publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

O que você sabe sobre Hipertensão e Gravidez?

A hipertensão arterial e a gravidez não são necessariamente uma combinação perigosa. Aqui está o que você precisa saber para proteger a sua vida e a de seu bebê.

Quais são os tipos de pressão alta durante a gravidez?

A pressão alta pode estar presente antes ou ser desenvolvida durante a gravidez.

Hipertensão gestacional. Mulheres com hipertensão gestacional têm pressão alta que se desenvolve após 20 semanas de gestação. Não há excesso de proteína na urina ou outros sinais de dano ao órgão. Algumas mulheres com hipertensão gestacional eventualmente desenvolvem pré-eclâmpsia.

Hipertensão crônica. A hipertensão crônica é a pressão alta que estava presente antes da gravidez ou que ocorre antes das 20 semanas de gravidez. Mas como a pressão alta geralmente não apresenta sintomas, pode ser difícil determinar quando começou.

Hipertensão crônica com pré-eclâmpsia sobreposta. Esta condição ocorre em mulheres com hipertensão crônica antes da gravidez que desenvolvem agravamento da hipertensão arterial e proteínas na urina ou outras complicações relacionadas à pressão arterial durante a gravidez.

Pré-eclâmpsia. A pré-eclâmpsia ocorre quando a hipertensão se desenvolve após 20 semanas de gestação e está associada a sinais de dano a outros sistemas orgânicos, incluindo os rins, fígado, sangue ou cérebro. A pré-eclâmpsia não tratada pode levar a complicações graves – até fatais – para a mãe e o bebê, incluindo o desenvolvimento de convulsões (eclâmpsia).

Anteriormente, a pré-eclâmpsia era diagnosticada apenas se uma mulher grávida tivesse pressão alta e proteína na urina. Os especialistas agora sabem que é possível ter pré-eclâmpsia sem ter proteína na urina.

Por que a pressão alta é um problema durante a gravidez?

A hipertensão arterial durante a gravidez apresenta vários riscos, incluindo:

– Diminuição do fluxo sanguíneo para a placenta. Se a placenta não obtiver sangue suficiente, seu bebê poderá receber menos oxigênio e menos nutrientes. Isso pode levar a um crescimento lento (restrição do crescimento intra-uterino), baixo peso ao nascer ou parto prematuro. A prematuridade pode levar a problemas respiratórios, aumento do risco de infecção e outras complicações para o bebê.

– Ruptura de placenta. A pré-eclâmpsia aumenta o risco desta condição na qual a placenta se separa da parede interna do útero antes do parto. O descolamento grave pode causar sangramento intenso, que pode ser fatal para você e seu bebê.

– Restrição de crescimento intrauterino. A hipertensão pode resultar em crescimento lento ou diminuído do bebê (restrição de crescimento intra-uterino).

– Lesões em diversos órgãos. Hipertensão mal controlada pode resultar em lesões no cérebro, coração, pulmões, rins, fígado e outros órgãos importantes. Em casos graves, pode ser fatal.

– Parto prematuro. Às vezes, um parto precoce é necessário para evitar complicações potencialmente fatais quando você tem pressão alta durante a gravidez.

– Doença cardiovascular futura. Ter pré-eclâmpsia pode aumentar o risco de doença cardíaca e cardiovascular futura. O risco é maior se houver ocorrência de pré-eclâmpsia mais de uma vez ou de parto prematuro devido à pressão alta durante a gravidez.

Como saber se vou desenvolver hipertensão durante a gravidez? 

Monitorar a pressão arterial é uma parte importante do tratamento pré-natal. Se você tem hipertensão crônica, seu médico irá considerar essas categorias para diagnosticar a pressão arterial:

– Pressão arterial elevada. A pressão arterial elevada é uma pressão sistólica que varia de 120 a 129 milímetros de mercúrio (mm Hg) e uma pressão diastólica abaixo de 80 mm Hg. A pressão arterial elevada tende a piorar com o tempo, a menos que sejam tomadas medidas de controle.

– Hipertensão estágio 1. A hipertensão de estágio 1 é uma pressão sistólica que varia de 130 a 139 mmHg ou uma pressão diastólica variando de 80 a 89 mmHg.

– Hipertensão estágio 2. Hipertensão mais grave, a hipertensão estágio 2 é uma pressão sistólica de 140 mmHg ou mais ou uma pressão diastólica de 90 mmHg ou mais.

Após 20 semanas de gestação, a pressão arterial que excede 140/90 mm HG (documentada em duas ou mais ocasiões) com pelo menos quatro horas de intervalo, sem qualquer outro dano ao órgão, é considerada hipertensão gestacional.

Como saber do desenvolvimento de pré-eclâmpsia? 

