publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabia que as Bebidas Energéticas podem provocar um Acidente Vascular?

Podemos comprar bebidas energéticas em diversos estabelecimentos comerciais, como supermercados, drogarias e postos de gasolina. Muitas vezes, pensamos em beber um café ou uma bebida energética para nos mantermos acordados. Porém, será que os energéticos são seguros?

Bebidas energéticas têm megadoses de cafeína e às vezes outros estimulantes, muitas vezes estão associados à acidentes vasculares (AVC) isquêmicos ou hemorrágicos em jovens de 30 a 40 anos.

O que é que causa o derrame?

A condição que pode desencadear um AVC depois de beber uma bebida energética é a síndrome reversível da vasoconstrição cerebral, ou RCVS. Esse espasmo súbito dos vasos sanguíneos do cérebro pode restringir o suprimento de sangue ou causar uma hemorragia.

Embora a RCVS seja reversível, não é uma doença benigna. Algumas pessoas têm um AVC e nunca se recuperam, e em casos muito raros, a RCVS pode causar a morte.

Quais são os sintomas da RCVS?

O sintoma mais importante é a dor de cabeça severa, geralmente com intensidade nunca sentida antes.

Outros sintomas podem incluir formigamento e dormência em diferentes partes do corpo, bem como convulsões.

A RCVS frequentemente imita a vasculite do sistema nervoso central. Ambos compartilham sintomas semelhantes e provocam o AVC no início da vida. No entanto possuem tratamentos muito diferentes.

Por que as bebidas energéticas causam RCVS?

Os especialistas não sabem ao certo por que as bebidas energéticas acionam a RCVS. Alguns pacientes que bebem bebidas energéticas há algum tempo tornam-se mais sensíveis a doença à medida que o tempo passa. Outros são muito sensíveis no começo, e podem desenvolver RCVS na primeira vez que consomem uma bebida energética.

Infelizmente, não há como testar quem sofre risco de desenvolver a RCVS.

A dor de cabeça agonizante envia a maioria dos pacientes para o hospital, onde eles fazem uma tomografia computadorizada do cérebro. A varredura inicial pode parecer normal, no entanto, a RCVS pode ser negligenciada no início.

Os pacientes são enviados para casa até que a dor de cabeça persistente os traga de volta ao pronto-socorro. É quando o AVC isquêmico ou hemorrágico aparecem em uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Como os pacientes são muito jovens para desenvolver os fatores de risco habituais para o AVC, como pressão alta ou colesterol alto, os médicos devem procurar outra causa.

Os médicos normalmente fazem uma punção lombar para verificar se há uma infecção ou inflamação no cérebro. Eles também podem solicitar um angiograma por ressonância magnética (MRA) ou um angiograma dos vasos sanguíneos do cérebro.

Outras substâncias podem desencadear a RCVS?

Além de bebidas energéticas, os medicamentos que constringem os vasos sanguíneos podem desencadear a RCVS. O maior culpado são os descongestionantes nasais.

Causas menos comuns de RCVS incluem altas doses de antidepressivos da classe ISRS (inibidor seletivo de recaptação de serotonina), medicamentos para enxaqueca, adesivos de nicotina e ginseng.
A RCVS também está entre os muitos problemas que o uso ilegal de drogas e maconha pode causar.

Mulheres que tiveram um bebê podem desenvolver a RCVS no pós-parto.

Quão arriscadas são as bebidas energéticas para adolescentes?

As estatísticas são chocantes sobre o uso de bebidas energéticas em idades mais jovens. Um estudo descobriu que 43% dos jovens entre 13 e 15 anos já haviam experimentado.

Bebidas energéticas podem causar ansiedade, pressão alta, palpitações cardíacas, intoxicação e abstinência de cafeína em pessoas jovens.

E mesmo os adolescentes que usam bebidas energéticas para estudar, as mega-doses de cafeína a longo prazo não fazem bem para o cérebro.

As bebidas energéticas podem aumentar a excitação, mas não melhoram outras tarefas cognitivas. E, ao contrário da crença popular, eles não ajudam crianças com transtorno de déficit de atenção.

