publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Informação Importante de Saúde sobre Alguns Antibióticos:

Efeitos colaterais incapacitantes e potencialmente permanentes levam a suspensão e restrições da quinolona e antibióticos fluoroquinolonas.

A Agencia Européia de Medicina (AEM) analisou efeitos colaterais sérios, incapacitantes e potencialmente permanentes com a quinolona e antibióticos fluoroquinolonas administrados por via oral, injeção ou inalação. A revisão incorporou as visões de pacientes, profissionais de saúde e acadêmicos apresentados na audiência pública da AEM sobre antibióticos fluoroquinolona e quinolona em junho de 2018.

O comitê de medicamentos humanos da agencia endossou as recomendações de segurança da mesma e concluiu que os medicamentos contendo cinoxacina, flumequina, ácido nalidíxico e ácido pipemídico devem ser suspensos.
O comitê confirmou que a utilização dos restantes antibióticos fluoroquinolonas deve ser restringida. Além disso, informações para pacientes descrevendo os efeitos colaterais incapacitantes e potencialmente permanentes e aconselhar os mesmos a interromper o tratamento com o antibiótico ao primeiro sinal de um efeito colateral envolvendo músculos, tendões ou articulações e o sistema nervoso.

 Restrições ao uso de antibióticos fluoroquinolonas significam que eles não devem ser usados:

– Para tratar infecções que podem melhorar sem tratamento ou não são graves (como a garganta).

– Para tratar infecções não bacterianas e prostatite não bacteriana.

– Para prevenir a diarreia do viajante (distúrbio estomacal em pessoas que viajam para locais do mundo com tratamento de água deficiente) ou infecções recorrentes do trato urinário inferior.

– Para tratar infecções bacterianas leves ou moderadas, a menos que outros medicamentos antibacterianos comumente recomendado para estas infecções não possam ser usados.

É importante ressaltar que as fluoroquinolonas geralmente devem ser evitadas em pacientes que já tiveram efeitos colaterais graves com um antibiótico fluoroquinolona ou quinolona. Eles devem ser usados ​​com especial precaução em idosos, pacientes com doença renal e aqueles que tiveram um transplante de órgãos, porque esses pacientes estão em maior risco de lesão do tendão. O uso de um corticosteroide com fluoroquinolona também aumenta este risco, portanto o uso combinado destes medicamentos deve ser evitado.

O parecer da agencia europeia de medicina será agora enviado à Comissão Europeia, que emitirá uma declaração com decisão legal final, aplicável em todos os países da UE. As autoridades nacionais aplicarão esta decisão para o medicamentos com fluoroquinolona e quinolona autorizados em seus países e também tomarão outras medidas adequadas para promover o uso correto desses antibióticos.

Informação para pacientes:

– Medicamentos fluoroquinolona (que contêm ciprofloxacina, levofloxacina, lomefloxacina, moxifloxacina,
norfloxacina, ofloxacina, pefloxacina, prulifloxacina e rufloxacina) podem causar efeitos duradouros, incapacitantes e colaterais potencialmente permanentes envolvendo tendões, músculos, articulações e sistema nervoso.

– Estes efeitos secundários graves incluem tendão inflamado ou rompido, dor ou fraqueza muscular, dor nas articulações ou inchaço, dificuldade de andar, sensação de alfinetes e agulhas na pele, dor, queimação, cansaço, depressão, problemas com memória, sono, visão e audição e gosto e cheiro alterados.

– Inchaço dos tendões e lesões podem ocorrer dentro de 2 dias após o início do tratamento com fluoroquinolona, podendo também ocorrer vários meses após a interrupção do tratamento.

– Você pode estar mais propenso a dor nas articulações ou inchaço ou dano no tendão se tiver mais de 60 anos, se seus rins não funcionam bem ou se recebeu transplante de órgãos.

Pare de tomar o medicamento com fluoroquinolona e contacte o seu médico imediatamente nos seguintes casos:

– No primeiro sinal de lesão no tendão, como dor no tendão ou inchaço (descanse a área dolorida).

– Se sentir dor, alfinetes e agulhas na pele, formigamento, cócegas, dormência, queimação ou fraqueza
especialmente nas pernas ou braços.

– Se tiver inchaço no ombro, braços ou pernas, tiver dificuldade de andar, sentir-se cansado ou deprimido,
Falta de memória ou sono, mudanças na visão, gosto, cheiro ou audição. Você e seu médico decidirão se você pode continuar o tratamento ou se você precisa tomar outro tipo de antibiótico.

Informação para médicos:

– O uso prolongado de fluoroquinolonas está associado à reações graves, incapacitantes e potencialmente irreversíveis que afetam vários, por vezes múltiplos sistemas e órgãos.

– Os efeitos colaterais graves incluem tendinite, ruptura do tendão, artralgia, dor nas extremidades, neuropatias associadas a parestesia, depressão, fadiga, diminuição da memória, distúrbios do sono e deficiência auditiva, visão, paladar e olfato.

– Os danos nos tendões (especialmente no tendão de Aquiles) podem ocorrer dentro de 48 horas após iniciar o tratamento com fluoroquinolona, ​​mas o dano pode ser adiado vários meses após a interrupção
tratamento.

– Os pacientes idosos, com deficiências renais, com transplante de órgãos e aqueles que fazem tratamento com corticosteróides, correm maior risco de danos nos tendões. O tratamento concomitantecom uma fluoroquinolona e um corticosteróide deve ser evitado.

– O tratamento com fluoroquinolona deve ser descontinuado ao primeiro sinal de dor no tendão ou inflamação e os doentes devem ser aconselhados a interromper o tratamento com uma fluoroquinolona e falar com o médico em caso de sintomas de neuropatia, tais como dor, ardor, formigueiro, dormência ou fraqueza, de modo a prevenir o desenvolvimento de condições potencialmente irreversíveis.

– As fluoroquinolonas geralmente não devem ser usadas em pacientes que tiveram reações adversas graves
associadas ao uso de medicamentos com quinolona ou fluoroquinolona.

Mais sobre o medicamento:

As fluoroquinolonas e as quinolonas são uma classe de antibióticos de amplo espectro. As fluoroquinolonas são valiosas em certas infecções, incluindo algumas com risco de vida, em que os antibióticos alternativos não são eficazes.

É importante se informar sobre os medicamentos disponíveis no mercado atual.

Converse com o seu médico para saber mais.

 

FONTE: AgenciaEuropeiaDeMedicina.

Postado por joaoflavio às 9:43

Compartilhe:

Nenhum comentário