publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

O que Você sabe sobre Perda Auditiva?

A perda de audição em adultos é comum e constitui a quarta maior causa de deficiência mundialmente.

Somente nos Estados Unidos, a de perda de audição em adultos, dobra a cada 10 anos de idade do paciente.

Cerca de 50% das pessoas de 60 a 69 anos e 80% das pessoas com mais de 85 anos sofrem de perda de audição severa que afeta a comunicação do dia a dia.

Devido ao envelhecimento da população mundial, a perda de audição, deve se tornar cada vez mais uma das maiores causas de deficiência mundial.

O primeiro impacto sentido dessa condição médica é a dificuldade de comunicação, a qual, pode afetar o ambiente familiar e profissional. Fatores psicológicos e econômicos da vida do paciente também são prejudicados, levando-o ao isolamento social e redução de qualidade de vida (maior dificuldade educacional, maiores taxas de desemprego e menores salários).

Comparando pessoas de idades correspondentes , pessoas com dificuldade auditiva apresentam maiores riscos de hospitalização, morte, fragilidade, demência e depressão.

Os custos de saúde arcados pelo governo, com pacientes adultos de meia idade com deficiência auditiva, são significativamente maiores do que os que não apresentam essa complicação.

Existem 4 tipos mais comuns de perda auditiva, a condutiva, a neuro sensorial, a mista e a neural.

A condutiva é qualquer problema no ouvido externo ou médio que impeça que o som seja conduzido de forma adequada. Nesse caso o tratamento consiste de medicação ou cirurgia.

A sensorioneural resulta da falta ou dano de células sensoriais e pode ser tratada com aparelhos auditivos ou implante de orelha média.

A mista é uma combinação de uma perda auditiva sensorioneural e condutiva e seu tratamento pode incluir medicamentos, cirurgia, aparelhos auditivos ou implantes auditivos de ouvido médio.

A neural resulta da ausência ou dano do nervo auditivo e geralmente é profunda e permanente. Em alguns casos o implante auditivo de tronco cerebral (ABI) pode ser um opção terapêutica.

Entender e identificar os tipos de perda de audição ajuda os médicos a tratar o problema e indicar especialidade adequada.

Além da idade, outra causa comum para perda de audição é a exposição constante à ruídos. Enfermidades, infecções e uso errado de medicamentos também podem influenciar nessa condição.

Geralmente em crianças, a perda de audição é causada por hereditariedade ou doenças e lesões.

O diagnóstico dessa condição é feito normalmente por meio de um exame chamado audiometria. Com objetivo de avaliar a capacidade do paciente para ouvir e interpretar sons, ajudando a identificar possíveis alterações auditivas e permitindo orientar o paciente sobre as medidas preventivas ou tratamentos mais adequados para cada caso.

É importante comunicar aos familiares, colegas de trabalho e pessoas de convívio social sobre essa condição, para evitar preconceitos e mal-entendidos.

Se você esta tendo dificuldade para escutar, marque uma consulta com um otorrino.

Quanto mais cedo o tratamento começar, maiores são as chances de recuperação.

Para mais informações converse com o seu médico.

 

FONTE:NEWENGLANDJOURNAL.

 

 

 

 

 

 

Postado por joaoflavio às 20:57

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você Conhece os Benefícios do Jejum Intermitente?

Você consegue jejuar por alguns dias a cada mês para perder alguns quilos? Cortar calorias nesses dias pode te ajudar a viver mais e combater doenças.

O jejum intermitente pode soar como mais uma daquelas dietas que parecem boas demais para serem verdade. Porém o conceito, além de não ser novo, tem gerado atenção à medida que os dados começam a suportar potenciais benefícios além da perda de peso.

Mais recentemente, um estudo no jornal americano de metabolismo celular mostrou que o jejum intermitente pode diminuir fatores de risco para doenças como diabetes, doenças cardiovasculares e câncer, por exemplo.

Você consegue fazer jejum? Você deveria fazer? Comece com o básico e uma conversa.

No jejum intermitente não se come nada?

Boas novas! A resposta é não.

Podemos muitas vezes associar o jejum com fome. Mas o jejum intermitente é mais sobre o corte de calorias por curtos períodos de tempo. Fazer isso pode afetar de forma positiva sua fome e ânsia.

A ideia: à medida que o seu corpo se ajusta, se torna mais fácil de se saciar com porções menores. E se você comer alimentos mais saudáveis ​​ao longo do processo, também reduzirá seu desejo por alimentos não saudáveis, como aqueles carregados com açúcares refinados.

Como jejuar intermitentemente?

Existem diversas formas de se jejuar, porém 2 são mais comuns e estudadas.

Por exemplo, o estudo acima usou uma abordagem semelhante a uma dieta comum de jejum de cinco dias por mês. Cada período de cinco dias se divide assim:

– Dia 1: Coma 1090 calorias, dividindo-as por 56% de gorduras (o bom tipo), 34% de carboidratos (evitar alimentos refinados) e 10% de proteína.

– Dia 2 a 5: 725 calorias, com 44% de gorduras, 47% de carboidratos e 9% de proteínas.

