publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Se Previna do HPV com a Vacinação:

O papilomavírus humano (HPV) causa a maioria dos casos de câncer do colo do útero. Os profissionais de saúde podem ajudar a prevenir esse tipo de câncer recomendando a vacinação contra o HPV quando apropriado, examinando regularmente as mulheres em busca de câncer do colo do útero e acompanhando os resultados de exames anormais.

Cerca de 12% das mulheres em todo o mundo estão infectadas pelo papilomavírus humano (HPV) . A infecção persistente pelo HPV causa quase todos os casos de câncer do colo do útero e em alguns casos cancer anal, vaginal, peniano, e orofaríngeo. Estima-se que 13.000 casos de cancer do colo do útero serão diagnosticados este ano apenas nos Estados Unidos.

Até 70% dos casos de câncer do colo do útero relacionados ao HPV podem ser prevenidos com a vacinação e exames de rotina.

Várias mudanças foram feitas no cronograma de vacinação nos últimos anos e a própria vacina pode ser usada em adultos com até 45 anos de idade.

TIPOS DE VACINAS DE HPV:

A imunização contra o HPV pode prevenir até 70% dos casos de câncer do colo do útero devido ao HPV, bem como 90% das verrugas genitais. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou três vacinas contra o HPV:

– O Gardasil 9 tem como alvo tipos de HPV 6, 11, 16 e 18, juntamente com 31, 33, 45, 52, 58, os quais causam 90% dos casos de câncer do colo do útero e a maioria dos casos de verrugas genitais5 (tornando-se a vacina mais eficaz disponível).

– A vacina bivalente (Cervarix) teve como alvo apenas os HPV 16 e 18 e foi descontinuada nos Estados Unidos em 2016.

– A vacina quadrivalente contra o HPV (Gardasil) teve como alvo os HPV 16 e 18, assim como 6 e 11, que causam a maioria dos casos de verrugas genitais (Também descontinuada nos EUA).

O Comitê Consultivo em Práticas de Imunizações americano (ACIP) revisou seu cronograma de vacina contra o HPV em 2016, quando reduziu as doses necessárias de 3 para 2 para pacientes com menos de 15 anos e atendeu às necessidades de populações especiais de pacientes. No final de 2018, a FDA aprovou o uso da vacina em homens e mulheres até aos 45 anos.

No sexo feminino, o ACIP recomenda iniciar a vacinação contra o HPV aos 11 ou 12 anos, mas pode ser administrada já aos 9 anos. Um esquema de 2 doses é recomendado para a vacina 9 valente antes do 15º aniversário do paciente (a segunda dose é de 6 a 12 meses após o primeiro) . Para as mulheres que iniciam a vacinação contra o HPV entre os 15 e os 45 anos, é necessário um esquema de 3 doses (aos 0, 1 a 2 e 6 meses).

A mudança para um cronograma de 2 doses foi motivada por uma avaliação de meninas entre 9 e 13 anos, randomizadas para receber um esquema de 2 ou 3 doses. As respostas de anticorpos com um esquema de 2 doses não foram inferiores às de mulheres jovens (com idades entre 16 e 26 anos) que receberam todas as 3 doses. As taxas médias geométricas de títulos permaneceram não-inferiores durante o período de estudo de 36 meses.

No entanto, uma perda de não inferioridade foi observada para o HPV-18 em 24 meses e para o HPV-6 em 36 meses. Assim, mais estudos são necessários para entender a duração da proteção com um esquema de 2 doses. No entanto, diminuir o número de doses torna a opção mais conveniente e econômica para muitas famílias.

As recomendações são as mesmas para os homens, exceto por uma diferença notável: em homens de 21 a 26 anos, a vacinação não é recomendada rotineiramente pelo ACIP, mas é considerada uma recomendação de “uso permissivo”, ou seja, a vacina deve ser oferecida e as decisões sobre a administração devem ser tomadas após uma discussão individualizada com o paciente.

Crianças de ambos os sexos com histórico de abuso sexual devem receber sua primeira dose de vacina a partir dos 9 anos.

Os pacientes imunocomprometidos devem seguir o esquema de três doses, independentemente de seu sexo ou a idade em que a vacinação foi iniciada.

Para pacientes transgêneros e para homens homossexuais não previamente vacinados, a vacina de 3 doses deve ser dada aos 26 anos de idade (esta é uma recomendação de rotina, não permissiva).

DESAFIOS DA VACINAÇÃO:

Aconselhamento eficaz do paciente e da família é importante. Embora a primeira vacina contra o HPV tenha sido aprovada em 2006, apenas 34,9% dos adolescentes dos EUA estavam totalmente vacinados até 2015. Isso ocorreu em parte porque os provedores não a recomendavam, não a conheciam ou tinham preocupações sobre sua segurança; e em parte porque alguns pais recusaram.

