção, como repito sempre, é fundamental. Vale lembrar dados da Sociedade Brasileira de Mastologia, que indicam que uma em cada doze mulheres terão um tumor nas mamas até os 90 anos de idade. Homens também podem ter a doença, mas numa proporção bem menor. É um caso para cada cem em mulheres.

O autoexame é sempre necessário. Conheça desde cedo o seu corpo. Saiba como ele é para identificar qualquer alteração.

Caso, mesmo com todos os cuidados e prevenção, a doença prevaleça, é sempre bom saber que há alguns direitos a que recorrer, como, por exemplo, o auxílio doença, com pagamentos mensais; aposentadoria; isenção de Imposto de Renda; saque do FGTS, cirurgia de reconstrução mamária gratuita, seja paga pelo SUS ou pelo plano de saúde. Todos esses direitos podem ser detalhados no site do Inca.

Agora, além desses aspectos objetivos, se a doença ocorrer, também é importante uma grande troca com familiares e amigos. É necessário compartilhar o problema e trabalhar em conjunto para superá-lo. Não é hora de isolamento.

 

Postado por flaviocure às 18:30

Compartilhe:

Nenhum comentário