publicidade

Jornal do Brasil

À Sua Saúde – JBlog – Jornal do Brasil

Como se Tratar e se Prevenir da Obesidade?

A obesidade é um distúrbio complexo que envolve uma quantidade excessiva de gordura corporal. Essa condição não apresenta apenas uma preocupação cosmética, como também aumenta o risco de doenças e problemas de saúde, como doenças cardíacas, diabetes e pressão alta.

Ser extremamente obeso significa que você está propenso a ter problemas de saúde relacionados ao seu peso.

A boa notícia é que mesmo uma modesta perda de peso pode melhorar ou prevenir os problemas de saúde associados à obesidade.

Mudanças na dieta, aumento da atividade física e mudanças de comportamento podem ajudar a perder peso.

A prescrição de medicamentos e cirurgia para perda de peso são opções adicionais para o tratamento da obesidade.
Sintomas:

A obesidade é diagnosticada quando o índice de massa corporal (IMC) é de 30 ou superior. O seu índice de massa corporal é calculado dividindo o seu peso em quilogramas (kg) pela sua altura em metros (m) ao quadrado.

Para a maioria das pessoas, o IMC fornece uma estimativa razoável de gordura corporal. No entanto, o IMC não mede diretamente a gordura corporal, de modo que algumas pessoas, como atletas musculares, podem ter um IMC na categoria de obesos, embora não tenham excesso de gordura corporal. Pergunte ao seu médico se o seu IMC é um problema.

Causas:

Comer mais calorias do que você queima diariamente causa obesidade. Com o tempo, essas calorias extras se somam e fazem com que você ganhe peso.

Causas específicas comuns da obesidade incluem:

– Uma dieta de alimentos ricos em gorduras e calorias.

– Sedentarismo.

– não dormir o suficiente, o que pode levar a alterações hormonais que fazem você se sentir mais faminto e desejar certos alimentos altamente calóricos.

– Genética, que pode afetar como seu corpo processa alimentos em energia e como a gordura é armazenada.

– Envelhecimento, o que pode levar a uma menor massa muscular e uma taxa metabólica mais lenta, tornando mais fácil ganhar peso.

– Gravidez.

Certas condições médicas também podem levar ao ganho de peso. Elas incluem:

– Síndrome dos ovários policísticos (SOP): uma condição que provoca um desequilíbrio dos hormônios reprodutivos femininos.

– Síndrome de Prader-Willi: uma condição rara em que um indivíduo nasce com maior quantidade de hormônios que causam fome excessiva.

– Síndrome de Cushing: uma condição causada por ter uma quantidade excessiva do hormônio cortisol em seu sistema.

– Hipotireoidismo.

– Osteoartrite (e outras condições que causam dor que podem levar à inatividade).

Fatores de risco:

Uma mistura complexa de fatores genéticos, ambientais e psicológicos podem aumentar o risco de uma pessoa para a obesidade.

Genética:

Algumas pessoas possuem fatores genéticos que dificultam a perda de peso.

Meio ambiente e comunidade:

Seu ambiente em casa, na escola e em sua comunidade pode influenciar como e o que você come e como você é ativo. Talvez você não tenha aprendido a preparar refeições saudáveis ​​ou que não consiga comprar alimentos mais saudáveis. Se o seu bairro não é seguro, talvez você não tenha encontrado um bom lugar para brincar, andar ou correr.

Fatores psicológicos e outros:

A depressão às vezes pode levar ao ganho de peso, como as pessoas se voltam para o alimento para o conforto emocional. Certos antidepressivos também podem aumentar o risco de ganho de peso.

É bom parar de fumar, mas desistir também pode levar ao ganho de peso. Por esse motivo, é importante se concentrar na dieta e nos exercícios enquanto você está largando o cigarro.

Medicamentos como esteroides ou pílulas anticoncepcionais também podem colocá-lo em maior risco de ganho de peso.

Complicações:

Se você é obeso, é mais provável que você desenvolva vários problemas de saúde potencialmente sérios, incluindo:

– Triglicerídeos elevados e colesterol de baixa lipoproteína de alta densidade (HDL).

