publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Vamos nos Atualizar sobre o Vitiligo?

O que é o Vitiligo?

O vitiligo é uma alteração na pele mudando sua cor. Suaves tons esbranquiçados ou áreas totalmente brancas aparecem, podendo também afetar o cabelo.

Essa condição ocorre quando os melanócitos (células da pele que que produzem a melanina) são destruídos pelo sistema imunológico.

Como o Vitiligo se desenvolve?

O vitiligo geralmente começa com pequenas manchas brancas que gradualmente se espalham pelo corpo (Processo que dura diversos meses). A doença pode se desenvolver em qualquer parte do corpo, incluindo as membranas mucosas (boca, nariz, genitália e áreas retais), olhos e parte interna da orelha. Porém, na maioria dos casos começa nas mãos, antebraços e face.

Em alguns casos a parte afetada da pele pode recuperar a cor perdida.

O que causa o Vitiligo?

A causa do vitiligo ainda é desconhecida, todavia existem diversas teorias.

– Desordem autoimune. O sistema nervoso afetado pode destruir os melanócitos.

– Fator genético. Cerca de 30% dos casos de vitiligo são hereditários.

– Fatores neurológicos. O sistema neurológico pode liberar toxinas que são tóxicas para os melanócitos.

– Autodestruição. Um defeito nos melanócitos causa com que os mesmos se destruam.

O vitiligo também pode ser desencadeado por certos eventos, como estresse psicológico e emocional.

Que Problemas estão Associados com o Vitiligo?

Mesmo que o vitiligo apresente principalmente problemas estéticos, outras complicações podem ser sentidas.

– Devido a falta de melanócitos, as manchas brancas tem maior sensibilidade ao sol (essas áreas queimam ao invés de bronzear).

– Problemas na retina. Inflamação e até mudança de cor na retina (A visão não é afetada na maioria dos casos).

– Outras doenças autoimunes. Pessoas que tem vitiligo estão mais propensas à outras doenças autoimunes como diabetes, alopecia areata e hipertireoidismo.

Quais são os Tipos de Vitiligo?

O vitiligo pode ser segmentado ou generalizado. O primeiro ocorre em somente um lado ou área do corpo, enquanto o segundo se espalha por diversas partes do corpo. Outros subtipos incluem o vitiligo focal, de mucosas, segmentado, vulgar, misto, universal e acrofacial.

O Vitiligo é Comum?

O vitiligo afeta 1% da população mundial. Todas as raças e gêneros são vulneráveis à essa doença.

É mais comum entre as idades de 10 à 30 anos, sendo raro em pessoas muito jovens ou idosos.

Como o Vitiligo é diagnosticado?

As manchas brancas são facilmente diagnosticadas, no entanto o médico poderá usar uma lâmpada

UVB (de raios UV) para melhor análise da pele.

Como o Vitiligo é tratado?

Não existe cura para o vitiligo. O objetivo do tratamento é criar um tom de pele uniforme restaurando ou eliminando os pigmentos.

– Terapia de camuflagem:

. Uso de protetor solar para diminuição do contraste na pele.

. Maquiagem.

. Tingir o cabelo (se a doença atingir o cabelo).

. Despigmentação da pele para que a mesma fique igual as áreas afetadas.

– Terapia de repigmentação:

. Uso de corticosteroides.

. Vitamina D tópica.

. Imunomoduladores tópicos.

– Terapia com Luz:

. Luz ultravioleta.

. Laser.

O tratamento para o vitiligo também inclui cirurgia.

Perspectiva de Tratamento:

Cerca de 10% à 20% dos pacientes recuperam totalmente a cor da pele após o tratamento. As chances de sucesso do tratamento aumentam se:

– O paciente for jovem.

– A doença atingiu seu pico em menos de 6 meses.

– A doença se desenvolveu principalmente na cara.

O vitiligo pode causar estresse psicológico e afetar a confiança e convívio social. O acompanhamento psicológico também é indicado.

Para mais informações procure o seu médico.

 

 

 

 

Postado por joaoflavio às 15:40

Compartilhe:

Nenhum comentário

Novidades sobre a angioplastia: Estudo recente “Orbita” questiona esse procedimento:

A angioplastia coronária percutânea é um procedimento invasivo, o qual, é inserido um stent na artéria do paciente com o objetivo de facilitar a circulação do sangue na mesma. Esse procedimento também foca no alívio da dor da angina (dor na região torácica devido à dificuldade de circulação sanguínea).

O stent cardíaco é uma endoprótese expansível, em formato de tubo, que é colocada no interior de uma artéria para prevenir ou evitar a obstrução do fluxo sanguíneo.

Um novo estudo (Orbita) conduzido por pesquisadores da faculdade imperial de Londres sugere que o efeito placebo (efeito psicológico) nos pacientes que receberam a simulação de angioplastia coronária percutânea, é maior que o esperado.

O estudo Orbita simula o procedimento da angioplastia coronária percutânea sem que o stent seja implantado em um dos dois grupos, podendo assim compara-los.

O resultado dessa pesquisa conclui que o implante de um stent para o tratamento de dores torácicas não apresenta maiores vantagens comparado ao tratamento que é feito exclusivamente com medicamentos.

A doutora Rasha Al-Lamee, autora principal do estudo Orbita comentou: “A razão mais importante para a implantação de um stent no paciente é o desbloqueio arterial após um ataque cardíaco. Porém, também são utilizados stents em pacientes que sofrem somente de dor torácica devido ao estreitamento arterial. O estudo analisa esse segundo grupo”. A doutora ainda finaliza dizendo:” foi surpreendente descobrir que o tratamento com stent, mesmo melhorando o fluxo sanguíneo, não apresentou maiores melhorias dos sintomas do que os pacientes que fizeram o tratamento com remédios.”

