publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

12 Maneiras Simples para Melhorar o Sono:

Adormecer pode parecer muito difícil quando se está acordado às 3h da madrugada, mas um bom sono está mais sob seu controle do que você imagina.

Seguir hábitos saudáveis ​​de sono pode fazer a diferença entre a insônia e o sono repousante.

Pesquisadores identificaram uma variedade de práticas e hábitos, conhecidos como “higiene do sono”, que podem melhorar a qualidade do sono, mesmo para quem sofre de insônia, jet lag ou trabalho por turnos.

Aqui estão algumas dicas simples para tornar o sono dos seus sonhos uma realidade noturna:

1. Evite cafeína, álcool, nicotina e outros produtos químicos que interferem com o sono:

A cafeína é um estimulante que pode mantê-lo acordado. Portanto, evite a cafeína (encontrada no café, chá, chocolate, refrigerantes e alguns analgésicos) por quatro a seis horas antes de dormir. Da mesma forma, os fumantes devem abster-se de cigarros pouco antes de dormir.

Embora o álcool possa ajudar a provocar o sono, após algumas horas ele atua como estimulante, aumentando o número de despertares e diminuindo a qualidade do sono. Portanto, é melhor limitar o consumo de álcool a uma ou duas doses por dia e evitar beber dentro de três horas antes de dormir.

2. Transforme seu quarto em um ambiente que induza ao sono:

Um ambiente calmo, escuro e fresco pode ajudar a promover o sono.

Utilize cortinas que promovam escurecimento completo, mantenha a temperatura amena e deixa o quarto ventilado. Lembre-se de que um colchão e travesseiros confortáveis também são importantes.

Manter computadores, TVs e materiais de trabalho fora de seu quarto fortalecerá a associação mental entre o quarto e o sono.

3. Estabeleça uma rotina:

Pratique atividades relaxantes durante uma hora ou mais antes de dormir. Tome um banho (a elevação e a queda na temperatura do corpo promove a sonolência), leia um livro, assista à televisão ou pratique exercícios de relaxamento.

Evite atividades estressantes e estimulantes. Atividades físicas e psicologicamente estressantes podem fazer com que o corpo secrete o hormônio do estresse, o cortisol, que está associado ao aumento do estado de alerta. Se você tende a levar seus problemas para a cama, tente anotá-los e depois colocá-los de lado.

4. Durma quando estiver cansado:

Lutar para dormir só leva à frustração. Se você não conseguir dormir depois de 20 minutos, saia da cama, vá para outra sala e faça algo relaxante, como ler ou ouvir música até estar cansado o suficiente para dormir.

5. Não fique olhando toda a hora para o relógio:

Olhar para um relógio no seu quarto, quando você está tentando dormir ou quando você acorda no meio da noite, pode realmente aumentar o estresse, tornando mais difícil adormecer. Deixe o celular distante.

6. Use a luz para sua vantagem:

A luz natural mantém seu relógio interno em um ciclo saudável de sono-vigília. Então deixe a luz na primeira hora da manhã entrar e saia do escritório para uma pausa ao sol durante o dia.

7. Mantenha o seu relógio interno definido com um horário de sono consistente:

Ir para a cama e acordar todos os dias ao mesmo tempo define o “relógio interno” do corpo para esperar o sono em uma determinada hora noite após noite.

Tente ficar o mais próximo possível da sua rotina nos fins de semana para evitar uma ressaca de sono matinal na segunda-feira.

Acordar ao mesmo tempo todos os dias é a melhor maneira de acertar o relógio. Mesmo que você não tenha dormido bem na noite anterior, a unidade de sono extra o ajudará a consolidar o sono na noite seguinte.

8. Mantenha o cochilo da tarde curto:

Muitas pessoas gostam de tirar uma soneca durante a tarde. No entanto, a sesta à tarde pode ser um dos culpados da insônia à noite. Isso ocorre porque os cochilos no final do dia diminuem a movimentação do sono.