Infelizmente, as bebidas energéticas são comercializadas principalmente para adolescentes, especialmente nas mídias sociais. É importante educar melhor as crianças e as escolas sobre seus perigos.

Qual a alternativa?

Quando o cansaço bater, procure beber um café com leite, de preferencia leite de soja ou desnatado (não mais que 2-3 xícaras por dia).

A fadiga também pode ser combatida com bebidas energizantes, como gatorades, sucos de frutas e bastante água, para evitar a fadiga da desidratação.

O consumo de carboidratos, refeições não muito espaçadas e uma boa noite de sono, também podem ajudar a trazer a energia de volta.

Para mais informações procure o seu médico.

 

 

FONTE:CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 15:02

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabia que Doenças Cardíacas podem Causar Acidente Vascular Cerebral?

O acidente vascular cerebral está intimamente associado com a doença cardíaca. Pacientes diagnosticados com cardiopatias não devem ignorar ou adiar o tratamento. As consequências para a saúde podem ser grandes, sendo uma das mais graves o derrame.

Tipos de doenças cardíacas associadas ao acidente vascular cerebral:

Como a doença cardíaca causa um derrame? Existem diferentes tipos de doenças cardíacas associadas ao AVC devido à estreita interação entre o coração e o fluxo sanguíneo para o cérebro.

Anormalidades do Ritmo Cardíaco (Arritmia):

Um coração saudável bate regularmente e de forma constante. Cada batimento cardíaco bombeia o sangue de forma confiável por todo o corpo cerca de 60 a 100 vezes por minuto.

Existe um tipo de doença cardíaca caracterizada por um batimento cardíaco irregular, chamada de arritmia. Quando o coração bombeia o sangue irregularmente, isso pode levar a uma série de eventos que podem causar um derrame.

O tipo mais comum de arritmia é chamada de fibrilação atrial, e é causada por um disparo elétrico anormal no coração devido a um mau funcionamento do marcapasso natural do mesmo, que está localizado em um compartimento chamado átrio direito.

A fibrilação ventricular é outra das arritmias cardíacas comumente identificadas e também é caracterizada por um disparo elétrico errático do coração.

Arritmias contribuem para o derrame porque quando o coração bate irregularmente, o sangue não flui tão uniformemente quanto deveria. Parte do sangue pode estagnar, em vez de fluir com eficiência. Esta estagnação do fluxo sanguíneo, que é chamada de estase, dura apenas milissegundos, mas suficiente para o sangue formar coágulos.

As arritmias são tipicamente descobertas durante um exame médico de rotina. Quando seu médico ouve seu coração com um estetoscópio, ele está ouvindo o ritmo e, portanto, pode detectar se o seu coração bate com um ritmo regular ou irregular. Testes adicionais como eletrocardiograma (ECG), ecocardiograma, teste de esforço ou Holter podem ser necessários para melhor identificar o padrão e a causa do problema do ritmo.

A maioria das arritmias é tratável com medicação ou cirurgia. O uso de anticoagulantes prescritos pelo médico podem ajudar a prevenir um derrame. Cirurgia ou medicação para arritmia em conjunto com anticoagulantes é um dos tratamentos mais utilizados.

Insuficiência Cardíaca:

Insuficiência cardíaca e insuficiência cardíaca congestiva são os termos comumente usados ​​para descrever o coração quando está fraco e funcionando ineficientemente. Pacientes com essa condição têm cerca de 2 a 3 vezes mais chances de sofrer um derrame do que as pessoas que não apresentam a doença.

Os sintomas da insuficiência cardíaca são muitos, incluindo fadiga, baixa energia e falta de ar. Esses sintomas são conseqüências do fornecimento ineficiente de sangue ao organismo devido à fraqueza do músculo cardíaco. Às vezes, as pessoas que sofrem dessa condição têm um batimento cardíaco rápido, que é a tentativa do coração de compensar a fraca ação de bombeamento do músculo.