O estudo não afirma que o implante do stent não deva ser feita por pacientes com angina. Somente sugere que os resultados dos tratamentos com stent e com medicação são similares.

A angina estável é comum em adultos e causa dores na região torácica. Essas dores acontecem devido à restrição do fluxo sanguíneo no coração. As placas de gordura nas artérias coronárias estreitam e endurecem as mesmas, diminuindo a flexibilidade arterial.

Essa condição pode ser administrada com medicamentos, porém algumas pessoas se submetem ao procedimento invasivo de implante do stent.

Cerca de 500.000 pacientes se submetem ao procedimento invasivo de implante do stent para o alívio dos sintomas da angina.  Porém ainda não se sabia com exatidão todos os benefícios do procedimento.

O estudo teve 200 participantes com angina estável, os quais, possuíam estreitamento em somente uma artéria. Após 6 semanas de medicamentos, um grupo foi escolhido para receber os implantes e o outro para o procedimento placebo (onde há uma simulação e o stent não é inserido).

Os pacientes fizeram testes de exercícios físicos antes e depois do procedimento de seis semanas, sendo calculadas as funções pulmonar e cardíaca. A diferença na quantidade de tempo em que os pacientes conseguiam se exercitar após o procedimento foi considerada como o resultado chave do estudo.

Os resultados apontaram que os pacientes que fizeram o implante do stent tiveram um aumento do tempo de exercício de 28.4 segundos em média, enquanto os pacientes do grupo placebo tiveram um aumento de 11.8 segundos.

O estudo então conclui, que estatisticamente a diferença entre os dois grupos não foi significativa. Os pesquisadores também não conseguiram achar outras vantagens marcantes no tratamento com stent.

Portanto, tudo aponta para uma mudança na percepção sobre o tratamento da angina. Levando em conta que o tratamento não invasivo é sempre mais indicado porque apresenta menos risco.

A alta dosagem de medicamentos antes do procedimento e o fato dos pacientes só possuírem uma artéria afetada foram limitadores do estudo, afirmam os pesquisadores.

O próximo passo do estudo será se aprofundar ainda mais no assunto.

Converse com o seu médico para mais informações.

Um bom final de semana!

 

FONTE:NEWMEDICALLIFESCIENCE/INFOESCOLA.

 

 

 

 

Postado por joaoflavio às 15:56

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você tem Sopro no Coração?

Durante o exame físico, o médico irá escutar o seu coração com um estetoscópio. Serão analisados os sons que as válvulas do coração emitem quando o sangue circula.

Normalmente o batimento cardíaco tem dois tipos de som (bulha), o primeiro som cardíaco (primeira bulha cardíaca) e o segundo som cardíaco (segunda bulha cardíaca). Esses sons são produzidos pelo fechamento das válvulas atrioventriculares e válvulas semilunares respectivamente.

O sopro no coração é um som sibilante, parecido com um assobio, que ocorre quando existe fluxo anormal de sangue na válvula cardíaca.

Causas:

A causa mais comum do sopro no coração é a doença cardiovascular.

– Estenose da válvula. Válvula estreita e endurecida que limita o fluxo do sangue na mesma.

– Regurgitação da válvula. Válvula que não se fecha completamente, permitindo o refluxo sanguíneo.

Mudanças anormais nas válvulas também podem causar o sopro no coração.

Outras causas:

– Cardiomiopatia hipertrófica.

– Defeito septal.

Causas Funcionais:

O sopro no coração também pode ser causado por um aumento do fluxo sanguíneo na válvula cardíaca relacionado à outras condições médicas.

– Anemia.

– Hipertireoidismo.

Sopro inocente:

O sopro inocente não está relacionado à nenhuma doença ou problema no coração. Não é prejudicial à saúde e pode surgir e sumir sem motivo aparente.

Situações que podem causar o sopro inocente:

– Febre.

– Atividade física.

– Nível baixo de glóbulos vermelhos.

– Fases de crescimento como a adolescência.

– Hipertireoidismo.

O sopro inocente é comum em crianças e grávidas.

Sopro Patológico:

A causa mais comum para sopros cardíacos patológicos em crianças é o nascimento acompanhado de problemas estruturais no coração.

Em adolescentes e adultos, o sopro geralmente se desenvolve devido à uma infecção ou condição que danificou a estrutura cardíaca.

É importante se fazer exames físicos regulares para a detecção de sons anormais no coração. Se o sopro for diagnosticado, mais exames serão necessários para que se determine quais válvulas estão envolvidas e a gravidade da situação.

Sintomas:

– Pele azulada, principalmente nas pontas dos dedos e lábio.

– Inchaço ou ganho súbito de peso.

– Falta de ar.

– Tosse crônica.

– Fígado dilatado.

– Veias do pescoço dilatadas.

– Falta de apetite.

– Problemas de crescimento.

– Suor excessivo.

– Dor no peito.

– Tonteiras.

– Desmaios.

Somente o sopro patológico apresenta sintomas.

Se você possui sopro cardíaco patológico:

– Informe a todos os seus médicos e dentista sobre sua condição.

– Ligue imediatamente para o seu médico se sintomas de infecção forem sentidos.

– Tome cuidado extra com a saúde e limpeza dos dentes e gengiva.

– Tome antibióticos antes de passar por qualquer procedimento que envolva sangramento.

A prevenção de infecção da válvula cardíaca é uma constante para quem possui o sopro patológico cardíaco.

Para mais informações procure o seu médico.

FONTE:CLEVELANDCLINIC/MAYOCLINIC.

Postado por joaoflavio às 14:46

Compartilhe:

Nenhum comentário