publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabe o que é a Síndrome do Túnel do Carpo?

A síndrome do túnel do carpo é uma condição comum na mão que pode acontecer quando o nervo mediano, que vai da parte superior do braço até os dedos, é comprimido.

Essa compressão pode ocorrer quando uma passagem através do pulso, chamada de túnel do carpo, se estreita ou quando os tecidos ao redor dos tendões que passam pelo túnel do carpo ficam inchados.

Pode levar a dor, fraqueza, dormência ou formigamento nas mãos e nos dedos.

Sintomas:

No início, os sintomas da síndrome do túnel do carpo tendem a ser sutis. A dor e outras sensações começam gradualmente e geralmente pioram com o tempo. Na maioria das vezes os sintomas do túnel do carpo iniciam sem qualquer lesão óbvia.

Os sintomas comuns da síndrome do túnel do carpo incluem:

– Dormência ou formigamento. Um dos principais sintomas da síndrome do túnel do carpo é dormência ou formigamento nos dedos e na mão. Isso normalmente ocorre nos dedos polegar, indicador, médio e anelar. Algumas pessoas também podem sentir dormência e formigamento no pulso e antebraço.

– Dor. Além da dormência ou formigamento, você também pode sentir sensações dolorosas semelhantes a choque (surda). A dor pode ficar apenas no pulso, ou pode irradiar para os dedos.

– Fraqueza e dificuldade motora. Os pacientes com síndrome do túnel do carpo apresentam fraqueza ou dificuldade motora ao usar as mãos. Isso pode causar problemas ao segurar objetos, girar maçanetas, abotoar roupas ou abrir tampas.

Os sintomas da síndrome do túnel do carpo geralmente ocorrem durante uma atividade a qual o pulso permaneça na mesma posição por um longo período de tempo. Essas atividades incluem ações como segurar um volante, telefone ou jornal.

Esses sintomas geralmente pioram à noite. Isso é porque muitas pessoas dormem com os pulsos dobrados. Muitos relatam ser acordados por dor ou dormência.

Algumas pessoas acham que sacudir ou torcer as mãos ou colocá-las sob água morna ajuda a aliviar os sintomas.

Consulte o seu médico se você acha que tem sintomas da síndrome do túnel do carpo. O tratamento precoce é importante, e sem ele, danos permanentes ao nervo podem ocorrer.

Diagnóstico:

Seu médico irá fazer um exame físico, analisar o histórico médico e sugerir exames de diagnóstico por imagem para saber se você tem síndrome do túnel do carpo.

O histórico médico pode ajudar a descartar condições relacionadas, ou outros problemas médicos que possam estar causando dor no pulso e nas mãos.

No exame físico, o médico examinará as mãos, pulsos, braços, ombros e pescoço. O exame incluirá vários testes físicos para procurar quaisquer sinais de danos nos nervos.

Os exames de diagnóstico por imagem podem incluir testes eletrodiagnósticos (avaliação da função do nervo), raios-x (analise da estrutura óssea), ultra-som (exame do nervo mediano) e ressonância magnética (descartar outras condições).

Condições relacionadas:

Alguns distúrbios relacionados podem causar sintomas semelhantes aos do túnel do carpo. Estes geralmente envolvem um nervo comprimido em outro lugar no braço ou no pescoço.

Algumas condições relacionadas incluem:

– Radiculopatia cervical. Isso acontece quando um nervo no pescoço fica comprimido ou irritado pelas vértebras cervicais, podendo causar formigamento ou perda de sensibilidade na mão e dedos e fraqueza no braço.

– Síndrome do Desfiladeiro Torácico. Nessa condição, um nervo ou vaso sanguíneo fica preso na área onde o pescoço encontra a clavícula. Pode causar sensações de “alfinetes e agulhas” ou dormência e formigamento na parte superior do braço, antebraço ou mão.

– Síndrome do pronador redondo. O nervo mediano se torna mais comprimido no braço, próximo ao cotovelo, apresentando sintomas muito similares a síndrome do túnel de carpo. Geralmente há alguma dor ou sensibilidade ao pressionar a parte inferior do antebraço perto do cotovelo.

Causas:

A síndrome do túnel do carpo é frequentemente o resultado de uma combinação de fatores que aumentam a pressão no nervo mediano e nos tendões do túnel do carpo, em vez de um problema com o próprio nervo. Muito provavelmente, o distúrbio é devido a uma predisposição congênita (o túnel do carpo é simplesmente menor em algumas pessoas do que em outras).

