publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você tem pré-diabetes?

Pré-diabetes significa que o nível de açúcar no corpo esta acima do normal, porém ainda não o suficiente para ser classificado como diabetes tipo 2.

Sem mudanças no estilo de vida, pessoas com pré-diabetes vão provavelmente desenvolver diabetes tipo 2.

Se você tem pré-diabetes, os danos de longo prazo da doença, já podem estar acontecendo no seu corpo ( principalmente no coração, rins e artérias).

A boa notícia é que a pré-diabetes pode ser revertida com uma alimentação saudável e exercícios diários.

Geralmente a pré-diabetes não apresenta sintomas.

Um possível sinal que o paciente pode estar correndo o risco de diabetes tipo 2 é o escurecimento da pele em algumas partes do corpo ( pescoço, axilas, cotovelos e joelhos).

Sinais clássicos de que sua pré-diabetes evoluiu para diabetes tipo 2:

 

– Aumento da sede.

– Urinar frequentemente.

– Fadiga.

– Visão embaçada.

As causas exatas da pré-diabetes são desconhecidas. Porém o histórico familiar e a genética desempenham um papel importante. Os médicos também desconfiam do sedentarismo e da obesidade.

A maior parte da glicose no seu organismo vem da comida que você ingere. Quando a comida é digerida, o açúcar entra no sistema sanguíneo. A insulina move o açúcar do sistema sanguíneo para as células, diminuindo o nível de açúcar no sangue.

A insulina é produzida pelo pâncreas após a ingestão de alimentos.

Quando se tem pré-diabetes, esse processo ocorre de forma irregular. Ao invés do açúcar ir para as células ele fica na corrente sanguínea.

Os mesmos fatores que aumentam o risco de diabetes tipo 2 também aumentam o risco de pré-diabetes:

 

– Peso.

– Tamanho da cintura.

– Alimentação.

– Sedentarismo.

– Idade.

– Histórico familiar.

– Raça ( Algumas raças apresentam risco maior de desenvolver pré-diabetes).

– Síndrome dos ovários policísticos.

– Sono.

– Pressão sanguínea alta.

– Níveis baixos de lipoproteína de alta densidade (bom colesterol).

– Níveis altos de triglicéridos (tipo de gordura).

As possíveis complicações da pré-diabetes são:

 

– Pressão sanguínea alta.

– Colesterol alto.

– Doenças no coração.

– Derrame.

– Doenças no rim.

– Cegueira.

– Amputações.

Estudos indicam que a pré-diabetes está associada a infartos e podem danificar os rins, mesmo que ainda não tenha evoluído para diabetes tipo 2.

A associação de diabetes americana recomenda um exame de sangue ( triagem de glicose no sangue) para adultos com 45 anos de idade. Os exames para diagnóstico da pré-diabetes também incluem o teste de hemoglobina glicada, o teste de açúcar no sangue em jejum, o teste de tolerância oral à glicose e o teste em crianças.

O tratamento para a pré-diabetes incluí:

 

– Alimentação saudável.

– Exercícios.

– Parar de fumar.

– Remédios.

Não deixe que sua pré-diabetes evolua para diabetes tipo 2.

Para mais informações procure o seu médico.

Um bom carnaval para todos!

 

Fonte:MayoClinic

Postado por joaoflavio às 13:35

Compartilhe:

Nenhum comentário

Será que você tem risco de ter morte súbita?

Estudos indicam que pessoas que morrem subitamente durante exercícios, já possuíam doenças no coração em estágios avançados, as quais, em sua maioria eram ignoradas.

As doenças de coração mais comuns que estão associadas à morte súbita são: a doença arterial coronariana e a cardiomiopatia hipertrófica.

Outras causas menos prevalentes incluem: origem anômala das artérias coronárias, ruptura aórtica associada à síndrome de Marfan, prolapso da válvula mitral e diferentes tipos de arritmias.

A falta de exercícios no dia a dia é considerada o quarto maior fator de risco para doença cardíaca coronária.

O exercício pode prevenir doenças cardíacas, porém também pode ser um fator de risco importante para morte súbita.

Os benefícios e malefícios de se fazer exercícios são discutidos pela comunidade médica há séculos.

A conclusão primordial baseada em diversos estudos sobre a morte súbita, indica que praticamente todas as pessoas que morreram enquanto faziam exercícios possuíam doenças graves, em sua maioria no coração.

A doença coronariana é a maior causa de mortes em pessoas com mais de 40 anos de idade.
Pessoas que sofrem de morte súbita com menos de 40 anos, provavelmente possuíam cardiomiopatia hipertrófica.

