publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabe o que é intolerância à lactose?

Indivíduos com intolerância à lactose são incapazes de digerir o açúcar (lactose) no leite.

Após comerem ou beberem produtos lácteos desenvolvem diarreia, gases e distensão abdominal.

A má absorção à lactose não é perigosa porém pode apresentar sintomas desconfortáveis.

A deficiência de lactase (uma enzima produzida no intestino delgado) é geralmente responsável pela intolerância à lactose.

A maior parte das pessoas com essa condição conseguem administrar a intolerância sem precisar abandonar os alimentos lácteos.

Sintomas:

Sinais e sintomas de intolerância à lactose geralmente aparecem após 30 minutos a 2 horas depois de comer ou beber produtos que contem lactose. Entre eles estão:

– Diarreia.

– Náusea.

– Dores abdominais.

– Distensão abdominal.

– Gases.

É recomendado que seja marcada uma consulta com o médico se esses sintomas sejam sentidos com frequência. A falta de cálcio no organismo também deve ser abordada na conversa.

Causas:

A intolerância à lactose ocorre quando o organismo não produz quantidades suficientes de lactase para digerir a lactose.

Normalmente a lactase transforma o açúcar do leite (lactose) em dois tipos simples de açúcar, glucose e galactose.

Se falta lactase no organismo, a lactose vai direto para o cólon ao invés de ser processada e absorvida. No cólon a lactose não digerida interage com bactérias causando os sintomas de intolerância.

Existem três tipos de intolerância à lactose.

Intolerância à lactose primária:

Essa é a forma mais comum de intolerância à lactose. Pessoas que desenvolvem esse tipo de intolerância começam a vida produzindo a quantidade normal de lactase. Quando o desmame acontece as taxas de produção diminuem gerando a intolerância.

A intolerância primária tem origem genética.

Intolerância à lactose secundária:

Essa forma de intolerância ocorre quando o intestino delgado diminui a produção de lactase depois de alguma doença, lesão ou cirurgia no mesmo.

Tratamento médico pode reverter essa condição.

Intolerância à lactose congênita:

É possível, porém muito raro, que bebês nasçam com intolerância à lactose causada por falta completa de produção de lactase.

Essa desordem passa de geração para geração em um padrão de herança chamado de autossômica recessiva (pai e mãe passam a mesma variante de gene para o filho).

Bebês pré-maturos também podem sofrer desse tipo de intolerância.

Fatores de risco:

– Idade. A intolerância à lactose geralmente ocorre em adultos sendo incomum em crianças e bebês.

– Etnia. A intolerância à lactose é mais comum em africanos, asiáticos, hispânicos e descendentes de índios americanos.

– Nascimento prematuro. O nascimento prematuro faz com que a criança tenha níveis de produção de lactase reduzidos.

– Doenças que afetam o intestino delgado. Problemas no intestino delgado podem causar intolerância a lactose, crescimento bacteriano, doença celíaca e doença de Crohn.

– Alguns tratamentos de câncer. A radioterapia no abdômen e complicações intestinais causadas pela quimioterapia pode gerar intolerância à lactose.

Para diagnosticar a intolerância à lactose o médico pode pedir o teste de tolerância à lactose, teste de respiração de hidrogênio e teste de acides de fezes.

Tratamento:

Não existem formas de aumentar a produção de lactase no organismo, porém existem formas de evitar o desconforto causado pela intolerância. São eles:

– Evitar grandes quantidades de produtos lácteos.

– Inserir pequenas quantidades de produtos lácteos na dieta.

– Consumir sorvete e leite com lactose reduzida.

– Beber leite após adicionar líquidos ou soluções que quebram a lactose.

A falta de cálcio por não consumir produtos lácteos pode ser resolvida ingerindo outros alimentos como:

– Brócolis.

– Salmão enlatado.

– Leite de soja e leite de arroz.

– Laranja.

– Espinafre.

– Feijão.

– Ruibarbo.

– Produtos enriquecidos com cálcio.

A intolerância à lactose pode ser difícil porém não é grave.

Para mais informações procure o seu médico.

 

Postado por flaviocure às 14:06

Compartilhe:

Nenhum comentário