A explicação para a associação entre insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral é complexa e relacionada a vários fatores. Uma das formas pelas quais a insuficiência cardíaca contribui para o AVC é através da resposta fisiológica do corpo ao suprimento insuficiente de oxigênio e ao trabalho compensatório do coração. O corpo tenta compensar esses problemas liberando uma série de hormônios que tornam o sangue mais propenso a coagular, o que causa derrames.
A insuficiência cardíaca também pode levar a uma freqüência cardíaca irregular, que pode levar o coração a formar coágulos sanguíneos que podem viajar para para o cérebro, interrompendo o suprimento de sangue no mesmo e causando um derrame. E ainda outra razão para o aumento do risco de acidente vascular cerebral associado à insuficiência cardíaca é que os mesmos processos biológicos que causam insuficiência cardíaca também causam doença dos vasos sanguíneos, o que leva à formação de coágulos sanguíneos e derrames.

Doença Cardíaca Valvular:

Válvulas cardíacas são estruturas pequenas que estão localizadas nas câmaras e nos vasos sanguíneos do coração. Essas válvulas servem para manter a direção correta do fluxo sanguíneo à medida que viajam pelo coração e fora dele.

Válvulas cardíacas defeituosas podem levar a várias conseqüências sérias. O sangue pode vazar ou “refluir” na direção errada, resultando em coágulos sanguíneos devido à estase. Sangue, colesterol e outros materiais podem grudar e formar pequenos crescimentos nas válvulas. Esses crescimentos podem se romper e, finalmente, viajar para o cérebro, bloqueando pequenos vasos sanguíneos no mesmo, interrompendo o fluxo sanguíneo e causando derrames isquêmicos. Válvulas cardíacas podem até ser infectadas, enviando detritos e material “pegajoso” que pode bloquear os vasos sanguíneos do cérebro.

Os defeitos da válvula cardíaca são caracterizados por sons cardíacos anormais e distintos, geralmente diagnosticados em consulta médica com utilização de estetoscópio. Um exame mais aprofundado com testes diagnósticos, como um ecocardiograma, pode identificar melhor o tipo específico de defeito da válvula cardíaca e ajudar a construir um plano de reparo valvular, que pode incluir medicação ou cirurgia.

Ataque Cardíaco:

Um ataque cardíaco, também chamado de infarto do miocárdio (morte do músculo cardíaco devido à falta de suprimento de sangue), é geralmente um evento doloroso caracterizado por falta de ar e pressão torácica. Os danos causados no coração podem resultar em mau funcionamento da região afetada.

– Se o ataque cardíaco fere uma das áreas do coração que controla o ritmo cardíaco, pode ocorrer uma arritmia.
– Se o ataque cardíaco danificar o músculo cardíaco, o movimento fraco do músculo pode resultar em insuficiência cardíaca.
– Em um grande ataque cardíaco grave, pode haver falta de suprimento sanguíneo adequado para o cérebro no momento do ataque cardíaco. Assim, uma pessoa pode experimentar um derrame cerebral ao mesmo tempo que um ataque cardíaco.

O risco de AVC a longo prazo após um ataque cardíaco é um dos efeitos adversos bem conhecidos desta condição. É por isso que um dos aspectos importantes dos cuidados pós-ataque cardíaco inclui a abordagem da prevenção do AVC, que inclui manter o nível de colesterol saudável e a pressão arterial na faixa recomendada.

Infecção e Inflamação Cardíaca: 

No geral, infecções cardíacas e doenças inflamatórias do coração não são tão comuns. Infecções cardíacas aumentam as chances de um acidente vascular cerebral isquêmico ou um acidente vascular cerebral hemorrágico. A endocardite é um tipo de inflamação ou infecção do tecido cardíaco e pode estar relacionada a fatores de risco, como válvulas cardíacas artificiais. A Doença valvular, como doença cardíaca reumática, é outro fator de risco para endocardite infecciosa. O manejo da endocardite requer cuidados muito próximos, e a intervenção cirúrgica pode ser necessária.

Cardiopatias Congênitas:

Uma série de defeitos cardíacos congênitos está associada a um maior risco de derrame. Há uma variedade de defeitos cardíacos congênitos, incluindo defeitos da válvula do coração e malformações na estrutura dos vasos sanguíneos do coração. O defeito cardíaco congênito mais comum é uma abertura ou um “buraco” no septo, que é a estrutura que separa os compartimentos chamados de câmaras do coração.