Um ponto importante a se destacar é que nenhuma dessas doenças foi causada pelo exercício, porém o mesmo pode acelerar a progressão das doenças.

Durante o exercício devemos prestar atenção nos sinais do nosso corpo.

A dor no peito e no abdômen são indicadores de problemas mais graves. O exercício deve ser interrompido imediatamente e a ajuda médica deve ser programada.

É recomendado um exame médico para pessoas que estão voltando a fazer exercícios.

Pessoas com mais de 50 anos devem passar por uma triagem cardiovascular antes de começar a se exercitar.

A presença de pessoas treinadas em ressuscitação cardiopulmonar em academias e eventos esportivos pode salvar muitas vidas.

Algumas academias no Brasil exigem atestados médicos semestrais para seus clientes. A lei de atestados médicos em academias varia de estado para estado.

É essencial saber sua condição médica antes de entrar em uma rotina de exercícios.

Para mais informações procure o seu médico.

 

Fonte: Sportsci/Menshealth/NCBI/Huffintonpost.

Postado por joaoflavio às 12:07

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabia que homem também tem câncer de mama?

O câncer de mama em homens é raro, mas acontece em sua maioria em idosos.

Quando a doença é descoberta nos seus primeiros estágios a chance de cura é grande.

Homens que percebem um caroço no peito, em sua maioria, demoram para consultar o médico. Por isso muitos casos de câncer de mama em homens só são diagnosticados em estágios mais avançados.

Sintomas:

 

– Protuberância indolor na mama.

– Mudanças na pele na região peitoral como vermelhidão.

– Mudanças no mamilo. Tamanho e cor.

– Secreção no mamilo.

A causa do câncer de mama em homens não é clara. Estudos indicam que a doença ocorre quando as células do peito se dividem mais rápido do que normal. O acúmulo das células forma o tumor, o qual, pode se espalhar (metástase).

Todos nós nascemos com uma pequena quantidade de tecido mamário. Esse tecido consiste em glândulas produtoras de leite, dutos que carregam leite para os mamilos e gordura.

Durante a puberdade, as mulheres começam a desenvolver o tecido mamário e os homens param. Porém como os homens nascem com o tecido mamário, eles também podem desenvolver o câncer de mama.

Tipos de câncer de mama em homens:

 

– Câncer que começa nos dutos (carcinoma ductal). A grande maioria do câncer de mama em homens é carcinoma ductal.

– Câncer que começa nas glândulas produtoras de leite (carcinoma lobular). Tipo raro de câncer de mama em homens.

– Câncer que se espalha para os mamilos (doença de Paget do mamilo). Raramente o câncer se forma nos dutos de leite e se espalha para os mamilos.

Alguns homens herdam genes anormais de seus pais que aumentam o risco de câncer de mama (especialmente o gene BRCA2).

Um teste genético pode dizer se o paciente carrega esses genes.

Fatores de risco:

 

– Idade avançada. A idade mais comum é entre 68 e 71 anos.

– Exposição à estrogênio. O risco de câncer de mama aumenta em homens que tomam remédios com base de estrogênio.

– Histórico familiar de câncer de mama.

– Síndrome de Klinefelter. Ocorre quando o homem nasce com mais de uma cópia do cromossomo X.

– Doença de fígado. Doenças no fígado como a cirrose podem reduzir os hormônios masculinos e aumentar os hormônios femininos.

– Obesidade. Células de gordura convertem andrógenos em estrogênio.

– Exposição à radiação.

– Doença ou cirurgia no testículo.

Os exames, testes e diagnósticos incluem:

 

– Exame de mama clínico.

– Teste de imagem.

– Biópsia.

Determinando a extensão do câncer:

 

– Estágio 1. O tumor é menor que 2 cm.

– Estágio 2. O tumor pode chegar a 5 cm e pode possuir linfonodos sem células cancerígenas.

– Estágio 3. O tumor é maior que 5 cm e envolve vários linfonodos que podem conter células cancerígenas.

– Estágio 5. Metástase.

O tratamento adequado varia de acordo com o estágio do câncer, porém a cirurgia é comum.

Além da cirurgia, a terapia de radiação, a quimioterapia e a terapia de hormônios também são utilizadas no tratamento.

É importante se prevenir e tratar da doença no estágios iniciais.
Portanto se você perceber um caroço no peito, vá ao médico.

Um bom final de semana!

 

Fonte: MayoClinic.

Postado por joaoflavio às 11:58

Compartilhe:

Nenhum comentário