publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Vamos Abraçar o Outubro Rosa?

O outubro rosa já possui quase 30 anos de vida. Se trata de uma campanha, que acontece todos os meses de outubro, para a conscientização do câncer de mama e a sua prevenção. O outubro rosa também tem como objetivo proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento para contribuir com a redução da morbidade e da mortalidade.

As nossas células normalmente se dividem e se replicam, somente quando novas células são necessárias.

Algumas vezes, essas células passam a se dividir sem controle criando um tecido chamada de tumor. Se esse crescimento fora de controle for de células normais o tumor é chamado de benigno. Se o crescimento for de células anormais o tumor é chamado de maligno.

O câncer recebe o nome de acordo com a parte do corpo em que ele se desenvolve. O câncer de mama se origina e se desenvolve no tecido local. O câncer de mama, como qualquer outro tipo de câncer, pode evoluir em metástase.

A razão específica dessa doença ainda não é clara, porém existem fatores de risco a serem considerados.

A idade, fatores genéticos, histórico familiar, histórico de doenças pessoais e alimentação podem contribuir para o desenvolvimento de câncer de mama.

O câncer de mama é o segundo tipo de câncer mais comum em mulheres, sendo extremamente raro em homens.

A maioria dos casos de câncer de mama são “esporádicos”, não sendo mutações genéticas definitivas.

Sinais e sintomas de câncer de mama:

 

– Caroço ou massa (do tamanho de uma ervilha) na área do seio que persiste durante o ciclo menstrual.

– Mudança no tamanho, formato e contorno da mama.

– Excreção de fluidos e sangue do mamilo.

– Mudança na aparência e sensação da pele do seio e mamilo.

– Vermelhidão na pele do seio e mamilo.

A maior parte dos sintomas e sinais podem ser percebidos em autoexames das mama (exame em que a pessoa faz em si mesma).

O autoexame com periodicidade mensal.

O estadiamento do câncer de mama:

 

O estadiamento descreve aspectos do câncer, como localização, se disseminou, e se está afetando as funções de outros órgãos do corpo. Conhecer o estágio do tumor ajuda na definição do tipo de tratamento e a prever o prognóstico da paciente.

Sistema de Estadiamento TNM:

 

O sistema de estadiamento utilizado para o câncer de mama é o sistema TNM da American Joint Committee on Cancer. O sistema TNM utiliza três critérios para avaliar o estágio do câncer: o próprio tumor, os linfonodos regionais ao redor do tumor, e se o tumor se disseminou para outras partes do corpo.

TNM é abreviatura de tumor (T), linfonodo (N) e metástase (M):

 

• T. Indica o tamanho do tumor primário e se disseminou para outras áreas.

• N. Descreve se existe disseminação da doença para os linfonodos regionais ou se há evidência de metástases em trânsito.

• M. Indica se existe presença de metástase em outras partes do corpo.

Tumor. Pelo sistema TNM, o T acompanhado de um número (0 a 4) é usado para descrever o tumor primário, particularmente o seu tamanho. Pode também ser atribuída uma letra minúscula “a” ou “b” com base na ulceração e taxa mitótica.

Linfonodo. O N no sistema TNM representa os linfonodos regionais, e também é atribuído a ele um número (0 a 3), que indica se a doença disseminou para os gânglios linfáticos. Pode também ser atribuída uma letra minúscula “a”, “b”, ou “c”, conforme descrito abaixo.

Metástase. O M no sistema TNM indica se a doença se disseminou para outras partes do corpo.

Detalhes do Sistema TNM:

 

• Tumor Primário (T)

TX. O tumor primário não pode ser avaliado.

T0. Sem evidências de tumor primário.

Tis. Carcinoma in situ.

T1. O tumor tem até 2 cm de diâmetro.

T2. O tumor tem entre 2 cm e 5 cm de diâmetro.

T3. O tumor tem mais de 5 cm de diâmetro.

T4. O tumor tem qualquer tamanho e invadiu o tórax ou a pele.

• Linfonodos Regionais (N)

NX. Os linfonodos regionais não podem ser avaliados.