Se você tem um defeito cardíaco congênito, é provável que seu pediatra tenha detectado quando você era criança ou um adulto jovem. Visitas regulares ao cardiologista são necessárias.

Sintomas:

Os sinais de doença cardíaca variam dependendo da condição específica do coração. Algumas condições cardíacas produzem uma sensação de fadiga, enquanto outras produzem palpitações, tontura e exaustão em associação com o esforço físico.

Embora algumas doenças cardíacas não causem nenhum sintoma, particularmente se forem leves ou ainda no estágio inicial, seus exames físicos de rotina são projetados para ajudar a detecta-las.

Conclusão:

A doença cardíaca não é incomum, mas isso não significa que você não deva levar a sério. Se você tiver algum sintoma, vá ao médico.

O tratamento médico de doenças cardíacas já evoluiu muito e a grande maioria dos problemas pode ser administrada para evitar consequências como o derrame.

Consultas médicas e exames de rotina são a melhor maneira de garantir que os problemas de saúde sejam detectados precocemente antes que eles causem problemas significativos.

Para mais informações fale com o seu médico.

FONTE:VERYWELLHEALTH.

Postado por joaoflavio às 12:32

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabe o que é a Síndrome do Túnel do Carpo?

A síndrome do túnel do carpo é uma condição comum na mão que pode acontecer quando o nervo mediano, que vai da parte superior do braço até os dedos, é comprimido.

Essa compressão pode ocorrer quando uma passagem através do pulso, chamada de túnel do carpo, se estreita ou quando os tecidos ao redor dos tendões que passam pelo túnel do carpo ficam inchados.

Pode levar a dor, fraqueza, dormência ou formigamento nas mãos e nos dedos.

Sintomas:

No início, os sintomas da síndrome do túnel do carpo tendem a ser sutis. A dor e outras sensações começam gradualmente e geralmente pioram com o tempo. Na maioria das vezes os sintomas do túnel do carpo iniciam sem qualquer lesão óbvia.

Os sintomas comuns da síndrome do túnel do carpo incluem:

– Dormência ou formigamento. Um dos principais sintomas da síndrome do túnel do carpo é dormência ou formigamento nos dedos e na mão. Isso normalmente ocorre nos dedos polegar, indicador, médio e anelar. Algumas pessoas também podem sentir dormência e formigamento no pulso e antebraço.

– Dor. Além da dormência ou formigamento, você também pode sentir sensações dolorosas semelhantes a choque (surda). A dor pode ficar apenas no pulso, ou pode irradiar para os dedos.

– Fraqueza e dificuldade motora. Os pacientes com síndrome do túnel do carpo apresentam fraqueza ou dificuldade motora ao usar as mãos. Isso pode causar problemas ao segurar objetos, girar maçanetas, abotoar roupas ou abrir tampas.

Os sintomas da síndrome do túnel do carpo geralmente ocorrem durante uma atividade a qual o pulso permaneça na mesma posição por um longo período de tempo. Essas atividades incluem ações como segurar um volante, telefone ou jornal.

Esses sintomas geralmente pioram à noite. Isso é porque muitas pessoas dormem com os pulsos dobrados. Muitos relatam ser acordados por dor ou dormência.

Algumas pessoas acham que sacudir ou torcer as mãos ou colocá-las sob água morna ajuda a aliviar os sintomas.

Consulte o seu médico se você acha que tem sintomas da síndrome do túnel do carpo. O tratamento precoce é importante, e sem ele, danos permanentes ao nervo podem ocorrer.

Diagnóstico:

Seu médico irá fazer um exame físico, analisar o histórico médico e sugerir exames de diagnóstico por imagem para saber se você tem síndrome do túnel do carpo.

O histórico médico pode ajudar a descartar condições relacionadas, ou outros problemas médicos que possam estar causando dor no pulso e nas mãos.

No exame físico, o médico examinará as mãos, pulsos, braços, ombros e pescoço. O exame incluirá vários testes físicos para procurar quaisquer sinais de danos nos nervos.

Os exames de diagnóstico por imagem podem incluir testes eletrodiagnósticos (avaliação da função do nervo), raios-x (analise da estrutura óssea), ultra-som (exame do nervo mediano) e ressonância magnética (descartar outras condições).