– Excesso de proteína na urina (proteinúria) ou sinais adicionais de problemas renais.

– Dores de cabeça severas.

– Alterações na visão, incluindo perda temporária da visão, visão turva ou sensibilidade à luz.

– Dor abdominal superior, geralmente sob as costelas do lado direito.

– Náusea ou vômito.

– Diminuição dos níveis de plaquetas no sangue (trombocitopenia).

– Função hepática prejudicada.

– Falta de ar causada por líquido nos pulmões.

Ganho de peso repentino e inchaço (edema) , particularmente no rosto e nas mãos, geralmente acompanham a pré-eclâmpsia. Mas eles também ocorrem em muitas gestações normais, portanto, o ganho de peso e o inchaço não são considerados sinais confiáveis ​​de pré-eclâmpsia.

É seguro tomar medicação para pressão sanguínea durante a gravidez?

Algumas medicações para pressão sanguínea são consideradas seguras para uso durante a gravidez, mas os inibidores da enzima conversora de angiotensina (ECA), os bloqueadores dos receptores da angiotensina II e os inibidores da renina são geralmente evitados.

O tratamento é importante, no entanto. A pressão alta coloca você em risco de ataque cardíaco, derrame e outras complicações importantes. E isso pode ser perigoso para o seu bebê.

Se você precisar de medicação para controlar a pressão arterial durante a gravidez, seu médico prescreverá a medicação mais segura na dose mais adequada. Tome o medicamento exatamente como prescrito. Não pare de tomar a medicação ou ajuste a dose por conta própria.

O que devo fazer para me preparar para a gravidez? 

Se você tiver pressão alta, marque uma consulta de prevenção com o profissional de saúde que cuidará da sua gravidez. Também se reúna com outros médicos que acompanham a sua saúde, como seu médico de família ou cardiologista. Eles vão avaliar o quão bem você está gerenciando sua pressão arterial elevada e considerar as mudanças de tratamento que você pode precisar fazer antes da gravidez.

Se você está com sobrepeso, seu médico pode recomendar perder o excesso antes de tentar engravidar.

O que esperar durante as consultas pré-natais?

Durante a gravidez, você verá seu médico com frequência. O seu peso e pressão arterial serão verificados em todas as consultas, testes frequentes de sangue e urina também se farão necessários. 

Seu médico também monitorará de perto a saúde do seu bebê. Ultrassons freqüentes podem ser usados ​​para rastrear o crescimento e desenvolvimento do mesmo. O monitoramento da freqüência cardíaca fetal pode ser usado para avaliar o bem-estar do feto.

O que posso fazer para reduzir o risco de complicações? 

Cuidar bem de si é a melhor maneira de cuidar do seu bebê. Por exemplo:

– Mantenha seus compromissos pré-natais. Visite seu médico regularmente durante a gravidez.

– Tome sua medicação para pressão arterial conforme prescrito. Seu médico irá prescrever a medicação mais segura na dose mais adequada.

– Fique ativa. Siga as recomendações do seu médico para a atividade física.

– Dieta saudável. Peça para falar com um nutricionista se precisar de ajuda adicional.

– Saiba o que não deve ser feito. Evite fumar, álcool e drogas ilícitas. Converse com seu médico antes de tomar medicamentos de venda livre.

Os pesquisadores continuam estudando maneiras de prevenir a pré-eclâmpsia, mas até o momento não surgiram estratégias claras. Se você teve um distúrbio hipertensivo em uma gravidez anterior, seu médico pode recomendar uma dose diária baixa de aspirina (81 miligramas) a partir do final do primeiro trimestre.

 E quanto ao trabalho de parto e parto?

Seu médico pode sugerir o trabalho antes da data prevista para evitar complicações. O momento da sua indução é baseado tanto em quão bem controlada é a sua pressão sanguínea, se você tem dano de órgão em estágio final, e se seu bebê tem complicações, como a restrição de crescimento intra-uterino devido à sua hipertensão.

Se você tem pré-eclâmpsia com características graves, pode receber medicação durante o trabalho de parto para ajudar a prevenir convulsões.

Eu poderei amamentar meu bebê?

A amamentação é incentivada para a maioria das mulheres que têm pressão alta, mesmo aquelas que tomam medicamentos. Discuta os ajustes de medicação que você precisará fazer com seu médico antes que seu bebê nasça. Às vezes, uma medicação alternativa de pressão arterial é recomendada.

É importante entender sua situação médica durante a gravidez para proteger a si mesmo e ao bebe.

Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:MAYOCLINIC.

Postado por joaoflavio às 15:29

Compartilhe:

Nenhum comentário

Nenhum comentário

Adicionar um comentário: