publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabe qual é o Melhor tipo de Exercício para Perda de Peso?

Há muito debate sobre que tipo de exercício é melhor para saúde: aeróbico ou anaeróbico.

O exercício aeróbico, como caminhar, andar de bicicleta ou correr, aumenta a velocidade da respiração e o fluxo sanguíneo.

É possível  se exercitar de forma aeróbica por longos períodos de tempo.

O exercício anaeróbico, como o tiro (sprint) ou o levantamento de peso, é uma atividade curta e intensa, a qual, não pode ser sustentada por muito tempo.

Qual é o melhor tipo de exercício para perda de peso?

O exercício aeróbico e anaeróbico tem benefícios e você deve incorporar os dois em sua rotina.

Porém, se seu principal objetivo é perder gordura, o exercício anaeróbico é o certo para você.

A diferença entre o exercício aeróbico e anaeróbico se resume aos níveis de oxigênio.

Em exercícios aeróbicos ou “com oxigênio”, seus músculos têm oxigênio suficiente para produzir a energia necessária para o desempenho físico.

Exercício anaeróbico “sem oxigênio” significa que a demanda de oxigênio é maior que a oferta do mesmo e você não consegue acompanhar a energia que seu corpo está exigindo.

Isto leva à produção de lactato e, eventualmente, a cessação do exercício.

O exercício aeróbico, ou cardio de estado estacionário, é realizado em um ritmo constante, baixo a moderado.

Este tipo de exercício, que utiliza fibras musculares de contração lenta, é ótimo para condicionamento cardiovascular e melhora da resistência muscular.

Embora seja comum pensar que aquela corrida longa de baixa intensidade seja ideal para perda de gordura, na realidade a quantidade total de energia queimada nesse nível é menor do que durante o exercício anaeróbico.

Isso significa que para a maioria das pessoas, são necessários longos períodos de exercícios aeróbicos para obter uma perda significativa de gordura.

O exercício anaeróbico é realizado na forma de treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT), em que você intercala intervalos de alta intensidade com intervalos de recuperação. Isso é benéfico por várias razões, elas incluem:
– É possível entrar em um treino intenso rapidamente. Se o tempo é uma limitação para você, uma sessão HIIT é uma ótima opção.

– Você esgotará seus músculos e queimará mais calorias do que se estivesse fazendo exercícios aeróbicos (durante o mesmo espaço de tempo).

– O ganho de músculos aumenta o metabolismo. O HIIT faz com que as fibras musculares de contração rápida trabalhem em exercícios como sprinting, pilometria e levantamento de peso. Essas fibras aumentam o tamanho e a força muscular.

Isso significa que você estará aumentando a massa muscular, o que por sua vez, acelera seu metabolismo (já que o músculo queima mais calorias que a gordura).

– Após o exercício anaeróbico, você experimentará o efeito de pós-combustão. O nome científico desse efeito é: excesso de consumo de oxigênio pós-exercício (EPOC).

EPOC é a quantidade de oxigênio necessária que deve retornar ao corpo em seu estado de repouso.

O exercício anaeróbico estimula um EPOC mais alto porque você consome mais oxigênio durante o treinamento, o que cria um déficit maior para substituir o pós-treino.

Isso significa que você continuará a queimar calorias mesmo depois de terminar o execício.

Conclusão:

Embora os exercícios aeróbicos e anaeróbicos sejam importantes para uma rotina de exercícios completa, o exercício anaeróbico, como o HIIT, é mais eficaz para a perda de gordura.

O exercício anaeróbico reestrutura o corpo, portanto, lembre-se de que a perda total de peso não é um indicador preciso do progresso.

Esse tipo de atividade física faz com que se queime gordura e se ganhe músculo.

Para acompanhar sua evolução de forma correta, meça seus níveis de gordura corporal.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

FONTE:Healthline.

Postado por joaoflavio às 16:38

Compartilhe:

Nenhum comentário

12 Maneiras Simples para Melhorar o Sono:

Adormecer pode parecer muito difícil quando se está acordado às 3h da madrugada, mas um bom sono está mais sob seu controle do que você imagina.

Seguir hábitos saudáveis ​​de sono pode fazer a diferença entre a insônia e o sono repousante.

Pesquisadores identificaram uma variedade de práticas e hábitos, conhecidos como “higiene do sono”, que podem melhorar a qualidade do sono, mesmo para quem sofre de insônia, jet lag ou trabalho por turnos.

Aqui estão algumas dicas simples para tornar o sono dos seus sonhos uma realidade noturna:

1. Evite cafeína, álcool, nicotina e outros produtos químicos que interferem com o sono:

A cafeína é um estimulante que pode mantê-lo acordado. Portanto, evite a cafeína (encontrada no café, chá, chocolate, refrigerantes e alguns analgésicos) por quatro a seis horas antes de dormir. Da mesma forma, os fumantes devem abster-se de cigarros pouco antes de dormir.

Embora o álcool possa ajudar a provocar o sono, após algumas horas ele atua como estimulante, aumentando o número de despertares e diminuindo a qualidade do sono. Portanto, é melhor limitar o consumo de álcool a uma ou duas doses por dia e evitar beber dentro de três horas antes de dormir.

2. Transforme seu quarto em um ambiente que induza ao sono:

Um ambiente calmo, escuro e fresco pode ajudar a promover o sono.

Utilize cortinas que promovam escurecimento completo, mantenha a temperatura amena e deixa o quarto ventilado. Lembre-se de que um colchão e travesseiros confortáveis também são importantes.

Manter computadores, TVs e materiais de trabalho fora de seu quarto fortalecerá a associação mental entre o quarto e o sono.

3. Estabeleça uma rotina:

Pratique atividades relaxantes durante uma hora ou mais antes de dormir. Tome um banho (a elevação e a queda na temperatura do corpo promove a sonolência), leia um livro, assista à televisão ou pratique exercícios de relaxamento.

Evite atividades estressantes e estimulantes. Atividades físicas e psicologicamente estressantes podem fazer com que o corpo secrete o hormônio do estresse, o cortisol, que está associado ao aumento do estado de alerta. Se você tende a levar seus problemas para a cama, tente anotá-los e depois colocá-los de lado.

4. Durma quando estiver cansado:

Lutar para dormir só leva à frustração. Se você não conseguir dormir depois de 20 minutos, saia da cama, vá para outra sala e faça algo relaxante, como ler ou ouvir música até estar cansado o suficiente para dormir.

5. Não fique olhando toda a hora para o relógio:

Olhar para um relógio no seu quarto, quando você está tentando dormir ou quando você acorda no meio da noite, pode realmente aumentar o estresse, tornando mais difícil adormecer. Deixe o celular distante.

6. Use a luz para sua vantagem:

A luz natural mantém seu relógio interno em um ciclo saudável de sono-vigília. Então deixe a luz na primeira hora da manhã entrar e saia do escritório para uma pausa ao sol durante o dia.

7. Mantenha o seu relógio interno definido com um horário de sono consistente:

Ir para a cama e acordar todos os dias ao mesmo tempo define o “relógio interno” do corpo para esperar o sono em uma determinada hora noite após noite.

Tente ficar o mais próximo possível da sua rotina nos fins de semana para evitar uma ressaca de sono matinal na segunda-feira.

Acordar ao mesmo tempo todos os dias é a melhor maneira de acertar o relógio. Mesmo que você não tenha dormido bem na noite anterior, a unidade de sono extra o ajudará a consolidar o sono na noite seguinte.

8. Mantenha o cochilo da tarde curto:

Muitas pessoas gostam de tirar uma soneca durante a tarde. No entanto, a sesta à tarde pode ser um dos culpados da insônia à noite. Isso ocorre porque os cochilos no final do dia diminuem a movimentação do sono.

Se você precisar tirar uma soneca, é melhor mantê-la curta (até 45 min) e antes das 17h.

9. Coma de forma leve à noite:

Comer uma pizza de pepperoni às 10 da noite pode ser uma receita para a insônia. Termine o jantar várias horas antes de dormir (pelo menos 3h) e evite alimentos que causam indigestão.

Se você ficar com fome à noite, coma alimentos leves e de fácil digestão. Dessa forma, o seu sono não será afetado.

10. Mantenha uma ingestão de fluidos equilibrada:

Não esqueça de beber água antes de dormir para não acordar com sede. Porém não exagere a ponto de precisar acordar para ir no banheiro.

11. Exercite-se de manhã:

O exercício pode ajudá-lo a adormecer mais depressa e a dormir mais profundamente, desde que seja feito na hora certa.

Atividades físicas estimulam o organismo a secretar o hormônio do estresse cortisol, que ajuda a ativar o mecanismo de alerta no cérebro.

Tente terminar o exercício pelo menos três horas antes de dormir ou exercitar-se no início do dia.

12. Mantenha a rotina:

Algumas dessas dicas serão mais fáceis de incluir em sua rotina diária e noturna do que outras. No entanto, se você tentar aceita-las em seu dia a dia, suas chances de conseguir um sono reparador vão melhorar.

