publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Você sabia que Doenças Cardíacas podem Causar Acidente Vascular Cerebral?

O acidente vascular cerebral está intimamente associado com a doença cardíaca. Pacientes diagnosticados com cardiopatias não devem ignorar ou adiar o tratamento. As consequências para a saúde podem ser grandes, sendo uma das mais graves o derrame.

Tipos de doenças cardíacas associadas ao acidente vascular cerebral:

Como a doença cardíaca causa um derrame? Existem diferentes tipos de doenças cardíacas associadas ao AVC devido à estreita interação entre o coração e o fluxo sanguíneo para o cérebro.

Anormalidades do Ritmo Cardíaco (Arritmia):

Um coração saudável bate regularmente e de forma constante. Cada batimento cardíaco bombeia o sangue de forma confiável por todo o corpo cerca de 60 a 100 vezes por minuto.

Existe um tipo de doença cardíaca caracterizada por um batimento cardíaco irregular, chamada de arritmia. Quando o coração bombeia o sangue irregularmente, isso pode levar a uma série de eventos que podem causar um derrame.

O tipo mais comum de arritmia é chamada de fibrilação atrial, e é causada por um disparo elétrico anormal no coração devido a um mau funcionamento do marcapasso natural do mesmo, que está localizado em um compartimento chamado átrio direito.

A fibrilação ventricular é outra das arritmias cardíacas comumente identificadas e também é caracterizada por um disparo elétrico errático do coração.

Arritmias contribuem para o derrame porque quando o coração bate irregularmente, o sangue não flui tão uniformemente quanto deveria. Parte do sangue pode estagnar, em vez de fluir com eficiência. Esta estagnação do fluxo sanguíneo, que é chamada de estase, dura apenas milissegundos, mas suficiente para o sangue formar coágulos.

As arritmias são tipicamente descobertas durante um exame médico de rotina. Quando seu médico ouve seu coração com um estetoscópio, ele está ouvindo o ritmo e, portanto, pode detectar se o seu coração bate com um ritmo regular ou irregular. Testes adicionais como eletrocardiograma (ECG), ecocardiograma, teste de esforço ou Holter podem ser necessários para melhor identificar o padrão e a causa do problema do ritmo.

A maioria das arritmias é tratável com medicação ou cirurgia. O uso de anticoagulantes prescritos pelo médico podem ajudar a prevenir um derrame. Cirurgia ou medicação para arritmia em conjunto com anticoagulantes é um dos tratamentos mais utilizados.

Insuficiência Cardíaca:

Insuficiência cardíaca e insuficiência cardíaca congestiva são os termos comumente usados ​​para descrever o coração quando está fraco e funcionando ineficientemente. Pacientes com essa condição têm cerca de 2 a 3 vezes mais chances de sofrer um derrame do que as pessoas que não apresentam a doença.

Os sintomas da insuficiência cardíaca são muitos, incluindo fadiga, baixa energia e falta de ar. Esses sintomas são conseqüências do fornecimento ineficiente de sangue ao organismo devido à fraqueza do músculo cardíaco. Às vezes, as pessoas que sofrem dessa condição têm um batimento cardíaco rápido, que é a tentativa do coração de compensar a fraca ação de bombeamento do músculo.

A explicação para a associação entre insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral é complexa e relacionada a vários fatores. Uma das formas pelas quais a insuficiência cardíaca contribui para o AVC é através da resposta fisiológica do corpo ao suprimento insuficiente de oxigênio e ao trabalho compensatório do coração. O corpo tenta compensar esses problemas liberando uma série de hormônios que tornam o sangue mais propenso a coagular, o que causa derrames.
A insuficiência cardíaca também pode levar a uma freqüência cardíaca irregular, que pode levar o coração a formar coágulos sanguíneos que podem viajar para para o cérebro, interrompendo o suprimento de sangue no mesmo e causando um derrame. E ainda outra razão para o aumento do risco de acidente vascular cerebral associado à insuficiência cardíaca é que os mesmos processos biológicos que causam insuficiência cardíaca também causam doença dos vasos sanguíneos, o que leva à formação de coágulos sanguíneos e derrames.

Doença Cardíaca Valvular:

Válvulas cardíacas são estruturas pequenas que estão localizadas nas câmaras e nos vasos sanguíneos do coração. Essas válvulas servem para manter a direção correta do fluxo sanguíneo à medida que viajam pelo coração e fora dele.