– Diabetes tipo 2.

– Pressão alta.

– Síndrome metabólica. Uma combinação de açúcar elevado no sangue, pressão arterial elevada, triglicéridos elevados e colesterol HDL baixo.

– Doença cardíaca.

– Derrame.

– Câncer, incluindo câncer do útero, colo do útero, endométrio, ovários, mama, cólon, reto, esôfago, fígado, vesícula biliar, pâncreas, rim e próstata.

– Distúrbios respiratórios, incluindo apneia do sono, um distúrbio do sono potencialmente grave no qual a respiração para e começa repetidamente.

– Doença de vesícula biliar.

– Problemas ginecológicos, como infertilidade e períodos irregulares.

– Disfunção erétil e problemas de saúde sexual.

– Doença hepática gordurosa não alcoólica, uma condição na qual a gordura se acumula no fígado e pode causar inflamação ou cicatrização.

– Osteoartrite.

Prevenção:

Se você está em risco de se tornar obeso, com excesso de peso ou com um peso saudável, pode tomar medidas para evitar o ganho de peso prejudicial e problemas de saúde relacionados.

Não surpreendentemente, os passos para evitar o ganho de peso são os mesmos que os passos para perder peso: exercício diário, uma dieta saudável e um compromisso de longo prazo para observar o que você come e bebe.

Tratamento:

O objetivo do tratamento da obesidade é alcançar e manter um peso saudável. Você pode precisar trabalhar com uma equipe de profissionais de saúde, incluindo um nutricionista, um psicólogo ou um especialista em obesidade, para ajudá-lo a entender e fazer mudanças em seus hábitos alimentares e de atividade.

Todos os programas de tratamento para perda de peso exigem mudanças em seus hábitos alimentares e aumento da atividade física. Os métodos de tratamento certos para você dependem do nível de obesidade, da saúde geral e da disposição de participar do plano de emagrecimento.

Os tratamentos envolvem mudanças dietéticas, exercícios, mudanças de comportamento, remédios para perda de peso e cirurgia.

Novos tratamentos e remédios também estão sendo usados, como o bloqueio do nervo vago, o qual causa fome.

No caso da obesidade, é melhor se prevenir do que remediar!

Para mais informações converse com o seu médico.

 

 

FONTE:HEALTHLINE/MAYOCLINIC.

Postado por joaoflavio às 13:02

Compartilhe:

Nenhum comentário

Outubro Rosa e Avanços no Tratamento:

O movimento conhecido como Outubro Rosa, começou na década de 1990 para estimular a participação da população no controle do câncer de mama.

Todos os anos celebramos a data objetivando a troca de informações sobre a doença, bem também como a promoção e conscientização da mesma.

Desde os anos 90, muitas pesquisas vem sendo desenvolvidas, trazendo assim muitos avanços para terapêutica.

Avanços no tratamento do câncer de mama nos últimos cinco anos oferecem às vítimas maiores chances de sobrevivência. Com os novos desenvolvimentos, as mulheres com câncer de mama em estágio quatro podem viver até 10 ou 20 anos a mais após o diagnóstico.

O aperfeiçoamento da terapêutica fez com que muitos médicos começassem a enxergar o câncer de mama muito mais como uma doença crônica parecida como a diabetes ou hipertensão, do que uma aflição que possa apresentar risco de morte.

Outra boa notícia, também consequente da evolução recente no tratamento de câncer de mama, é que os pacientes em estágio inicial da doença podem obter apenas lumpectomia (remoção do nódulo) e biópsia de linfonodo menos extensa.

Além de todas essas novidades, a associação norte americana de alimentos e drogas (The Food and Drugs Administration) aprovou diversos novos remédios para pacientes em estágios diferentes de câncer de mama.

O tratamento do câncer está agora se movendo em direção ao tratamento direcionado, utilizando novos remédios que possam atingir os genes que o causam.

O exame de imuno-histoquímica é capaz de definir que tipo de câncer de mama o paciente possui (alguns tipos de câncer de mama são impulsionados por hormônios, outros são dirigidos por receptores de progesterona, outros são dirigidos por receptores de estrogênio, enquanto outros são estimulados por receptores Her2. Cada um deles tem sua própria medicação).

No entanto, agora temos um grupo de mulheres que têm câncer de mama triplo negativo, o que significa que o câncer não é impulsionado por nenhum dos receptores. Esse grupo geralmente não recebe tratamento porque não responde a nenhum, mas estudos mostram que ainda existe esperança de tratamento para essas mulheres através de medicamentos imunoterápicos.

O avanço no tratamento também levou a um método melhorado de radiação, terapia de radiação modulada por intensidade (IMRT), em que os médicos tratam o câncer de mama e os gânglios linfáticos enquanto poupam os órgãos como o coração e pulmão.

Os oncologistas concordam que existe uma grande conscientização no terreno sobre a realidade do câncer de mama, graças à mídia, às conversações locais pelos médicos e ao surgimento de muitos grupos de apoio no país. No entanto, o nível de conscientização, infelizmente, não está se traduzindo em mulheres indo para a triagem precoce, de acordo com pesquisas.

Programas médicos gratuitos para o tratamento de câncer de mama poderiam aumentar a porcentagem de pacientes fora de risco da doença.

É importante ficar atento aos avanços da medicina e tratamento do câncer de mama, para que os riscos da doença fiquem cada vez menores.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

 

FONTE:STANDARDMEDIA.

Postado por joaoflavio às 15:41

Compartilhe:

Nenhum comentário

12 Benefícios da Tecnologia na Área de Saúde:

Embora os serviços de telessaúde estejam disponíveis há mais de quatro décadas, nos últimos anos a explosão da tecnologia de assistência médica causou um grande aumento nas soluções de telemedicina centradas no paciente.

Conforme definido pela American Telemedicine Association (ATA), a telemedicina é “a prestação remota de serviços de saúde e informações clínicas usando tecnologia de telecomunicações. Isso inclui uma ampla gama de serviços clínicos que usam mídia da Internet, sem fio, satélite e telefone. ”

A telemedicina abrange uma ampla variedade de serviços. Os exemplos incluem uma conversa de vídeo ao vivo com um médico, envio de uma radiografia digital a um especialista para avaliação, monitoramento remoto da pressão sanguínea de um paciente com um dispositivo médico e mensagens instantâneas com uma enfermeira em um aplicativo móvel seguro.

Mesmo que ainda não seja oferecida por todos os provedores ou coberta por todas as seguradoras, a telemedicina está moldando a forma como os pacientes recebem cuidados e eventualmente transformará o cenário da assistência médica para sempre.

1. Encontre médicos para o seu seguro:

Do que adianta estar cercado de provedores de saúde e não ter o seguro certo?

Os serviços de Telessaúde permitem encontrar facilmente médicos em sua região que aceitam seu seguro, seja para uma visita em pessoa ou para um compromisso virtual.

Isso reduz seus custos de assistência médica e garante um serviço único para cada paciente.


2. Acesse mais especialistas:

Se você reside em uma pequena cidade ou área rural, talvez não viva a uma distância conveniente de todo tipo de provedor que possa precisar. Ou se você tem uma condição rara, pode haver apenas alguns especialistas que estão bem informados sobre isso em todo o país.

A telemedicina pode expandir o número de especialistas disponíveis para você, já que chamadas telefônicas seguras, chats por vídeo e outros métodos de visita virtual permitem que você consulte médicos que aceitam seu seguro, mas que estão localizados muito longe para visitas pessoais.

3. Procure classificações dos médicos:

A maioria das pessoas pesquisa um restaurante no Yelp ou no TripAdvisor antes de fazer uma reserva. Então por que você não faria o mesmo para um médico que cuidará da sua saúde?

As plataformas de telemedicina coletam opiniões honestas de pacientes verificados e compilam todas em um local conveniente, permitindo que você pesquise médicos antecipadamente e escolha um com ótimas classificações de satisfação do paciente.

4. Marque uma consulta rapidamente:

Agendar uma consulta médica à moda antiga, especialmente se você for um novo paciente, pode ser frustrante e demorado. É preciso localizar um provedor, ligar, esperar na linha, verificar se o seu seguro é aceito e agendar a consulta. Mesmo assim, pode não haver um espaço disponível por semanas ou até mesmo meses.

No entanto, os serviços de telemedicina facilitam a consulta da programação dos seus fornecedores e a escolha de um horário conveniente para você.

Em vez de perder tempo em espera, você pode marcar uma consulta em apenas alguns toques na tela do celular e depois continuar com sua vida.

5. Se consulte de casa:

Muitas vezes a consulta com o médico precisa ser remota devido a condições de saúde ou distancia geográfica.

Felizmente, novos aplicativos permitem que você consulte seu médico em casa, no trabalho ou em um quarto de hotel, com conexão à Internet.

6. Reduza o tempo perdido e outros custos:

A consulta virtual excluí os custos alternativos necessários para o tratamento de idosos e crianças, além de custos de transporte.

7. Converse diretamente com seu médico:

Talvez você não precise de uma consulta completa com seu médico, mas deseja entrar em contato com ele rapidamente. Por exemplo, faça uma pergunta sobre uma nova receita que você começou a tomar recentemente.

O contato direto com o médico via chat, economiza tempo tanto para o paciente, o qual não irá ficar aguardando na linha, como para o provedor de saúde, que poderá responder na hora que lhe for conveniente.

8. Compare preços:

Às vezes, não é possível marcar uma consulta com seu médico pessoal, devido à urgência ou distância geográfica.  Os valores de cada provedor podem variar muito na mesma cidade.

Os aplicativos de telemedicina estão promovendo a transparência de preços e facilitando a comparação dos custos diretos de médicos e clínicas próximas ao usuário.
9. Veja os tempos de espera na sala de emergência:

É normal ter que esperar pelo menos 15 minutos (provavelmente mais) para consultar um médico em uma emergência. Alguns aplicativos e serviços permitem que você monitore os tempos de espera no pronto-socorro no conforto de sua casa, para que você possa ir quando a fila é mais curta e ver um médico rapidamente, em vez de ficar desconfortável em uma sala de espera.

10. Visualize e envie seus registros médicos para qualquer pessoa, em qualquer lugar:

Enquanto a maioria dos hospitais e instalações finalmente fez a transição para softwares de assistência médica digital, os serviços de telemedicina estão levando as coisas um passo adiante ao melhorar o acesso dos pacientes a seus próprios registros eletrônicos de saúde.

Além de visualizar seus próprios formulários médicos, você também pode enviá-los para outras pessoas a quem gostaria de ter acesso a seus registros, seja um membro da família, cônjuge ou parceiro.

11. Experimente melhores resultados:

A telemedicina pode ajudar a melhorar a saúde dos pacientes de várias maneiras.

Certas formas de tratamento, particularmente a telemedicina para doenças mentais, demonstraram ser comparáveis ​​aos cuidados em pessoa.

12. Torne-se mais envolvido em sua própria saúde:

A telemedicina permite um envolvimento ao cuidar de sua saúde, aumentando o seu acesso a médicos e especialistas, criando métodos digitais para comunicação em tempo real, possibilitando um acesso à dados pessoaias rápido e seguro e facilitando a navegação pelos seguros e custos.

Conclusão:

Avanços tecnológicos recentes aumentaram a transparência dos preços e o acesso aos prontuários, melhorando o acesso à saúde.

À medida que o mundo muda lentamente para os serviços de saúde centrados no paciente, a telessaúde está liderando o caminho e não há dúvidas de que veio para ficar.

O avanço da tecnologia na medicina pode mudar a maneira como os pacientes e os médicos abordam a saúde.

Para mais informações fale com o seu médico.

 

 

 

FONTE: HEALTHSPLASH.

Postado por joaoflavio às 16:47

Compartilhe:

Nenhum comentário