publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabe o que é a Rinite Não Alérgica?

A rinite não alérgica provoca espirros crônicos e nariz congestionado sem motivo aparente. Os sintomas dessa doença são similares aos da febre do feno (rinite alérgica), mas nenhuma das evidências habituais de uma reação alérgica estão presentes.

A rinite não alérgica pode afetar crianças e adultos, mas é mais comum após os 20 anos. Os desencadeantes dos sintomas da rinite não alérgica variam e podem incluir certos odores ou irritantes no ar, mudanças no clima, alguns medicamentos, certos alimentos e condições de saúde crônicas.

O diagnóstico de rinite não alérgica é feito após que a causa alérgica ser descartada. Isso pode exigir exames de sangue e pele.

Sintomas:

Se você tem rinite não alérgica, provavelmente tem sintomas que vão e vem ao passar do ano. Você pode ter sintomas constantes, ou que duram apenas um curto período de tempo. Sinais e sintomas de rinite não alérgica podem incluir:

– Nariz entupido.

– Coriza.

– Espirros.

– Pigarro na garganta.

– Tosse.

 

A rinite não alérgica geralmente não causa coceira no nariz, olhos ou garganta – sintomas associados a alergias como a febre do feno.

Etiologia:

A causa exata dessa doença é desconhecida. Porém, especialistas sabem que a rinite não alérgica ocorre quando os vasos sanguíneos do nariz se expandem, preenchendo o revestimento nasal com sangue e fluido.  Existem várias causas possíveis desta expansão anormal dos vasos sanguíneos ou inflamação no nariz.

Uma possibilidade é que as terminações nervosas do nariz sejam hiper responsivas, de forma semelhante à reação de pulmões com asma.

Mas seja qual for o gatilho, o resultado é o mesmo: nariz inchado e congestão.

Há uma série de fatores conhecidos que podem desencadear a rinite não alérgica, alguns resultando em sintomas de curta duração e outros podendo causar problemas crônicos. Esses fatores incluem:

– Agentes ambientais ou ocupacionais. Poeira, poluição atmosférica, fumo passivo ou odores fortes, como perfumes, podem desencadear a rinite não alérgica. Agentes químicos, comuns em fábricas, também podem ser os responsáveis.

– Mudanças climáticas. Mudanças de temperatura ou umidade.

– Infecções. Uma causa comum é uma infecção viral , um resfriado ou a gripe, por exemplo.

– Alimentos e bebidas. Comidas quentes ou picantes. Bebidas alcoólicas também podem causar congestão nasal.

– Certos remédios.  Estes incluem aspirina, ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) e  medicamentos para hipertensão arterial, como betabloqueadores.

– Mudanças hormonais. Devido à gravidez, menstruação, uso de contraceptivo oral ou outra condição hormonal, como o hipotireoidismo, podem causar rinite não alérgica.

A rinite não alérgica também pode ser desencadeada em algumas pessoas por sedativos, antidepressivos, contraceptivos orais ou drogas usadas para tratar a disfunção erétil. O uso excessivo de descongestionantes nasais  pode causar um tipo de rinite não alérgica chamada rinite medicamentosa.

Fatores de risco:

Pessoas acima de 20 anos e mulheres tem maiores chances de desenvolver a rinite não alérgica. Complicações:

– Pólipos nasais.

– Sinusite.

– Otite média.

Diagnóstico:

A rinite não alérgica é diagnosticada com base em seus sintomas e exclui outras causas, especialmente alergias.

O seu médico irá realizar um exame físico e fazer perguntas sobre seus sintomas. Não existem testes específicos e definitivos para o diagnóstico da rinite não alérgica.

Tratamento: 

O tratamento da rinite não alérgica depende de quanto isso o incomoda. Para casos leves, o tratamento domiciliar pode ser suficiente. Para sintomas mais incômodos, certos medicamentos podem fornecer alívio, como descongestionantes nasais específicos (salinos, à base de corticosteroides, anti-histamínicos, anticolinérgicos e orais).

Em alguns casos, o procedimento cirúrgico pode ser uma opção para tratar problemas complicadores, como um septo nasal desviado ou pólipos nasais persistentes.

O umidificador de ar pode melhorar os sintomas.  Se você pode identificar coisas que causam ou agravam seus sintomas, se previna evitando-as.

Para mais informações procure o seu médico.

 

 

FONTE:MAYOCLINIC.

Postado por joaoflavio às 18:28

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabe como evitar a “azia”?

Temos azia quando o ácido estomacal é regurgitado para o esôfago, causando uma sensação de queimação incômoda no peito, podendo chegar até o pescoço e garganta. Um gosto amargo na parte de trás da garganta também pode ser sentido.

A queimação pode durar de alguns minutos a várias horas, geralmente mais forte após comer.

A azia ocasional é comum, e geralmente pode ser aliviada por antiácidos sem receita médica. A condição também é conhecida como refluxo ácido, refluxo gastroesofágico , indigestão ácida e refluxo.