Se você precisar tirar uma soneca, é melhor mantê-la curta (até 45 min) e antes das 17h.

9. Coma de forma leve à noite:

Comer uma pizza de pepperoni às 10 da noite pode ser uma receita para a insônia. Termine o jantar várias horas antes de dormir (pelo menos 3h) e evite alimentos que causam indigestão.

Se você ficar com fome à noite, coma alimentos leves e de fácil digestão. Dessa forma, o seu sono não será afetado.

10. Mantenha uma ingestão de fluidos equilibrada:

Não esqueça de beber água antes de dormir para não acordar com cede. Porém não exagere a ponto de precisar acordar para ir no banheiro.

11. Exercite-se de manhã:

O exercício pode ajudá-lo a adormecer mais depressa e a dormir mais profundamente, desde que seja feito na hora certa.

Atividades físicas estimulam o organismo a secretar o hormônio do estresse cortisol, que ajuda a ativar o mecanismo de alerta no cérebro.

Tente terminar o exercício pelo menos três horas antes de dormir ou exercitar-se no início do dia.

12. Mantenha a rotina:

Algumas dessas dicas serão mais fáceis de incluir em sua rotina diária e noturna do que outras. No entanto, se você tentar aceita-las em seu dia a dia, suas chances de conseguir um sono reparador vão melhorar.

Dito isto, nem todos os problemas do sono são tão facilmente tratados e podem significar a presença de um distúrbio do sono, como apneia, síndrome das pernas inquietas, narcolepsia ou outro problema clínico do sono.

Se suas dificuldades de sono não melhorarem com a boa higiene do sono, consulte seu médico ou um especialista em sono.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

FONTE:http:Harvard.edu.

Postado por joaoflavio às 17:20

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você Sabe o que Causa a Falta de Ar?

Poucas sensações são tão assustadoras quanto a falta de ar. Conhecida clinicamente como dispneia,  é freqüentemente descrita como um aperto intenso no peito, falta de ar ou sensação de sufocamento.

Exercícios muito extenuantes, temperaturas extremas, obesidade mórbida e altitude elevada podem causar falta de ar em pessoas saudáveis. Fora desses exemplos, a falta de ar é provavelmente um sinal de um problema médico.

A maioria dos casos de falta de ar é relacionado à condições cardíacas ou pulmonares. Esses órgãos estão envolvidos no transporte de oxigênio para os tecidos e na remoção do dióxido de carbono do organismo.

Causas:

Falta de ar que vem de repente (chamada aguda) tem um número limitado de causas, incluindo:

– Asma.

– Envenenamento por monóxido de carbono.

– Tamponamento cardíaco (excesso de líquido em volta do coração).

– Ataque cardíaco.

– Insuficiência cardíaca.

– Pressão sanguínea baixa.

– Pneumonia.

– Pneumothórax (pulmão colapsado).

– Embolia pulmonar.

– Perda de sangue repentina.

– Obstrução das vias aéreas (bloqueio na respiração).

No caso de falta de ar que dura semanas ou mais (chamada crônica), a condição é mais frequentemente devido à:

– Asma.

– Doença pulmonar obstrutiva crônica.

– Desfunção cardíaca.

– Doença pulmonar intersticial.

– Obesidade.

Várias outras condições de saúde também podem dificultar a obtenção de ar suficiente. Elas incluem:

Problemas no pulmão:

– Difteria.

– Câncer de pulmão.

– Pleurisia (inflamação da membrana que envolve os pulmões).

– Edema pulmonar (excesso de fluidos no pulmão).

– Fibrose pulmonar (pulmões cicatrizados e danificados).

– Hipertensão pulmonar (pressão alta nos vasos sangüíneos dos pulmões).

– Sarcoidose (células inflamatórias no corpo).

– Tuberculose.

Problemas no coração:

– Cardiomiopatia (problema com o músculo cardíaco).