Condições relacionadas:

Alguns distúrbios relacionados podem causar sintomas semelhantes aos do túnel do carpo. Estes geralmente envolvem um nervo comprimido em outro lugar no braço ou no pescoço.

Algumas condições relacionadas incluem:

– Radiculopatia cervical. Isso acontece quando um nervo no pescoço fica comprimido ou irritado pelas vértebras cervicais, podendo causar formigamento ou perda de sensibilidade na mão e dedos e fraqueza no braço.

– Síndrome do Desfiladeiro Torácico. Nessa condição, um nervo ou vaso sanguíneo fica preso na área onde o pescoço encontra a clavícula. Pode causar sensações de “alfinetes e agulhas” ou dormência e formigamento na parte superior do braço, antebraço ou mão.

– Síndrome do pronador redondo. O nervo mediano se torna mais comprimido no braço, próximo ao cotovelo, apresentando sintomas muito similares a síndrome do túnel de carpo. Geralmente há alguma dor ou sensibilidade ao pressionar a parte inferior do antebraço perto do cotovelo.

Causas:

A síndrome do túnel do carpo é frequentemente o resultado de uma combinação de fatores que aumentam a pressão no nervo mediano e nos tendões do túnel do carpo, em vez de um problema com o próprio nervo. Muito provavelmente, o distúrbio é devido a uma predisposição congênita (o túnel do carpo é simplesmente menor em algumas pessoas do que em outras).

Outros fatores contribuintes:

– Trauma ou lesão no pulso que causa inchaço, como entorse ou fratura.

– Hiperatividade da glândula pituitária.

– Hipotireoidismo.

– Artrite reumatoide.

– Problemas mecânicos na articulação do pulso.

– Estresse no trabalho.

– Uso repetido de ferramentas manuais vibratórias.

– Retenção de líquidos durante a gravidez ou menopausa.

– Desenvolvimento de um cisto ou tumor no canal.

Em alguns casos, nenhuma causa da síndrome pode ser identificada.

Quem está em risco:

As mulheres são três vezes mais propensas que os homens a desenvolver a síndrome do túnel do carpo, talvez porque o próprio túnel do carpo possa ser menor nas mulheres do que nos homens.

– A mão dominante é geralmente afetada primeiro e produz a dor mais severa.

– A síndrome do túnel do carpo geralmente ocorre apenas em adultos.

Pessoas com diabetes ou outros distúrbios metabólicos que afetam diretamente os nervos do corpo e os tornam mais suscetíveis à compressão também estão em risco.

Tratamento:

O tratamento deve começar o mais cedo possível, sob a orientação de um médico. As causas subjacentes da síndrome do túnel do carpo devem ser tratadas primeiro, como diabetes e artrites.

O tratamento inicial geralmente envolve o repouso da mão e do pulso afetados por pelo menos 2 semanas, evitando atividades que possam piorar os sintomas e imobilizando o punho em uma tala para evitar mais danos por torção ou flexão. Se houver inflamação, aplicar compressas frias para reduzir o inchaço.

A acupuntura e a quiropraxia beneficiaram alguns pacientes, mas a eficácia ainda não foi comprovada. Uma exceção é a ioga, que demonstrou reduzir a dor e melhorar a força.

Em alguns casos, vários medicamentos podem aliviar a dor e o inchaço associados à síndrome do túnel do carpo.Sintomas que estiveram presentes por um curto período de tempo ou foram causados por atividade extenuante podem ser aliviados por remédios anti-inflamatórios não-esteroides.

Exercícios de alongamento e fortalecimento podem ser úteis para alguns pacientes.

O tratamento cirúrgico é mais indicado para casos severos e crônicos, incluindo: Liberação do túnel do carpo, cirurgia de liberação aberta e cirurgia endoscópica.

Se previna fazendo exercícios e alongando o braço, pulso e mãos. É também muito importante, manter o braço (pulso) em posição confortável e ergonômica durante o trabalho e ao dormir.

Preste atenção nos sintomas.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

 

FONTE:VERYWELLHEALTH.

Postado por joaoflavio às 15:08

Compartilhe:

Nenhum comentário