publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Vamos nos Atualizar Sobre a Hepatite Viral?

A hepatite é uma inflamação no fígado. A inflamação é uma reação dos tecidos às agressões que geralmente resultam em dor, vermelhidão e inchaço.

Existem diversos tipos de hepatite. A virótica pode ser aguda ou crônica e pode se propagar entre indivíduos de várias formas, incluindo o contato sexual.

Vários vírus conhecidos podem causar a hepatite. Formas comuns dessa doença incluem:

 

– Hepatite A. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças Americano, foram registrados 3,050 casos da doença nos Estados Unidos no ano de 2012. Esse tipo de Hepatite não evolui para infecção crônica e geralmente cursa sem complicações. Na maioria dos casos, o fígado retorna ao normal em dois meses, porém existem casos registrados de insuficiência hepática, as quais, resultaram na morte dos pacientes. Essa doença pode ser prevenida por vacinação.

– Hepatite B. Essa forma de hepatite infecta entre 200,000 a 300,000 pessoas por ano nos Estados Unidos, porém mais de 1.2 milhões de pessoas a possuem. Cerca de 70% dos casos estão relacionados às pessoas com idade entre 15 e 39 anos. A recuperação do vírus tem uma média de seis meses, porém em alguns casos pode se transformar em uma infecção crônica (se a doença for contraída em idade precoce, maiores são as chances de cronificação da doença).  É possível a contaminação do vírus da hepatite B sem nenhum sintoma. Essa doença pode ser prevenida por vacinação.

– Hepatite C. É o principal agente provocador de doenças graves no fígado, sendo esse vírus o principal responsável pelos transplantes hepáticos. Atinge 3.2 milhões de pessoas somente nos Estados Unidos, sendo que cerca de 80% dos pacientes desenvolvem infecção crônica no fígado. Na maioria dos casos não apresenta sintomas e não possui vacina preventiva.

Complicações:

 

– Destruição de tecidos do fígado.

– Facilmente transmissível.

– Enfraquecimento do sistema imunológico.

– Insuficiência hepática.

– Câncer de fígado.

– Morte.

Fatores de Risco:

 

– Compartilhar seringas.

– Sexo oral ou anal desprotegido.

– Consumo intenso de álcool.

– Nutrição pobre.

– Trabalhar em hospitais.

– Tratamento contínuo de diálises.

Transmissão:

 

– Hepatite A. Comidas e bebidas que carregam o vírus.

– Hepatite B. Sexo com pessoa já infectada, seringas infectadas, contato com sangue infectado, mãe para o feto e contato com líquidos corporais infectados.

– Hepatite C. Seringa infectada, transfusão de sangue e órgãos infectados (não se faziam testes para detecção da doença antes de 1992) e sexo com pessoas que carregam o vírus.

Sintomas:

 

– Urina escura (A, B e C).

– Dor estomacal (B e C).

– Pele e olhos amarelados, chamada de icterícia (A, B e C).

– Fezes claras (A e C).

– Febre baixa (A, B e C).

– Perda de apetite (A, B e C).

– Fadiga (A, B e C).

– Enjoo (A, B e C).

– Dor nas articulações (B).

O exame sanguíneo consegue diagnosticar todos os tipos de hepatite viral.

Não existe tratamento para hepatite A (somente monitoramento). Os tratamentos para as hepatites B e C são feitos com medicamentos.

Para acelerar o tratamento é comum que o médico sugira:

 

– Evitar bebidas alcoólicas.

– Praticar dieta saudável.

– Repouso.

– Beber café (estudos recentes mostram que o café é benéfico para o fígado).

A Hepatite, em sua maioria, pode ser evitada e prevenida!

Para mais informações procure o seu médico.

FONTE:CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 16:52

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você está em dia com a sua vacinação?

A vacina é uma preparação biológica que fornece imunidade adquirida ativa para uma doença em particular. Ela tipicamente contém um agente que se assemelha aos micro-organismos causadores da doença e é geralmente feita de agentes enfraquecidos ou mortos, suas toxinas ou proteínas.

O sistema imunológico reconhece os agentes da vacina como corpos estranhos, os destrói e “lembra” deles. Quando um agente virulento é encontrado, o corpo reconhece o cobertura proteica do vírus, neutraliza o agente alvo antes que entre nas células e destrói células infectadas antes que o agente as consiga multiplicar.

São disponibilizadas durante um ano no Brasil 300 milhões de doses de vacinas para tratamento de mais de 20 doenças, em diversas faixas etárias.