– Arritmias cardíacas (problemas de ritmo cardíaco).

– Insuficiência cardíaca.

– Pericardite (inflamação do tecido ao redor do coração).

Outros problemas:

-Anemia.

– Costelas quebradas.

– Sufocamento.

– Epiglotite (inchaço da traqueia).

– Distúrbio de ansiedade generalizada.

– Síndrome de Guillain-Barré.

– Miastenia grave (Fraqueza muscular).

Prevenção:

Para ajudar a evitar que a falta de ar crônica se agrave:

– Pare de fumar. Uma vez que você está sem tabaco, seus riscos de doenças cardíacas e pulmonares e câncer começam a cair, mesmo que você tenha fumado por anos.

– Evite a exposição à poluentes. Tanto quanto possível, evite alérgenos respiratórios e toxinas ambientais.

– Perca peso.

– Se cuide. Se você tem uma condição médica subjacente, cuide dela.

– Tenha um plano de ação. Discuta com seu médico o que fazer se os sintomas piorarem.

– Tenha a altitude em mente. Evite esforço físico em altitudes superiores a 5.000 pés (1.524 metros).

– Verifique regularmente seu equipamento. Se você precisa de oxigênio suplementar, certifique-se de que seu suprimento seja adequado e que o equipamento funcione corretamente.

Ligue para a emergência ou peça para alguém levá-lo ao pronto-socorro se sentir uma falta de ar grave e súbta. Procure atendimento médico de emergência se a falta de ar for acompanhada por dor no peito, desmaios ou náuseas, pois podem ser sinais de ataque cardíaco ou embolia pulmonar.

A falta de ar pode ser um sintoma de muitas doenças pulmonares. No entanto, muitas outras condições, incluindo doenças cardiovasculares e anemia, podem causar essa condição.

O teste de exercício cardiopulmonar pode ser útil para determinar a causa.

A dispneia geralmente pode ser aliviada com técnicas especiais de respiração e relaxamento. Aparelhos com  oxigênio também podem ser úteis para alguns pacientes.

Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:MayoClinic/ClevelandClinic.

Postado por joaoflavio às 15:36

Compartilhe:

1 Comentário

Você Sabe o que acontece quando se para de Fumar?

O tabagismo é uma das principais causas de morte evitável no mundo, mas largar esse vício pode ser muito difícil.

Muitos pensam que as melhorias na saúde e no bem-estar demoram, porém os benefícios reais, ao largar o cigarro, são rápidos e bem perceptíveis.

Esses benefícios começam em menos de uma hora após o último cigarro e continuam a melhorar.

Aqui estão alguns pontos importantes sobre a cessação do tabagismo.

– Parar de fumar significa quebrar o ciclo da dependência e essencialmente recondicionar o cérebro para parar de desejar a nicotina.

– Para ser bem sucedido, o fumante que quer parar precisa ter um plano para vencer os desejos e gatilhos.

– Os benefícios de parar de fumar começam em menos de uma hora após o último cigarro.

– Quanto mais cedo se larga o cigarro, mais rapidamente se reduz o risco de câncer, doenças cardíacas, pulmonares e outras condições relacionadas ao tabagismo.

Linha do tempo:

Os benefícios são quase instantâneos; Assim que a pessoa para de fumar, o seu corpo começa a se recuperar das seguintes formas:

Após 1 hora:

Em menos de 20 minutos após o último cigarro ser fumado, o ritmo cardíaco diminui e volta ao normal. A pressão sanguínea começa a cair e a circulação pode começar a melhorar.

Após 12 horas:

Os cigarros contêm muitas toxinas conhecidas, incluindo o monóxido de carbono, um gás presente na fumaça do cigarro.

Este gás pode ser prejudicial ou fatal em altas doses e impede que o oxigênio entre nos pulmões e no sangue. Quando inalado em grandes doses em pouco tempo, a sufocação pode ocorrer por falta de oxigênio.