Válvulas cardíacas defeituosas podem levar a várias conseqüências sérias. O sangue pode vazar ou “refluir” na direção errada, resultando em coágulos sanguíneos devido à estase. Sangue, colesterol e outros materiais podem grudar e formar pequenos crescimentos nas válvulas. Esses crescimentos podem se romper e, finalmente, viajar para o cérebro, bloqueando pequenos vasos sanguíneos no mesmo, interrompendo o fluxo sanguíneo e causando derrames isquêmicos. Válvulas cardíacas podem até ser infectadas, enviando detritos e material “pegajoso” que pode bloquear os vasos sanguíneos do cérebro.

Os defeitos da válvula cardíaca são caracterizados por sons cardíacos anormais e distintos, geralmente diagnosticados em consulta médica com utilização de estetoscópio. Um exame mais aprofundado com testes diagnósticos, como um ecocardiograma, pode identificar melhor o tipo específico de defeito da válvula cardíaca e ajudar a construir um plano de reparo valvular, que pode incluir medicação ou cirurgia.

Ataque Cardíaco:

Um ataque cardíaco, também chamado de infarto do miocárdio (morte do músculo cardíaco devido à falta de suprimento de sangue), é geralmente um evento doloroso caracterizado por falta de ar e pressão torácica. Os danos causados no coração podem resultar em mau funcionamento da região afetada.

– Se o ataque cardíaco fere uma das áreas do coração que controla o ritmo cardíaco, pode ocorrer uma arritmia.
– Se o ataque cardíaco danificar o músculo cardíaco, o movimento fraco do músculo pode resultar em insuficiência cardíaca.
– Em um grande ataque cardíaco grave, pode haver falta de suprimento sanguíneo adequado para o cérebro no momento do ataque cardíaco. Assim, uma pessoa pode experimentar um derrame cerebral ao mesmo tempo que um ataque cardíaco.

O risco de AVC a longo prazo após um ataque cardíaco é um dos efeitos adversos bem conhecidos desta condição. É por isso que um dos aspectos importantes dos cuidados pós-ataque cardíaco inclui a abordagem da prevenção do AVC, que inclui manter o nível de colesterol saudável e a pressão arterial na faixa recomendada.

Infecção e Inflamação Cardíaca: 

No geral, infecções cardíacas e doenças inflamatórias do coração não são tão comuns. Infecções cardíacas aumentam as chances de um acidente vascular cerebral isquêmico ou um acidente vascular cerebral hemorrágico. A endocardite é um tipo de inflamação ou infecção do tecido cardíaco e pode estar relacionada a fatores de risco, como válvulas cardíacas artificiais. A Doença valvular, como doença cardíaca reumática, é outro fator de risco para endocardite infecciosa. O manejo da endocardite requer cuidados muito próximos, e a intervenção cirúrgica pode ser necessária.

Cardiopatias Congênitas:

Uma série de defeitos cardíacos congênitos está associada a um maior risco de derrame. Há uma variedade de defeitos cardíacos congênitos, incluindo defeitos da válvula do coração e malformações na estrutura dos vasos sanguíneos do coração. O defeito cardíaco congênito mais comum é uma abertura ou um “buraco” no septo, que é a estrutura que separa os compartimentos chamados de câmaras do coração.

Se você tem um defeito cardíaco congênito, é provável que seu pediatra tenha detectado quando você era criança ou um adulto jovem. Visitas regulares ao cardiologista são necessárias.

Sintomas:

Os sinais de doença cardíaca variam dependendo da condição específica do coração. Algumas condições cardíacas produzem uma sensação de fadiga, enquanto outras produzem palpitações, tontura e exaustão em associação com o esforço físico.

Embora algumas doenças cardíacas não causem nenhum sintoma, particularmente se forem leves ou ainda no estágio inicial, seus exames físicos de rotina são projetados para ajudar a detecta-las.

Conclusão:

A doença cardíaca não é incomum, mas isso não significa que você não deva levar a sério. Se você tiver algum sintoma, vá ao médico.

O tratamento médico de doenças cardíacas já evoluiu muito e a grande maioria dos problemas pode ser administrada para evitar consequências como o derrame.

Consultas médicas e exames de rotina são a melhor maneira de garantir que os problemas de saúde sejam detectados precocemente antes que eles causem problemas significativos.

Para mais informações fale com o seu médico.

FONTE:VERYWELLHEALTH.

Postado por joaoflavio às 12:32

Compartilhe:

Nenhum comentário