Outros fatores contribuintes:

– Trauma ou lesão no pulso que causa inchaço, como entorse ou fratura.

– Hiperatividade da glândula pituitária.

– Hipotireoidismo.

– Artrite reumatoide.

– Problemas mecânicos na articulação do pulso.

– Estresse no trabalho.

– Uso repetido de ferramentas manuais vibratórias.

– Retenção de líquidos durante a gravidez ou menopausa.

– Desenvolvimento de um cisto ou tumor no canal.

Em alguns casos, nenhuma causa da síndrome pode ser identificada.

Quem está em risco:

As mulheres são três vezes mais propensas que os homens a desenvolver a síndrome do túnel do carpo, talvez porque o próprio túnel do carpo possa ser menor nas mulheres do que nos homens.

– A mão dominante é geralmente afetada primeiro e produz a dor mais severa.

– A síndrome do túnel do carpo geralmente ocorre apenas em adultos.

Pessoas com diabetes ou outros distúrbios metabólicos que afetam diretamente os nervos do corpo e os tornam mais suscetíveis à compressão também estão em risco.

Tratamento:

O tratamento deve começar o mais cedo possível, sob a orientação de um médico. As causas subjacentes da síndrome do túnel do carpo devem ser tratadas primeiro, como diabetes e artrites.

O tratamento inicial geralmente envolve o repouso da mão e do pulso afetados por pelo menos 2 semanas, evitando atividades que possam piorar os sintomas e imobilizando o punho em uma tala para evitar mais danos por torção ou flexão. Se houver inflamação, aplicar compressas frias para reduzir o inchaço.

A acupuntura e a quiropraxia beneficiaram alguns pacientes, mas a eficácia ainda não foi comprovada. Uma exceção é a ioga, que demonstrou reduzir a dor e melhorar a força.

Em alguns casos, vários medicamentos podem aliviar a dor e o inchaço associados à síndrome do túnel do carpo.Sintomas que estiveram presentes por um curto período de tempo ou foram causados por atividade extenuante podem ser aliviados por remédios anti-inflamatórios não-esteroides.

Exercícios de alongamento e fortalecimento podem ser úteis para alguns pacientes.

O tratamento cirúrgico é mais indicado para casos severos e crônicos, incluindo: Liberação do túnel do carpo, cirurgia de liberação aberta e cirurgia endoscópica.

Se previna fazendo exercícios e alongando o braço, pulso e mãos. É também muito importante, manter o braço (pulso) em posição confortável e ergonômica durante o trabalho e ao dormir.

Preste atenção nos sintomas.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

 

FONTE:VERYWELLHEALTH.

Postado por joaoflavio às 15:08

Compartilhe:

Nenhum comentário

Os Incríveis Benefícios de se Cortar o Açúcar:

O açúcar tem uma reputação agridoce quando se trata de saúde. Ele é achado naturalmente em todos os alimentos que contêm carboidratos, como frutas e legumes, grãos e laticínios.

Consumir alimentos integrais que contenham açúcar natural é bom. Os alimentos vegetais também têm quantidades elevadas de fibras, minerais essenciais, antioxidantes, e os alimentos lácteos contêm proteínas e cálcio.

Uma alta ingestão de frutas, verduras e grãos integrais também demonstrou reduzir o risco de doenças crônicas, como diabetes, doenças cardíacas e alguns tipos de câncer.

No entanto, os problemas começam a aparecer quando se consome muito açúcar adicionado, ou seja, o açúcar que os fabricantes de alimentos adicionam aos produtos para aumentar o sabor ou prolongar a vida útil.

Quando cortamos ou diminuímos o açúcar adicionado de nossas dietas, coisas incríveis acontecem com nosso corpo.

Pele:

Estudos sugerem que altos níveis de açúcar no sangue estabelecem um efeito de dominó molecular chamado glicação (processo que pode dificultar a reparação do colágeno da pele). Felizmente, a pesquisa sugere que reduzir sua ingestão de açúcar pode ajudar a diminuir a flacidez e outros sinais visíveis de envelhecimento.

Energia:

Os açúcares adicionados são carboidratos simples. Isso significa que eles são digeridos e entram na corrente sanguínea rapidamente, proporcionando aquela euforia familiar. Mas uma vez que essa dose de açúcar é metabolizada, a energia acaba e a sensação não é nada boa. O açúcar pode estar escondido em diversos alimentos, como no molho da salada ou no condimento do churrasco.