O médico deve abordar todos os mitos relacionados à vacinação contra o HPV e garantir que pais e pacientes entendam que a vacina contra o HPV é segura e eficaz.

Estudos demonstraram que, com recomendações de alta qualidade (ou seja, o prestador de cuidados endossa fortemente a vacina contra o HPV, estimula a vacinação no mesmo dia e discute a prevenção do câncer), os pacientes têm 9 vezes mais chances de iniciar o esquema de vacinação contra o HPV e 3 vezes mais chances para seguir com doses subseqüentes.

Proporcionar boa educação familiar e ao paciente não requer necessariamente gastar mais tempo de aconselhamento. Um estudo recente mostrou que gastar menos tempo discutindo a vacina contra o HPV pode levar a uma melhor cobertura vacinal.

PREVENÇÃO SECUNDÁRIA: Exames de Imagem:

Desde a introdução do teste Papanicolau, as taxas de incidência de câncer cervical nos Estados Unidos diminuíram em mais de 60%. Como quase todo o câncer cervical é evitável com triagem adequada, todas as mulheres entre 21 e 65 anos devem ser examinadas.

Atualmente, existem 3 opções disponíveis para o rastreamento do câncer do colo do útero: o teste Papanicolau, o teste Pap-HPV e o teste de alto risco para o HPV. As duas últimas opções detectam genótipos de HPV de alto risco.

O teste Papanicolau é realizado a cada 3 anos para rastrear neoplasia cervical que pode indicar pré-malignidade.

O teste de Pap-HPV é realizado a cada 5 anos em mulheres com mais de 30 anos, com triagem normal anterior.

O teste de HPV de alto risco utiliza reação em cadeia da polimerase em tempo real para detectar HPV 16, HPV 18 e 12 outros genótipos de HPV.

Se o resultado do teste do HPV for positivo para genótipos de HPV 16 ou 18 de alto risco, a colposcopia imediata é indicada. As mulheres que testarem positivo para um dos outros 12 subtipos de alto risco precisarão passar por um teste de Papanicolaou para determinar o seguimento apropriado.

Todos os 3 métodos de exames de imagem de cancer do colo do útero proporcionam uma prevenção do mesmo altamente eficaz. O aspecto mais crítico da triagem é fazer com que todas as mulheres sejam examinadas, independentemente do método utilizado.

É importante lembrar que os intervalos de triagem são destinados a pacientes sem sintomas. Aqueles que têm novas preocupações, como sangramento, devem fazer um diagnóstico para avaliar seus sintomas.

O rastreio do cancer do colo do útero deve começar aos 21 anos, independentemente do estado vacinal do HPV ou da idade da iniciação sexual  e pode ser interrompido aos 65 anos para mulheres com resultados normais na década anterior (3 consecutivos negativos Papanicolau ou 2 resultados negativos consecutivos).

Para mulheres que tiveram uma histerectomia total e sem história de neoplasia cervical, o rastreamento deve ser interrompido imediatamente após o procedimento. No entanto, vários grupos de mulheres de alto risco precisarão de rastreamento contínuo após os 65 anos ou após uma histerectomia.

Para uma mulher com história de neoplasia intra-epitelial cervical de estágio 2 ou lesões de grau mais elevado, a triagem de rotina é continuada por mais 20 anos, mesmo se ela tiver mais de 65 anos. O teste de Papanicolau a cada 3 anos é aceitável, porque o papel do HPV o teste não é claro após a histerectomia.

Nos primeiros 2 a 3 anos após o tratamento de alterações displásicas de alto grau, o acompanhamento anual é feito pela equipe de oncologia ginecológica. Os profissionais que oferecem acompanhamento durante esse período de tempo devem manter contato com a equipe de oncologia para garantir atendimento adequado e individualizado. Essas recomendações são baseadas na opinião de especialistas, portanto variações na prática clínica podem ser vistas.

Mulheres infectadas com o vírus da imunodeficiência humana podem fazer o teste de Papanicolaou a cada 3 anos, após uma série de 3 resultados normais de Papanicolau.26 Mas a triagem não termina aos 65,23,26 anos. Para pacientes imunossuprimidos ou com histórico de exposição ao dietilestilbestrol , o rastreio deve ser feito anualmente indefinidamente.

Muitas doenças podem ser evitadas com a vacinação.

Se previna e previna os seus filhos!

Para mais informações converse com o seu médico.

FONTE:CLEVELANDCLINIC.

Postado por joaoflavio às 15:58

Compartilhe:

Nenhum comentário