Você também pode ter ouvido falar do popular ” 5 por 2”, que envolve a redução da ingestão de calorias por dois dias da semana. Nos dias de jejum, você come duas refeições, a primeira em torno de 200 calorias e a segunda em torno de 300 (igual a 500 para o dia inteiro). Em dias que o jejum não é necessário, ainda deve se seguir uma dieta saudável (não mude para junk food), mas você não precisa restringir calorias.

É normal se pensar que as pessoas “morrem de fome”nos dias de jejum, mas ao passar do tempo, elas realmente se adaptam a comer razoavelmente.

Mesmo em dias de jejum, é possível comer alimentos reais, como ovos, sopas à base de tomate, hummus, biscoitos de trigo integral e gorduras boas como abacate.

A chave do sucesso é como você os mistura.

O que o estudo diz?

O estudo recente do jornal “ Metabolismo Celular” sugere que os benefícios do jejum intermitente vão muito além da perda de peso. Sendo que a perda de peso em si já é extremamente benéfica.

Pesquisas anteriores já indicavam que o jejum pode ter um efeito benéfico em pacientes com diabetes e doenças cardiovasculares, ajudar a reduzir os níveis de colesterol em certas condições, afetar positivamente o processo de inflamação e até desencadear a regeneração de células-tronco.

O jejum intermitente é a dieta para você?

Cortar calorias, mesmo por períodos curtos, pode ser uma grande mudança. Antes de tentar, fale com seu médico. Você precisa ter certeza de que come os alimentos certos, especialmente nos dias em jejum, para uma boa saúde.

Você também precisa ter certeza de que nenhum problema de saúde o impeça de jejuar. Pessoas com antecedentes de distúrbios alimentares, mulheres grávidas ou amamentando, crianças e pessoas que se recuperam de uma cirurgia não devem experimentar o jejum intermitente.

Você também pode se perguntar: “Será que consigo?”.  Muitas vezes as pessoas temem mudanças de humor e, honestamente, se pode ter, mas apenas no início. A maioria das pessoas se ajusta rapidamente após os primeiros dias de jejum.

O jejum intermitente pode te ajudar a perder peso de forma rápida e saudável. Antes de começar, converse com o seu médico.

Um bom natal com muita saúde para todos!

 

FONTE:CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 19:08

Compartilhe:

Nenhum comentário

Vamos nos Atualizar sobre a Coqueluche?

A coqueluche (tosse convulsa) é uma infecção do sistema respiratório altamente contagiosa. Em muitas pessoas, essa infecção se caracteriza por uma grave tosse, seguida por um som agudo ao respirar.

As mortes relacionadas a essa doença são raras, ocorrendo principalmente em crianças. Por isso é muito importante que mulheres grávidas tomem a vacina, assim também como pessoas que irão conviver com o recém-nascido.

Sintomas:

Após a contaminação, demora em geral de 7 a 10 dias para que se inicie o quadro clínico.

– Coriza.

– Congestão nasal.

– Olhos vermelhos e marejados.

– Febre.

– Tosse.

Após uma ou duas semanas, os sintomas tendem a piorar, ocasionado em tosse severa e persistente.

– Vômito.

– Face avermelhada ou azulada.

– Fadiga extrema.

– Som agudo, que lembra um “grito” ao inspirar o ar após a tosse.

Recém-nascidos podem parar temporariamente de respirar ou ter dificuldade para fazer o mesmo. Em muitos casos, bebês não apresentam tosse.

Causas:

A coqueluche é causada por bactérias. Quando o paciente infectado tosse ou espirra, pequenas gotas carregadas com germes são lançadas no ar e absorvidas nos pulmões de pessoas que estão por perto.

Fatores de risco:

Acreditasse que a tosse convulsa esteja em ascensão por dois motivos. A vacina, administrada na infância, perde a força e sai do organismo. Deixando adolescentes e adultos a mercê da doença.

Em adição, a imunidade completa só é atingida após 3 injeções. Crianças que não completaram a vacinação estão sujeitas a infecção.

Complicações:

Adolescentes e adultos geralmente se recuperam da coqueluche sem maiores complicações.

– Costelas quebradas ou doloridas.

– Hérnias abdominais.

– Pequenos derrames nos olhos e pele.

Em recém-nascidos, as complicações podem ser mais graves.

– Pneumonia.

– Respiração demorada ou interrompida.

– Perda de peso devido a falta de apetite.

– Convulsões.

– Dano cerebral.

A hospitalização de bebês com coqueluche é comum.

Prevenção:

A melhor forma de prevenção é a vacina.

A vacinação consiste de diversas injeções geralmente nas idades:

– 2 meses.

– 4 meses.

– 6 meses.

– 15 meses.

– 4 anos.

Os efeitos colaterais da vacina incluem febre, dor de cabeça, irritabilidade, fadiga e dor na área de aplicação da mesma.

O reforço da vacina é indicado para adolescentes com 11 anos, adultos a cada 10 anos e mulheres grávidas.

Após o diagnóstico, feito através de exame de sangue, o tratamento para adolescentes e adultos pode ser feito em casa e em hospitais para bebês (em sua maioria).

Proteja sua família contra a coqueluche e se vacine!!!

 

FONTE:MAYOCLINIC.

 

Postado por joaoflavio às 15:57

Compartilhe:

Nenhum comentário