publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você Sabe como se Prevenir do Câncer de Cólon?

Câncer de cólon é o câncer do intestino grosso (cólon), que é a parte final do seu trato digestivo. A maioria dos casos de câncer de cólon começa com agrupamentos pequenos e não cancerosos (benignos) de células chamados pólipos adenomatosos. Com o tempo, alguns desses pólipos podem se tornar cânceres de cólon.

Os pólipos podem ser pequenos e produzir poucos sintomas, se houver algum. Por esta razão, os médicos recomendam testes de rastreamento regulares para ajudar a prevenir o câncer de cólon, identificando e removendo pólipos antes que eles se transformem em câncer.

Fatores de Risco:

– Idosos. A grande maioria das pessoas diagnosticadas com câncer de cólon tem mais de 50 anos. O câncer de cólon pode ocorrer em pessoas mais jovens, mas ocorre com muito menos frequência.

– Negros. Os negros têm um risco maior de câncer de cólon do que pessoas de outras raças. – Uma história pessoal de câncer colorretal ou pólipos. Quem já teve câncer de cólon ou pólipos adenomatosos, possui um risco maior de câncer de cólon no futuro.

– Uma história pessoal de câncer colorretal ou pólipos. Quem já teve câncer de cólon ou pólipos adenomatosos, possui um risco maior de câncer de cólon no futuro.

– Condições intestinais inflamatórias. As doenças inflamatórias crônicas do cólon, como a colite ulcerativa e a doença de Crohn, podem aumentar o risco de câncer de cólon.

– Síndromes hereditárias. As síndromes genéticas transmitidas por gerações de sua família podem aumentar o risco de câncer de cólon. Essas síndromes incluem polipose adenomatosa familiar e câncer colorretal hereditário sem polipose, que também é conhecido como síndrome de Lynch.

– Histórico familiar de câncer de cólon. Você tem mais chances de desenvolver câncer de cólon se tiver um pai, irmão ou filho com a doença. Se mais de um membro da família tiver câncer de cólon ou câncer retal, seu risco será ainda maior.

– Dieta pobre em fibras e rica em gordura. O câncer de cólon e o câncer retal podem estar associados a uma dieta pobre em fibras e rica em gordura e calorias. Pesquisas nesta área tiveram resultados mistos. Alguns estudos descobriram um aumento do risco de câncer de cólon em pessoas com dietas ricas em carne vermelha e carne processada.

– Um estilo de vida sedentário. Se você está inativo, é mais provável que você desenvolva um câncer de cólon. Obter atividade física regular pode reduzir o risco de câncer de cólon.

– Diabetes. Pessoas com diabetes e resistência à insulina têm um risco aumentado de câncer de cólon.

– Obesidade. Pessoas obesas têm maior risco de câncer de cólon e maior dificuldade no tratamento de câncer de cólon quando comparado com pessoas consideradas com peso normal.

– Fumar Fumantes podem ter um maior risco de câncer de cólon.

– Álcool. O uso exacerbado de álcool aumenta o risco de câncer de cólon.

– Radioterapia para câncer. A radioterapia dirigida ao abdome para tratar cânceres prévios aumenta o risco de câncer de cólon e reto.

Sintomas:

Sinais e sintomas do câncer de cólon incluem:

– Uma alteração nos hábitos intestinais, incluindo diarreia, obstipação ou uma alteração na consistência das fezes, que dura mais de quatro semanas.

– Sangramento retal ou sangue nas fezes.

– Desconforto abdominal persistente, como cólicas, gases ou dor.

– Sensação de que o intestino não esvazia completamente.

– Fraqueza e fadiga.

– Perda de peso.

– Anemia.

Muitas pessoas com câncer de cólon não apresentam sintomas nos estágios iniciais da doença. Quando os sintomas aparecem, eles provavelmente variam, dependendo do tamanho e da localização do câncer no intestino grosso.

As diretrizes geralmente recomendam que as avaliações do câncer de cólon tenham início aos 50 anos de idade. Seu médico pode recomendar uma triagem mais frequente ou mais precoce se você tiver outros fatores de risco, como histórico familiar da doença.

Causas:

Na maioria dos casos, não está claro o que causa o câncer de cólon. Os médicos sabem que essa condição ocorre quando as células saudáveis ​​do cólon desenvolvem erros em seu plano genético (DNA).

As células saudáveis ​​crescem e se dividem de maneira ordenada para manter seu corpo funcionando normalmente. Mas quando o DNA de uma célula é danificado e se torna canceroso, as células continuam a se dividir, mesmo quando novas células não são necessárias. Conforme as células se acumulam, elas formam um tumor.

Mutações genéticas hereditárias que aumentam o risco de câncer de cólon podem ser transmitidas através das famílias, mas esses genes herdados estão ligados a apenas uma pequena porcentagem dos cânceres de cólon. Mutações genéticas herdadas não tornam o câncer inevitável, mas podem aumentar significativamente o risco de câncer do indivíduo.

As formas mais comuns de síndromes de câncer de cólon hereditário são:

– Câncer colorretal hereditário sem polipose (CCHSP). O CCHSP, também chamado síndrome de Lynch, aumenta o risco de câncer de cólon e outros tipos de câncer. Pessoas com CCHSP tendem a desenvolver câncer de cólon antes dos 50 anos.

– Polipose adenomatosa familiar (PAF). PAF é uma doença rara que faz com que você desenvolva milhares de pólipos no revestimento do cólon e do reto. Pessoas com PAF não tratada têm um risco muito maior de desenvolver câncer de cólon antes dos 40 anos.

PAF, CCHSP e outras síndromes de câncer de cólon mais raras e hereditárias podem ser detectadas por meio de testes genéticos.