A vacinação é uma das medidas mais importantes para promover a saúde, inclusive dos idosos. Leve o documento que comprove a idade ao se vacinar. A carteira de imunizações é importante para registrar e manter os dados atualizados.

Algumas vacinas são de extrema importância durante a gravidez, prevenido problemas sérios para a mulher e bebê. Vacinar gestantes proporciona anticorpos maternos via placenta para o bebê que ainda está em formação.

Também é recomendável a vacinação de adolescentes e adultos que irão conviver com o recém-nascido, pelo menos, 15 dias antes do primeiro contato.

Cada país tem suas leis sanitárias e regras de vacinação e cuidados, portanto, é necessário tomar vacinas ao viajar para o exterior. A vacinação também se faz necessária para viajar para alguns lugares do Brasil.

Antes de viajar pesquise quais vacinas serão necessárias.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) analisa e aprova todas as vacinas disponíveis no Brasil.

A maior parte das vacinas aprovadas são oferecidas gratuitamente pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), sendo algumas só disponibilizadas por clínicas privadas.

As vacinar podem raramente apresentar efeitos colaterais. As reações são de dois tipos: locais e sistêmicas. As reações locais (no lugar da aplicação) são as mais comuns e incluem vermelhidão, inchaço, dor e endurecimento do tecido. As reações sistêmicas são mais raras e incluem febre, fadiga, dor de cabeça e dores musculares.

O Ministério da Saúde, com as Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde, lançam campanhas nacionais constantes contra diversas doenças. Para saber mais sobre as campanhas acesse o site do Ministério da Saúde.

É muito importante se vacinar! Cuide da sua saúde e de seus filhos!

Para mais informações visite o seu médico.

 

 

FONTE:MINISTÉRIO DA SAÚDE.

Postado por joaoflavio às 15:44

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabe qual tipo de dor nas costas possui?

A maioria das pessoas já sentiu dor nas costas em algum momento da vida. Essa condição é a razão mais comum de inabilidade para tarefas diárias em pessoas com menos de 40 anos. As despesas de saúde nos Estados Unidos beiram $60 bilhões de dólares anuais só para cuidar de dores nas costas.

A dor que afeta principalmente as costas é diferente da compressão espinhal que resulta em dor na perna, chamada de ciática. A dor ciática é o resultado de um nervo comprimido na coluna espinhal.

Em sua maioria, as causas de dores ciáticas são claras, por exemplo, um problema de disco ou artrites. Por outro lado, as causas de dores principalmente nas costas, são mais difíceis de diagnosticar e podem estar relacionadas com os discos, articulações ou tecidos macios (músculos, ligamentos e tendões).

A dor nas costas aguda é um breve momento de dor que aparece repentinamente. A maior parte das pessoas se recupera de dor nas costas aguda em duas semanas com tratamento mínimo (remédio e exercício).

Quando a dor nas costas persiste por mais de 4 semanas, é considerada crônica. A avaliação médica irá focar no histórico do paciente e em exames físicos, para diagnosticar as causas da dor. Em casos raros pode ser achado câncer ou infecção, sendo mais comum estar relacionado a articulações, discos e músculos das costas.

Causas de dor nas costas:

 

– Hérnia de disco.

– Osteoartrite.

– Espondilite anquilosante.

– Spondylolistêmese.

– Infecção )menos de 1%).

– Câncer (Menos de 1%).

– Trauma.

– Razões não relacionadas com a espinha (pedra nos rins, úlcera, aneurisma da aorta).

Para diagnosticar a dor, o médico irá investigar o estilo de vida do paciente. Aonde mora, com o que trabalha e quais atividades e hobbies faz.

Outros fatores também são importantes para diagnóstico, são eles:

 

– Data em que a dor começou.

– Localização da dor.

– Se a dor responde a tratamento.

– Histórico familiar.

Os exames incluem raio X, eletromiografia e testes laboratoriais.

A maior parte das dores nas costas podem ser tratadas sem a necessidade de cirurgia.

Os tratamentos incluem:

 

– Atividades físicas toleradas (ficar em pé, andar e trabalhar).

– Remédios anti-inflamatórios.

– Compressas de gelo.

Geralmente a dor passa após 7 dias. Se a dor persistir vá ao médico.

Se a dor nas costas for crônica, o médico pode receitar exercícios específicos para o tipo de dor.

A dor nas costas tem cura.

Para mais informações visite o seu médico.

 

FONTE:CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 15:37

Compartilhe:

Nenhum comentário