Gordura abdominal:

As comidas açucaradas aumentam o açúcar no sangue, provocando uma enxurrada de insulina através do corpo, o que com o tempo estimula a acumulação de gordura abdominal. Conhecida como gordura visceral, essas células gordurosas no abdômen são do tipo mais perigoso porque geram adipocinas e hormônios adiposos (causadores de problemas químicos que viajam pelos órgãos e vasos sanguíneos, onde provocam inflamação que pode contribuir para doenças cardíacas e câncer).

Portanto, quando se corta refrigerantes e sobremesas, a barriga diminui.

Peso:

Níveis elevados de insulina não apenas adicionam quilos ao seu estômago, eles colocam células de gordura em todo o corpo, armazenando calorias. A substituição de carboidratos refinados e alimentos açucarados na dieta por gorduras saudáveis ​​ajuda a manter a taxa de insulina estável (diminuindo as calorias armazenadas).

Ao evitar o açúcar, a fome diminui, o metabolismo acelera e você pode perder peso com menos esforço.

Diabetes:

Quando se come menos açúcar, os riscos de diabetes diminuem com o peso. Os riscos da doença também são reduzidos, devido ao fato de quando ingerimos açúcar, nosso pâncreas libera insulina. Uma demanda excessiva do pâncreas pode sobrecarregar as células produtoras de insulina, levando-as a um mau funcionamento e diabetes.

Coração:

Pesquisas sugerem que o açúcar adicionado pode causar danos reais ao sistema cardiovascular. Um estudo de 2014 revelou que pessoas que consumiram 17% a 21% de suas calorias diárias com um doce, tinham um risco 38% maior de morrer de doenças cardíacas em comparação àquelas que mantinham sua ingestão de açúcar a 8% de suas calorias diárias.

Sono:

Uma alta ingestão de açúcar atrasa a liberação de melatonina no cérebro, o que é essencial para o controle homeostático do sono. E a falta de sono, por sua vez, pode aumentar sua necessidade de comer mais açúcar, continuando o ciclo.

Pesquisas mostram que o sono ruim pode levar a um balanço de glicose no sangue que estimula o desejo de consumir mais açúcar.

Desejos:

Quando os níveis de insulina no organismo diminuem após ingestão de um alimento açucarado, nosso corpo pede por mais açúcar. Isso vira um ciclo vicioso.

Ao evitar o açúcar, o corpo equilibra as taxas de insulina e os desejos por açúcar desaparecem.

Estomago:

Quanto substituímos o açúcar adicionado por alimentos ricos em fibras, como frutas, legumes, nozes, sementes e cereais integrais, estamos melhorando a saúde do nosso estomago.

Dessa forma, a microbiota saudável no intestino aumenta, ajudando a remoção de toxinas indesejadas e melhorando o trânsito e frequências estomacais.

Saúde mental:

Segundo pesquisas recentes, existe uma ligação entre a alta ingestão de açúcar e o aumento do risco de depressão, ansiedade e outros problemas de saúde mental.

A liberação de adrenalina e insulina causada pela ingestão de açúcar, pode aumentar a ansiedade.

É importante notar que mudar sua dieta não necessariamente irá curar a ansiedade, mas pode ajudar a reduzir alguns dos sintomas associados a ela.

Humor:

O açúcar suprimi o hormônio BDNF (fator neurotrófico derivado do cérebro), o qual é necessário para produção de novos neurônios. Existe uma ligação entre mau humor e baixos níveis de BDNF, portanto, a supressão do açúcar pode melhorar ainda mais o humor e a depressão.

Cortar açúcar significa que seus níveis de BDNF voltarão ao normal e seu humor pode melhorar como resultado.

Fígado:

O consumo excessivo de açúcar (particularmente na forma de frutose) e bebidas adoçadas com açúcar está fortemente ligado à doença hepática gordurosa não alcoólica. O excesso de frutose não pode ser metabolizado pelo fígado sem glicose, então a frutose é armazenada ao redor do fígado.

Limitar sua ingestão de açúcar ajudará a reduzir os riscos de doença hepática gordurosa não alcoólica.

É muito importante se prevenir e evitar, sempre que possível, a alta ingestão de açúcar adicionado.

Para mas informações fale com o seu médico.

 

 

 

FONTE: COSMOPOLITAN/HEALTH.COM/HEALTH.HARVARD.EDU.

Postado por joaoflavio às 10:30

Compartilhe:

Nenhum comentário