Associação entre dieta e aumento do risco de câncer de cólon:

Estudos apontam para uma associação entre uma dieta ocidental típica (rica em gordura e pobre em fibras) e um risco aumentado de câncer de cólon.

Quando as pessoas se mudam de áreas onde a dieta típica é baixa em gordura e rica em fibras para áreas onde a dieta ocidental típica é mais comum, o risco de câncer de cólon nessas pessoas aumenta significativamente. Não está claro por que isso ocorre, mas os pesquisadores estão estudando se uma dieta rica em gordura e pobre em fibras afeta os micróbios que vivem no cólon ou causa inflamação subjacente que pode contribuir para o risco de câncer. Esta é uma área de investigação ativa e a pesquisa está em andamento.

Prevenção:

Pessoas com um risco médio de câncer de cólon podem considerar a triagem a partir dos 50 anos. Mas as pessoas com risco aumentado, como aquelas com histórico familiar de câncer de cólon, devem considerar a triagem mais cedo.

Existem várias opções de triagem, cada uma com seus próprios benefícios e desvantagens. Fale sobre suas opções com seu médico e, juntos, você pode decidir quais exames são apropriados para você.

Faça mudanças no estilo de vida para reduzir seu risco:

Você pode tomar medidas para reduzir o risco de câncer de cólon, fazendo alterações em sua vida cotidiana:

– Esses alimentos contêm vitaminas, minerais, fibras e antioxidantes, que podem desempenhar um papel na prevenção do câncer. Escolha uma variedade de frutas e vegetais para obter uma variedade de vitaminas e nutrientes.

– Beba álcool com moderação. Se você optar por beber álcool, limite a quantidade para não mais do que uma bebida por dia para as mulheres e duas para os homens.

– Pare de fumar. Converse com seu médico sobre maneiras de parar que podem funcionar para você.

– Faça exercícios. Tente fazer pelo menos 30 minutos de exercício na maioria dos dias. Se você ficou inativo, comece devagar e aumente gradualmente para 30 minutos. Além disso, converse com seu médico antes de iniciar qualquer programa de exercícios.

– Mantenha um peso saudável. Se você está com um peso saudável, trabalhe para manter seu peso combinando uma dieta saudável com o exercício diário. Se você precisa perder peso, pergunte ao seu médico sobre maneiras saudáveis ​​de atingir seu objetivo. Procure perder peso lentamente, aumentando a quantidade de exercício praticado e reduzindo o número de calorias ingeridas.

Prevenção do câncer de cólon para pessoas com alto risco:

Alguns medicamentos são usados para reduzir o risco de pólipos pré-cancerosos ou câncer de cólon. No entanto, não há evidências suficientes para recomendar esses medicamentos para pessoas que têm um risco médio de câncer de cólon. Essas opções geralmente são reservadas para pessoas com alto risco de câncer de cólon. 

Por exemplo, algumas evidências ligam um risco reduzido de pólipos e câncer de cólon ao uso regular de aspirina ou drogas semelhantes à aspirina. Mas não está claro qual a dose e qual o período de tempo necessário para reduzir o risco.

Diagnóstico:

Os médicos recomendam certos testes de triagem para pessoas saudáveis, sem sinais ou sintomas, a fim de procurar o câncer de cólon precoce. Encontrar o câncer de cólon em sua fase inicial fornece a maior chance de cura.

Se os seus sinais e sintomas indicarem que você pode ter câncer de cólon, seu médico pode recomendar um ou mais testes e procedimentos, incluindo:

– A colonoscopia usa um tubo longo, flexível e fino conectado a uma câmera de vídeo e monitor para visualizar todo o seu cólon e reto. Se alguma área suspeita for encontrada, seu médico pode passar ferramentas cirúrgicas pelo tubo para coletar amostras de tecido (biópsias) para análise e remoção de pólipos.

– Exames de sangue. Nenhum exame de sangue pode dizer se você tem câncer de cólon. Mas seu médico pode testar seu sangue em busca de pistas sobre sua saúde geral, como testes de função renal e hepática.

Seu médico também pode testar seu sangue para uma substância química, às vezes produzida pelo câncer de cólon (antígeno carcinoembrionário ou AC). Examinado ao longo do tempo, o nível de AC no sangue pode ajudar seu médico a entender seu prognóstico e se o câncer está respondendo ao tratamento.

Estágios do câncer de cólon:

Uma vez que você tenha sido diagnosticado com câncer de cólon, seu médico irá solicitar exames para determinar a extensão (estágio) do seu câncer. O estadiamento ajuda a determinar quais tratamentos são mais apropriados para você.

Os testes de estadiamento podem incluir procedimentos de imagem, como tomografia computadorizada abdominal, pélvica e de tórax. Em muitos casos, o estágio de seu câncer pode não ser determinado até depois da cirurgia de câncer de cólon.

Os estágios do câncer de cólon são:

– Estágio I. O câncer cresceu através do revestimento superficial (mucosa) do cólon ou reto, mas não se espalhou além da parede dos mesmos.

– Estágio II. O câncer cresceu através da parede do cólon ou do reto, mas não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos.

– Estágio III. O câncer invadiu os gânglios linfáticos próximos, mas ainda não afeta outras partes do corpo.

– Estágio IV O câncer se espalhou para locais distantes, como outros órgãos – por exemplo, para o fígado ou pulmão.

Tratamento: 

O tipo de tratamento dependerá em grande parte do estágio de seu câncer. As três principais opções de tratamento são cirurgia, quimioterapia e radiação.

Mantenha um estilo de vida saudável e se previna dessa doença.

Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:MAYOCLINIC/CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 12:48

Compartilhe:

Nenhum comentário