 

Se você sofre de refluxo freqüente e severo, é possível que possua a doença de refluxo gastroesofágico (DRGE). Se for esse o caso, fale com o seu médico.

Sintomas:

– Uma sensação de ardor no peito que acontece depois de comer e dura de alguns minutos a várias horas.

-Dor no peito, especialmente depois de se curvar, deitar ou comer.

– Sensação de queimação na garganta.

– Gosto ácido, azedo e salgado na parte de trás da garganta.

– Dificuldade para engolir.

– Uma sensação de comida parada no peito ou garganta.

Normalmente, quando nós engolimos, os músculos em volta do esôfago relaxam para permitir que alimentos e líquido desçam para o estomago. Então os músculos se contraem novamente. Se o esfíncter esofágico inferior relaxar anormalmente ou enfraquecer, o ácido do estômago pode fluir de volta para o esófago (refluxo ácido) e causar azia.

Causas: 

Hábitos alimentares:

– Comer grandes porções de comida.

– Certos alimentos como cebola, chocolate, hortelã, alimentos ricos em gordura, frutas cítricas, alho, comidas picantes e tomates.

– Beber álcool, sucos cítricos, bebidas com cafeína e bebidas carbonatadas (feitas de forma artificial).

-Comer pouco tempo antes de dormir.

Estilo de vida:

– Estar acima do peso.

– Tabagismo.

– Usar roupas apertadas e cintos.

– Estresse.

Razões médicas:

– Gravidez.

– Hérnia hiatal.

– Uso de certos medicamentos, especialmente certos anti-inflamatórios e aspirina.

– Doença do refluxo gastroesofágico.

A azia que ocorre com freqüência e interfere com a sua rotina é considerada doença de refluxo gastroesofágico (DRGE). O tratamento do DRGE pode exigir medicamentos prescritos, cirurgia ou outros procedimentos. A DRGE pode danificar seriamente seu esôfago.

Mantenha uma dieta saudável e faça exercícios para se prevenir do refluxo. Parar de fumar também é muito importante.

Para mais informações consulte o seu médico.

 

 

FONTE:MAYOCLINIC/CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 16:30

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você Sabe o que é o Aneurisma da Aorta Abdominal?

Um aneurisma da aorta abdominal é uma dilatação na parte inferior da artéria aorta, localizada na região abdominal.

A aorta é a maior artéria do sistema circulatório humano, com espessura aproximada à uma mangueira de jardim. Sua função principal é levar o sangue do coração para o resto do corpo, portanto um aneurisma na mesma pode ser fatal.

O aneurisma se desenvolve quando a parede da artéria fica enfraquecida e expandida como um balão. Em sua maioria crescem devagar e sem sintomas, os fazendo difíceis de se detectar. O diagnóstico geralmente é feito em exame de rotina.

À medida que um aneurisma aórtico abdominal aumenta, algumas pessoas podem notar:

– Dor profunda e constante no abdômen.

– Dor nas costas.

– Sensação pulsante na região do umbigo.

Se você possui algum dos sintomas acima procure ajuda médica imediata.

Fatores de risco:

– Tabagismo.

– Hereditariedade.

– Ferimento.

– Infecção.

– Pressão sanguínea alta.

– Arteriosclerose. Isso ocorre quando o revestimento normal das artérias se deteriora, as paredes das artérias engrossam e depósitos de gordura e placa bloqueiam o fluxo de sangue através das artérias. A associação de arteriosclerose com o desenvolvimento de aneurismas é ainda controversa.

– Colesterol alto. É recomendado uma ultrassonografia abdominal para homens e mulheres acima de 65 anos que já tenham fumado. Em casos de doença na família a idade passa para 55 anos. A melhor forma para se evitar um aneurisma aórtico ou evitar seu agravamento é manter os vasos sanguíneos saudáveis. Isso significa:

– Pare de fumar. Mascar tabaco e ser fumante passivo também podem causar aneurisma.

– Coma de maneira saudável. Coma frutas, vegetais, grãos integrais, aves, peixe e produtos lácteos com baixo teor de gordura. Evite gorduras saturadas, gorduras trans e sal.

– Mantenha a pressão sanguínea e colesterol sob controle.

– Faça exercícios de forma regular. Para diagnosticar um aneurisma da aorta abdominal, os médicos avaliarão seus antecedentes médicos e familiares e realizarão um exame físico.

Se seu médico suspeitar que você possui um aneurisma aórtico, testes especializados podem confirmá-lo. Esses testes podem incluir:

–  Ultrassom  abdominal.

–  Tomografia computadorizada.

– Ressonância magnética.

O aneurisma da aorta abdominal pode ser fatal, porém tem cura. O melhor caminho é a prevenção.    

FONTE:MAYOCLINIC/CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 16:39

Compartilhe:

Nenhum comentário