Depois de apenas 12 horas sem cigarro, o corpo se limpa do excesso de monóxido de carbono e aumenta os níveis de oxigênio.

Após 1 dia:

Apenas um dia após parar de fumar, o risco de ataque cardíaco começa a diminuir.
Fumar aumenta o risco de desenvolver doença cardíaca coronária e diminui o colesterol bom, o que torna o exercício saudável para o coração mais difícil de ser feito. Fumar também aumenta a pressão arterial e o risco de acidente vascular cerebral.

Em apenas 1 dia após parar de fumar, a pressão arterial começa a diminuir, consequentemente diminuindo o risco de doença cardíaca devido à pressão alta induzida pelo fumo. Neste curto espaço de tempo, os níveis de oxigênio de uma pessoa terão aumentado, tornando a atividade física e o exercício mais fácil de ser feito.

Após 2 dias:

O fumo danifica as terminações nervosas responsáveis ​​pelos sentidos do olfato e do paladar. Em menos de 2 dias depois de parar, uma pessoa pode notar um olfato aguçado e gostos mais vivos à medida que esses nervos se curam.

Após 3 dias:

3 dias depois de parar de fumar, os níveis de nicotina no corpo de uma pessoa são esgotados. Embora seja mais saudável não ter nicotina no organismo, esse esgotamento inicial pode causar a abstinência de nicotina. Cerca de 3 dias depois de parar, a maioria das pessoas experimentará mau humor e irritabilidade, dores de cabeça severas e ânsias à medida que o corpo se reajusta.

Após 1 mês:

Em apenas 1 mês, a função pulmonar de uma pessoa começa a melhorar. À medida que os pulmões se curam e a capacidade pulmonar melhora, ex-fumantes podem notar menos tosse e falta de ar. Aumento da resistência atlética e maior facilidade em praticar atividades cardiovasculares, como correr e saltar.

Após 1-3 meses:

Nos próximos meses, a circulação continua a melhorar.

Após 9 meses:

Nove meses depois de parar, os pulmões se curam significativamente. As delicadas estruturas parecidas com pelos dentro dos pulmões, conhecidas como cílios, se recuperam dos danos que a fumaça do cigarro provocou. Essas estruturas ajudam a empurrar o muco para fora dos pulmões e ajudam a combater infecções.

Nessa época, muitos ex-fumantes notam uma diminuição na frequência de infecções pulmonares, porque os cílios curados podem realizar seu trabalho mais facilmente.

Após 1 ano:

Um ano depois de parar de fumar, o risco de doença cardíaca coronária diminui pela metade. Este risco continuará a cair após a marca de 1 ano.

Após 5 anos:

Os cigarros contêm muitas toxinas conhecidas que causam o estreitamento das artérias e vasos sanguíneos. Essas mesmas toxinas também aumentam a probabilidade de desenvolver coágulos sanguíneos.

Após 5 anos sem fumar, o corpo se curou o suficiente para que as artérias e os vasos sanguíneos voltem a se alargar. Esse alargamento significa que o sangue é menos propenso a coagular, diminuindo o risco de derrame.

O risco de derrame continuará a diminuir nos próximos 10 anos, à medida que o corpo se recupera cada vez mais.

Após 10 anos:

Depois de 10 anos, as chances de uma pessoa desenvolver câncer de pulmão e morrer dela são cortadas pela metade em comparação com alguém que continua fumando. A probabilidade de desenvolver câncer de boca, garganta ou pâncreas diminui significativamente.

Após 15 anos:

Após 15 anos sem fumar, a probabilidade de desenvolver doença coronariana é equivalente a de um não-fumante. Da mesma forma, o risco de desenvolver câncer de pâncreas reduz para o mesmo nível de uma pessoa que nunca fumou.

Após 20 anos:

Após 20 anos, o risco de morte por causas relacionadas ao tabagismo, incluindo doenças pulmonares e câncer, cai para o nível de uma pessoa que nunca fumou na vida.