N0. Os linfonodos próximos estão livres.

N0(i+). A área de disseminação da doença contém menos de 200 células e é menor do que 0,2 mm. A abreviatura “i +” significa que uma pequena porcentagem de células cancerosas, denominadas células tumorais isoladas, são observadas no exame imunohistoquímico.

N0(mol+). Não são observadas células cancerosas nos linfonodos axilares, mas foram diagnosticados vestígios de células cancerosas com o teste molecular RT-PCR, que permite detectar um número muito pequeno de células.

N1. O tumor se disseminou para 1 ou 3 linfonodos axilares e/ou linfonodos mamários internos.

N1mi. Micrometástases em 1 a 3 linfonodos sob o braço. As áreas de disseminação do tumor nos linfonodos são de 2 mm ou menos.

N1a. O tumor se disseminou para 1 a 3 linfonodos no braço com pelo menos uma área de doença disseminada com mais de 2 mm de diâmetro.

N1b. O tumor se disseminou para os linfonodos mamários internos, mas essa disseminação só pode ser diagnosticada na biópsia do linfonodo sentinela.

N1c. Se aplicam N1a e N1b.

N2. O tumor se disseminou para 4 ou 9 linfonodos axilares ou para os linfonodos mamários internos.

N2a. O tumor se disseminou para 4 a 9 linfonodos axilares, com pelo menos uma área maior que 2 mm.

N2b. O tumor se disseminou para um ou mais linfonodos mamários internos, aumentando seu tamanho.

N3. Qualquer um dos seguintes:

N3a. O tumor se disseminou para 10 ou mais linfonodos axilares, com pelo menos uma área de câncer disseminada maior que 2mm; ou, o tumor se disseminou para os linfonodos infraclaviculares com pelo menos uma área de câncer maior que 2mm.

N3b. O tumor é encontrado em pelo menos um linfonodo axilar com pelo menos uma área de disseminação de câncer maior que 2 mm e aumentou os linfonodos mamários internos; ou, o tumor se disseminou para 4 ou mais linfonodos axilares com pelo menos uma área de disseminação maior que 2 mm e pequenas quantidades de são encontradas nos linfonodos mamários internos na biópsia do linfonodo sentinela.

N3c. O tumor se disseminou para os linfonodos claviculares, com pelo menos uma área maior do que 2 mm.

• Metástase à Distância (M)

MX. A disseminação não pode ser avaliada

M0. Ausência de metástases à distância.

CM0 (i +). Pequenas quantidades de células cancerígenas são encontradas no sangue ou na medula óssea ou pequenas áreas de disseminação do câncer (não maior que 0,2 mm) são encontradas nos linfonodos.

M1. Metástases à distância.

• Estágios do Câncer

Estágio 0 – Tis, N0, M0.

Estágio IA – T1, N0, M0.

Estágio IB – T0 ou T1, N1mi, M0.

Estágio IIA – T0 ou T1, N1 (mas, não N1mi), M0; T2, N0, M0.

Estágio IIB – T2, N1, M0; T3, N0, M0.

Estágio IIIA – T0 a T2, N2, M0; T3, N1 ou N2, M0.

Estágio IIIB – T4, N0 a N2, M0.

Estágio IIIC – Qualquer T, N3, M0.

Estágio IV – Qualquer T, qualquer N, M1.

A campanha do outubro rosa foca na prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. A campanha incentiva as mulheres a fazerem autoexames mensais, mamografias e ultrassonografias.

Baseado nos resultados desses exames o médico irá pedir uma biópsia para confirmar a presença da doença.

O tratamento do câncer de mama vai depender do estágio e de algumas características das células do tumor, podendo ser local ou sistêmico.

Lembre-se que o câncer de mama tem cura na maioria dos casos!

Quanto mais precoce o diagnóstico, maiores são as chances de recuperação.

FONTE:AMERICANCANCERSOCIETY/CLEVELANDCLINIC/INCA

Postado por joaoflavio às 11:10

Compartilhe:

Nenhum comentário