publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

10 maneiras Fáceis de Impulsionar o seu Metabolismo:

Metabolismo é o termo para todas as reações químicas em seu corpo. Essas reações mantêm seu corpo vivo e funcionando.

No entanto, a palavra metabolismo é frequentemente usada de forma intercambiável com a taxa metabólica ou com a quantidade de calorias que você queima. Quanto mais alta, mais calorias você queima e mais fácil é perder peso e mantê-lo.

Ter um metabolismo alto também pode lhe dar energia e fazer você se sentir melhor.

Aqui estão 10 maneiras fáceis e naturais de aumentar o seu metabolismo.

1. Coma Proteínas:

Comer pode aumentar o seu metabolismo por algumas horas. Isso é chamado de efeito térmico dos alimentos (ETA). É causada pelas calorias extras necessárias para digerir, absorver e processar os nutrientes da sua refeição.

A proteína causa o maior aumento no ETA. Aumenta a sua taxa metabólica em 15–30%, em comparação com 5–10% para os carboidratos e 0–3% para as gorduras.

A ingestão de proteína também pode ajudá-lo a se sentir mais cheio e evitar que se coma em excesso.

Um pequeno estudo descobriu que as pessoas provavelmente comeriam cerca de 441 calorias a menos por dia, quando as proteínas compunham 30% de sua dieta.

Comer mais proteína também pode reduzir a queda no metabolismo, muitas vezes associada à perda de gordura. Isso porque ajuda a evitar que você perca músculos, um efeito colateral comum da dieta.

Conclusão: 

Comer mais proteína pode aumentar o seu metabolismo para que você queime mais calorias. Também pode ajudá-lo a comer menos.

2. Beber mais água gelada:

Pessoas que bebem água em vez de bebidas açucaradas tem mais facilidade em perder peso e mantê-lo.

Isso ocorre porque as bebidas açucaradas contêm calorias, então substituí-las por água reduz automaticamente a ingestão de calorias.

Estudos demonstraram que beber 0,5 g de água aumenta o metabolismo em repouso em 10 a 30% por cerca de uma hora.

Este efeito de queima de calorias pode ser ainda maior se você beber água fria, pois seu corpo usa energia para aquecê-la até a temperatura do corpo.

A água também pode ajudar na saciedade da fome. Estudos mostram que beber água meia hora antes de refeições pode ajudá-lo a comer menos.

Um estudo de adultos com excesso de peso descobriu que aqueles que bebiam meio litro de água antes de suas refeições perderam 44% mais peso do que aqueles que não beberam.

Conclusão: 

A água pode ajudá-lo a perder peso e mantê-lo. Aumenta o seu metabolismo e sacia a fome antes das refeições.

3. Faça um treino de alta intensidade:

O treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT) envolve explosões rápidas e intensas de atividade.

Esse tipo de treino pode ajudá-lo a queimar mais gordura, aumentando sua taxa metabólica, mesmo após o término da atividade.

Acredita-se que esse efeito seja maior para o HIIT do que para outros tipos de exercício.

Um estudo em homens jovens com excesso de peso descobriu que 12 semanas de exercício de alta intensidade reduziram a massa gorda em 4,4 libras (2 kg) e a gordura da barriga em 17%.

Conclusão: 

Misturar a sua rotina de exercícios e adicionar alguns treinos de alta intensidade pode aumentar o seu metabolismo e ajudar a queimar gordura.

4. Levantar peso:

O músculo é metabolicamente mais ativo que a gordura, e a construção muscular pode ajudar a aumentar o seu metabolismo. Isso significa que você vai queimar mais calorias a cada dia, mesmo em repouso.

Levantar pesos também ajudará a reter músculos e combater a queda no metabolismo que pode ocorrer durante a perda de peso.

Em um estudo, 48 mulheres com excesso de peso foram colocadas em uma dieta de 800 calorias por dia. Metade do grupo não fez nenhum tipo de exercício enquanto a outra parte fez treinamento de resistência.

Após a dieta, as mulheres que realizaram o treinamento resistido mantiveram a massa muscular, o metabolismo e a força. As que somente fizeram a dieta perderam peso, mas também perderam massa muscular e experimentaram uma diminuição no metabolismo.

Conclusão:

Levantar peso é importante para construir e reter músculos. Quantidades mais altas de músculo resultarão em um metabolismo mais alto.

5. Levante-se mais:

Ficar muito tempo sentado é ruim para sua saúde.

Alguns pesquisadores da área da saúde chegaram a chamar de “o novo cigarro”. Isto em parte porque ficar sentado por longos períodos de tempo queima menos calorias e pode levar ao ganho de peso.

Uma tarde em pé pode queimar até 175 calorias a mais do que ficar sentado.

Se você trabalha sentado, tente ficar de pé algumas vezes durante o dia.

Conclusão:

Ficar sentado por um longo período de tempo resulta na baixa queima de calorias e é ruim para sua saúde. Tente se levantar regularmente ou investir em uma mesa na qual possa se trabalhar em pé.

6. Beba Chá Verde:

O chá verde demonstrou aumentar o metabolismo em 4-5%.

Esse chá ajuda a converter parte da gordura armazenada em seu corpo em ácidos graxos livres, o que pode aumentar a queima de gordura em 10 a 17%.

Como ele tem poucas calorias, beber esse chá pode ser bom para perda de peso e manutenção do mesmo.

No entanto, alguns estudos afirmam que esse chá não afeta o metabolismo. Portanto, seu efeito pode ser pequeno ou ser aplicado apenas para algumas pessoas.

Conclusão:

Beber chá verde pode aumentar o seu metabolismo. Este chá também pode ajudá-lo a perder peso e mantê-lo.

7. Coma alimentos picantes:

Pimentas contêm capsaicina, uma substância que pode impulsionar o seu metabolismo.

No entanto, muitas pessoas não podem tolerar estas especiarias nas doses necessárias para ter um efeito significativo.

Um estudo de capsaicina, em doses aceitáveis, previu que comer pimentas queimaria em torno de 10 calorias adicionais por refeição.

Sozinhos, os efeitos da adição de temperos à comida podem ser bem pequenos. No entanto, podem ser úteis quando combinados com outras estratégias de aumento do metabolismo.

Conclusão: 

Comer comida picante pode ser benéfico para impulsionar o seu metabolismo e ajudá-lo a manter um peso saudável.

8. Tenha uma boa noite de sono:

A falta de sono está ligada a um grande aumento no risco de obesidade. Isso pode ser parcialmente causado pelos efeitos negativos da privação de sono no metabolismo.

A falta de sono também tem sido associada ao aumento dos níveis de açúcar no sangue e à resistência à insulina, ambos ligados a um maior risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Outro efeito colateral é o aumento do hormônio da fome (grelina), e diminuir o hormônio da plenitude (leptina). Isso poderia explicar por que muitas pessoas que são privadas de sono sentem fome e lutam para perder peso.

Conclusão: 

A falta de sono pode diminuir a quantidade de calorias que você queima, mudar a maneira de processar o açúcar e interromper os hormônios reguladores do apetite.

9. Beber café:

Estudos mostraram que a cafeína no café pode aumentar o metabolismo em 3-11%. Como o chá verde, também promove a queima de gordura.

No entanto, isso parece afetar mais as pessoas magras. Em um estudo, o café aumentou a queima de gordura em 29% para mulheres magras, mas apenas 10% para mulheres obesas.

Os efeitos do café no metabolismo e na queima de gordura também podem contribuir para a perda e manutenção de peso.

Conclusão:

Beber café pode aumentar significativamente o seu metabolismo e ajudá-lo a perder peso.

10. Use óleo de coco:

Ao contrário de outras gorduras saturadas, o óleo de coco contém muitas gorduras de cadeia média.

As gorduras de cadeia média podem aumentar o seu metabolismo mais do que as gorduras de cadeia longa encontradas em alimentos como manteiga.

Em um estudo, os pesquisadores descobriram que as gorduras de cadeia média aumentaram o metabolismo em 12%, em comparação com as gorduras de cadeia longa, que aumentaram em apenas 4%.

Devido ao perfil único de ácidos gordos do óleo de coco, usá-lo para cozinhar pode ter benefícios para a perda de peso.

Conclusão: 

O uso de óleo de coco na preparação de alimentos pode aumentar levemente o seu metabolismo.

Tente fazer pequenas mudanças no seu estilo de vida e incorporar essas dicas em sua rotina! Isso pode aumentar seu metabolismo.

Ter um metabolismo mais rápido pode ajudá-lo a perder peso e mantê-lo, ao mesmo tempo em que lhe dá mais energia.

Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:HEALTHLINE.

Postado por joaoflavio às 15:59

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabe como se Prevenir da Asma?

O dia 21 de junho (também marcado pelo início do inverno) é o dia nacional de combate à asma brônquica e seu maior objetivo é alertar para riscos da doença.

Segundo a Associação Brasileira de Asmáticos de São Paulo, 1 entre 4 brasileiros tem asma.

A asma brônquica é uma condição na qual as vias aéreas se estreitam e incham,  produzindo muco extra. Isso pode dificultar a respiração e desencadear tosse, chiado e falta de ar.

Para algumas pessoas, a asma é um incômodo menor. Para outros, pode ser um grande problema que interfere nas atividades diárias e pode apresentar risco de morte.

A asma não pode ser curada, mas seus sintomas podem ser controlados. Como a asma muitas vezes muda com o tempo, é importante que você trabalhe com seu médico para rastrear seus sinais e sintomas e ajustar o tratamento conforme necessário.

Sintomas:

Os sintomas variam de pessoa para pessoa. Você pode ter ataques de asma infrequentes, ter sintomas apenas em determinados momentos, como durante o exercício, ou ter sintomas o tempo todo. Esses sintomas incluem:

– Falta de ar.

– Aperto ou dor no peito.

– Dificuldade para dormir devido à falta de ar e tosse.

– Um assobio ou chiado ao expirar.

– Ataques de tosse ou chiado que são agravados por um vírus respiratório, como resfriado ou gripe. 

Sinais de que asma provavelmente está piorando incluem:

– Sinais e sintomas mais frequentes e incômodos.

– Aumento da dificuldade em respirar.

– A necessidade de usar um inalador de alívio rápido com mais frequência.

Para algumas pessoas, os sinais e sintomas de asma aumentam em determinadas situações:

– Asma induzida por exercício, que pode piorar quando o ar está frio e seco.

– Asma ocupacional, desencadeada por irritantes no local de trabalho, como fumos químicos, gases ou poeira.

– Asma induzida por alergia, desencadeada por substâncias transportadas pelo ar, como pólen, esporos de fungos, resíduos de baratas ou partículas de pele e saliva seca derramada por animais de estimação (pelos de animais).

Ataques graves de asma podem ser fatais. Trabalhe com o seu médico para determinar o que fazer quando os seus sinais e sintomas piorarem, e quando precisar de tratamento de emergência. Sinais de uma emergência de asma incluem:

– Piora rápida de falta de ar ou chiado.

– Nenhuma melhora, mesmo após o uso de um inalador de alívio rápido, como albuterol.

– Falta de ar quando você está fazendo atividade física mínima.

Causas: 

Não está claro por que algumas pessoas têm asma e outras não, mas é provavelmente devido a uma combinação de fatores ambientais e genéticos (herdados).

Gatilhos da asma:

A exposição a vários irritantes e substâncias que provocam alergias (alérgenos) pode desencadear sinais e sintomas de asma. Os disparadores de asma são diferentes de pessoa para pessoa e podem incluir:

– Substâncias transportadas pelo ar, como pólen, ácaros da poeira, esporos de mofo, pelos de animais de estimação ou partículas de resíduos de baratas.

– Infecções respiratórias, como o resfriado comum.

– Atividade física (asma induzida por exercício).

– Ar frio.

– Poluentes do ar e irritantes, como fumaça.

– Certos medicamentos, incluindo beta-bloqueadores, aspirina, ibuprofeno (Advil, Motrin IB, outros) e naproxeno (Aleve).

– Emoções fortes e estresse.

– Sulfitos e conservantes adicionados a alguns tipos de alimentos e bebidas, incluindo camarão, frutas secas, batatas processadas, cerveja e vinho.

– Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), uma condição em que os ácidos estomacais voltam para a garganta.

Fatores de risco: 

Acredita-se que uma série de fatores podem aumentar suas chances de desenvolver asma. Esses incluem:

– Ter um parente (como um pai ou irmão) com asma.

– Ter outra condição alérgica, como dermatite atópica ou rinite alérgica (febre do feno).

– Estar acima do peso.

– Ser fumante .

– Exposição ao fumo passivo.

– Exposição a gases de escape ou outros tipos de poluição.

– Exposição à gatilhos ocupacionais, tais como produtos químicos utilizados na agricultura, cabeleireiro e manufatura.

Complicações:

As complicações da asma incluem:

– Sinais e sintomas que interferem no sono, trabalho ou atividades recreativas.

– Dias de folga do trabalho ou da escola durante as crises de asma.

– Estresse permanente dos tubos brônquicos (remodelação das vias aéreas) que afeta o quanto você pode respirar.

– Visitas de emergência e hospitalizações por ataques de asma graves. 

– Efeitos colaterais do uso prolongado de alguns medicamentos usados ​​para estabilizar a asma grave.

O tratamento adequado faz uma grande diferença na prevenção de complicações a curto e a longo prazo causadas pela asma.

Prevenção:

Embora não haja maneira de prevenir a asma, trabalhando juntos, você e seu médico podem elaborar um plano passo a passo para conviver com sua condição e evitar ataques de asma.

– Siga o seu plano de ação para asma. Com seu médico e equipe de saúde, escreva um plano detalhado para tomar medicamentos e gerenciar um ataque de asma.

A asma é uma condição permanente que requer monitoramento e tratamento regulares.

– Seja vacinado para influenza e pneumonia. Manter-se atualizado com as vacinas pode impedir que a gripe e a pneumonia desencadeiem crises de asma.

– Identifique e evite os desencadeantes da asma. Um número de alérgenos e irritantes ao ar livre, variando de pólen e mofo a ar frio e poluição do ar, podem desencadear ataques de asma. Descubra o que causa ou piora a sua asma e tome medidas para evitar esses gatilhos.

– Monitore sua respiração. Você pode aprender a reconhecer sinais de alerta de um ataque iminente, como leve tosse, chiado ou falta de ar. Mas, como sua função pulmonar pode diminuir antes de perceber qualquer sinal ou sintoma, meça e registre regularmente seu pico de fluxo de ar com um medidor de fluxo de pico em casa.

– Identifique e trate os ataques antecipadamente. Se você agir rapidamente, é menos provável que você tenha um ataque severo. Você também não precisará de muita medicação para controlar seus sintomas.

Quando suas medições de fluxo de pico diminuírem e alertá-lo para um ataque próximo, tome sua medicação conforme as instruções e interrompa imediatamente qualquer atividade que possa ter provocado o ataque. Se os seus sintomas não melhorarem, procure ajuda médica conforme indicado no seu plano de ação. 

– Tome sua medicação conforme prescrito. Só porque sua asma parece estar melhorando, não mude nada sem primeiro falar com seu médico. É uma boa idéia levar seus medicamentos consigo a cada consulta médica, para que seu médico possa confirmar se está usando seus medicamentos corretamente e tomando a dose correta.

– Preste atenção ao aumento do uso de inalador de alívio rápido. Se você está contando com o seu inalador de alívio rápido, como o albuterol, sua asma não está sob controle. Consulte seu médico sobre como ajustar seu tratamento.

O diagnóstico inclui exames físicos, de imagem entre outros.

Classificação:

A asma é classificada em quatro categorias gerais:

– Leve intermitente. Sintomas leves até dois dias por semana e até duas noites por mês.

– Leve persistente. Sintomas mais de duas vezes por semana, mas não mais do que uma vez em um único dia.

– Moderado persistente. Sintomas uma vez ao dia e mais de uma noite por semana.

– Persistente grave. Sintomas ao longo do dia na maioria dos dias e frequentemente à noite.

Tratamento: 

A prevenção e o controle de longo prazo são fundamentais para impedir os ataques de asma antes que eles comecem. O tratamento geralmente envolve aprender a reconhecer seus gatilhos, tomar medidas para evitá-los e rastrear sua respiração para garantir que seus medicamentos diários para asma mantenham os sintomas sob controle. No caso de um surto de asma, você pode precisar usar um inalador de alívio rápido, como o albuterol.

Trabalhe com seu médico para criar um plano de ação para asma que descreva por escrito quando tomar certos medicamentos ou quando aumentar ou diminuir a dose de seus medicamentos com base em seus sintomas. Inclua também uma lista de seus gatilhos e as etapas necessárias para evitá-los.

O seu médico também pode recomendar controlar os seus sintomas de asma ou usar regularmente um medidor de fluxo de pico para monitorar o quão bem o seu tratamento está controlando a sua asma.

A prevenção é a melhor solução! Para mais informações procure o seu médico.

 

FONTE:MAYOCLINIC.

Postado por joaoflavio às 13:19

Compartilhe:

Nenhum comentário

Você sabia que Dormir Mal pode piorar a sua Memória?

Um novo estudo demonstrou que adultos mais velhos que apresentam apneia obstrutiva do sono podem ter um risco maior de doença de Alzheimer. Isso ocorre porque eles exibem níveis mais elevados de beta-amiloide, o principal componente das placas amiloides que caracterizam a doença.

A apneia obstrutiva do sono é caracterizada pela ocasional incapacidade de respirar durante o sono, devido a um colapso da via aérea. Isso pode fazer com que quem está dormindo acorde repetidamente durante a noite sempre que a respiração se torna difícil, resultando em padrões de sono alterados.

Dados recentes sugerem que, nos Estados Unidos, a prevalência desse distúrbio é de cerca de 34% para homens e 17% para mulheres, o que o torna um problema de saúde bastante comum. No entanto, especialistas dizem que, em até 80% dos casos, a condição permanece não diagnosticada.

Associados a um grande número de desfechos negativos à saúde, incluindo maior risco de ataque cardíaco e diabetes tipo 2,  a apneia obstrutiva do sono também pode estar ligada a um risco aumentado de doença de Alzheimer na população idosa, sugere uma nova pesquisa.

O novo estudo, que foi publicado ontem no American Journal of Respiratory e Critical Care Medicine, mostra que os idosos afetados pela apneia obstrutiva do sono têm níveis mais elevados de beta-amiloide, os peptídeos envolvidos no acúmulo de placa cerebral que é característico da doença de Alzheimer.

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 208 participantes com idades entre 55 e 90 anos, nenhum dos quais tinha algum comprometimento cognitivo ou depressão. Além disso, nenhum deles utilizou pressão positiva contínua nas vias aéreas, que é um tratamento comum para a apneia do sono.

Em seus testes, os pesquisadores realizaram um procedimento médico conhecido como “punção lombar” para coletar líquido cefalorraquidiano,  ou o fluido contido no cérebro e na medula espinhal, bem como tomografia por emissão de pósitrons (PET). de medir os níveis de beta-amilóide de cada participante. 

A equipe descobriu que mais de 50% dos participantes do estudo tinham apneia obstrutiva do sono. Destes, 36,5 por cento tinham uma forma leve do distúrbio e 16,8 por cento tinham uma forma grave.

Além disso, 104 dos participantes originais também participaram de um estudo longitudinal que durou um período de 2 anos. Este estudo revelou uma ligação entre a gravidade da apneia do sono e a concentração de beta amiloide detectável no líquido cefalorraquidiano a longo prazo.

Em outras palavras, os indivíduos que experimentaram mais apneias durante o período normal de sono apresentaram níveis aumentados de beta-amiloide. Os exames PET confirmaram essa correlação.

No entanto, não houve relação direta entre a gravidade da apneia do sono e o início do comprometimento cognitivo nos participantes do estudo.

A relação entre carga amiloide e cognição é provavelmente não-linear e dependente de fatores adicionais. 

No artigo publicado, os pesquisadores também admitem que seu estudo enfrentou uma série de limitações, como “a curta duração relativa e a falta de dados longitudinais do sono”. Outro fator limitante, eles acrescentam, é que apenas alguns dos participantes optaram por se envolver no estudo de acompanhamento de 2 anos.

No entanto, os pesquisadores argumentam que seus resultados apontam para uma ligação entre o declínio cognitivo e apneia do sono, e que o envelhecimento físico influencia significativamente esta ligação.

Os resultados deste estudo, e a crescente literatura sugerem que a apneia obstrutiva do sono, declínio cognitivo e doença de Alzheimer estão relacionados.

Os benefícios potenciais de desenvolvimento de melhores ferramentas de rastreamento para diagnosticar a apneia obstrutiva do sono  são enormes. 

Para mais informações fale com seu médico.

 

FONTE:MEDICALNEWSTODAY.

Postado por joaoflavio às 15:15

Compartilhe:

Nenhum comentário