Conclusão:

Fumar é um hábito prejudicial que pode levar a complicações graves de saúde e morte. Quando uma pessoa para de fumar, o corpo vai começar a se curar naturalmente e recuperar a vitalidade ao longo do tempo.

Alguns efeitos, como a diminuição da pressão arterial, são vistos quase que imediatamente. Outros efeitos, como os riscos de desenvolver câncer de pulmão, doenças cardíacas e doenças pulmonares, levam anos para cair para os níveis similares aos de um não-fumante.

No entanto, a cada hora, dia e ano que não se fuma, os riscos à sáude diminuem, resultando na melhora da mesma e em uma maior qualidade de vida.

Para de fumar agora e comece a perceber melhoras em apenas 20 minutos!

Para mais informações procure o seu médico.

Fonte:MedicalNewsToday.

Bônus da copa:

Nota: O assessor de imprensa do Hospital Pró-Cardíaco, Marcelo Fefer nos mandou essa matéria que achamos bem legal e decidimos compartilhar aqui no blog.

Muito mais preparados para ajudar a salvar vidas

Alunos da Escola Nova, da Gávea, recebem treinamento de equipe do Hospital Pró-Cardíaco sobre como agir diante de crises convulsivas, engasgos, sangramentos e paradas cardíacas.

Rio de Janeiro, RJ (5 de julho de 2018) – Três grupos de 30 alunos cada um, do 9º ano da Escola Nova, da Gávea, participaram, nesta quinta-feira (5/7), de um treinamento de primeiros socorros ministrado pela equipe do Hospital Pró-Cardíaco, de Botafogo. A iniciativa faz parte do projeto Pró-Comunidade, da instituição. Foram ensinadas noções básicas sobre como proceder diante de crises convulsivas, engasgos, sangramentos e paradas cardíacas. No caso dessa última, os alunos tiveram a oportunidade de praticar a reanimação cardiopulmonar com o uso de um manequim de simulação.

“Eu costumo ficar muito nervosa quando vejo alguém passar mal. Agora, ficarei confortável para ajudar, me sinto bem mais preparada para isso”, acredita a aluna Maria Eduarda Brito. “O mais importante foi aprender como fazer a massagem para reanimar o coração. Isso deveria ser ensinado em todas as escolas”, enfatiza a estudante Mariana Amaral.

Essa foi a primeira ação externa do projeto Pró-Comunidade, que, regularmente, promove palestras para o público leigo sobre as principais doenças cardiovasculares, no auditório do Pró-Cardíaco. A intenção é realizar ao menos um treinamento em escolas por mês, alternando instituições públicas e instituições privadas.

“O hospital precisa ter um papel ativo na sociedade e entendemos que deveríamos levar o nosso conhecimento à comunidade que nos cerca. Escolhemos ir até as escolas porque os jovens, no futuro, serão adultos que terão esse conhecimento e que, hoje, já podem atuar como multiplicadores do conceito e espalhar as informações para suas famílias e amigos”, explica Cláudio Amorim, diretor executivo do Hospital Pró-Cardíaco.

“Na escola, você atinge os moradores do bairro, gera uma contaminação positiva naquela região específica da cidade”, destaca André Volschan, coordenador de Ensino e Pesquisa do Pró-Cardíaco, hospital que é credenciado pela American Heart Association como centro de treinamento de Suporte de Vida Avançado Cardiovascular.

“A grande lição que queremos passar é: medidas simples salvam vidas”, ressalta a enfermeira educadora Carla Vianna, que ministrou o treinamento com sua colega Debora Mazioli. “E, também, que o mais importante é saber o que não fazer, como, por exemplo, tentar desenrolar a língua de uma pessoa com uma crise convulsiva. Isso não deve ser feito. Quem presta socorro não pode correr o risco de se tornar uma segunda vítima”, afirma Debora.

Postado por joaoflavio às 20:00

Compartilhe:

1 Comentário