Dito isto, nem todos os problemas do sono são tão facilmente tratados e podem significar a presença de um distúrbio do sono, como apneia, síndrome das pernas inquietas, narcolepsia ou outro problema clínico do sono.

Se suas dificuldades de sono não melhorarem com a boa higiene do sono, consulte seu médico ou um especialista em sono.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

FONTE:http:Harvard.edu.

Postado por joaoflavio às 17:20

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você Sabe o que Causa a Falta de Ar?

Poucas sensações são tão assustadoras quanto a falta de ar. Conhecida clinicamente como dispneia,  é freqüentemente descrita como um aperto intenso no peito, falta de ar ou sensação de sufocamento.

Exercícios muito extenuantes, temperaturas extremas, obesidade mórbida e altitude elevada podem causar falta de ar em pessoas saudáveis. Fora desses exemplos, a falta de ar é provavelmente um sinal de um problema médico.

A maioria dos casos de falta de ar é relacionado à condições cardíacas ou pulmonares. Esses órgãos estão envolvidos no transporte de oxigênio para os tecidos e na remoção do dióxido de carbono do organismo.

Causas:

Falta de ar que vem de repente (chamada aguda) tem um número limitado de causas, incluindo:

– Asma.

– Envenenamento por monóxido de carbono.

– Tamponamento cardíaco (excesso de líquido em volta do coração).

– Ataque cardíaco.

– Insuficiência cardíaca.

– Pressão sanguínea baixa.

– Pneumonia.

– Pneumothórax (pulmão colapsado).

– Embolia pulmonar.

– Perda de sangue repentina.

– Obstrução das vias aéreas (bloqueio na respiração).

No caso de falta de ar que dura semanas ou mais (chamada crônica), a condição é mais frequentemente devido à:

– Asma.

– Doença pulmonar obstrutiva crônica.

– Desfunção cardíaca.

– Doença pulmonar intersticial.

– Obesidade.

Várias outras condições de saúde também podem dificultar a obtenção de ar suficiente. Elas incluem:

Problemas no pulmão:

– Difteria.

– Câncer de pulmão.

– Pleurisia (inflamação da membrana que envolve os pulmões).

– Edema pulmonar (excesso de fluidos no pulmão).

– Fibrose pulmonar (pulmões cicatrizados e danificados).

– Hipertensão pulmonar (pressão alta nos vasos sangüíneos dos pulmões).

– Sarcoidose (células inflamatórias no corpo).

– Tuberculose.

Problemas no coração:

– Cardiomiopatia (problema com o músculo cardíaco).

– Arritmias cardíacas (problemas de ritmo cardíaco).

– Insuficiência cardíaca.

– Pericardite (inflamação do tecido ao redor do coração).

Outros problemas:

-Anemia.

– Costelas quebradas.

– Sufocamento.

– Epiglotite (inchaço da traqueia).

– Distúrbio de ansiedade generalizada.

– Síndrome de Guillain-Barré.

– Miastenia grave (Fraqueza muscular).

Prevenção:

Para ajudar a evitar que a falta de ar crônica se agrave:

– Pare de fumar. Uma vez que você está sem tabaco, seus riscos de doenças cardíacas e pulmonares e câncer começam a cair, mesmo que você tenha fumado por anos.

– Evite a exposição à poluentes. Tanto quanto possível, evite alérgenos respiratórios e toxinas ambientais.

– Perca peso.

– Se cuide. Se você tem uma condição médica subjacente, cuide dela.

– Tenha um plano de ação. Discuta com seu médico o que fazer se os sintomas piorarem.

– Tenha a altitude em mente. Evite esforço físico em altitudes superiores a 5.000 pés (1.524 metros).

– Verifique regularmente seu equipamento. Se você precisa de oxigênio suplementar, certifique-se de que seu suprimento seja adequado e que o equipamento funcione corretamente.

Ligue para a emergência ou peça para alguém levá-lo ao pronto-socorro se sentir uma falta de ar grave e súbta. Procure atendimento médico de emergência se a falta de ar for acompanhada por dor no peito, desmaios ou náuseas, pois podem ser sinais de ataque cardíaco ou embolia pulmonar.

A falta de ar pode ser um sintoma de muitas doenças pulmonares. No entanto, muitas outras condições, incluindo doenças cardiovasculares e anemia, podem causar essa condição.

O teste de exercício cardiopulmonar pode ser útil para determinar a causa.

A dispneia geralmente pode ser aliviada com técnicas especiais de respiração e relaxamento. Aparelhos com  oxigênio também podem ser úteis para alguns pacientes.

Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:MayoClinic/ClevelandClinic.

Postado por joaoflavio às 15:36

Compartilhe:

1 Comentário