Publicidade

Jornal do Brasil

Botafogo – JBlog – Jornal do Brasil

Por que o Flamengo nunca foi campeão brasileiro com um técnico de ponta?

102 comentários
Post especial para quem pensa, para pessoas inteligentes. Ou seja: maioria de botafoguenses. Mas os framenguistas podem dar aquelas desculpas esfarrapadas de sempre e achar tudo isso normal.

Deu no Estadão: “Ponte Preta anuncia Paulo César Carpegiani como novo treinador”.

Reprodução: site do Estadão

E me veio uma pulga atrás da orelha. Carpegiani só se deu bem mesmo como técnico do Framengo. Foi “campeão” em1982 e por mais que a Mídia tentasse, nunca chegou a ser um verdadeiro técnico de ponta. E olha que dirigiu grandes clubes como o São Paulo!
Em 1980 o Framengo foi “campeão” brasileiro com o Capitão do Exército da Ditadura Cláudio Coutinho de técnico. Treinou uma seleção fracassada e nunca brilhou em outros clubes. Se “deu bem” onde mais?
Em 1983 o técnico do time “campeão” era Carlos Alberto Torres, que também foi campeão da Conmebol com o Glorioso, mas nunca chegou a se firmar como técnico com a mesma categoria que teve como jogador.
Em 1987, quando foi “campeão” de um dos módulos do Brasileirão, e em 1992, no ano em que entrou pela janela, o técnico era o Carlinhos Violino. Simpático, gente boa, bonzinho, mas nunca treinou nenhum outro time fora o Framengo.

Reprodução: internet

E em 2009, quando Corinthians e Grêmio entregaram jogos decisivos, o técnico era o Andrade. Outro que também não dirige time grande nenhum.

Reprodução: internet

Os últimos técnicos campeões brasileiros foram de ponta como o Abelão (que tem mercado em vários clubes), Muricy (que acaba de sair do Santos e que também já treinou diversos times grandes campeões), Tite (ainda no Corinthians) e Wandeko Luxemburgo. O Glorioso foi campeão com Paulo Autuori, que também dispensa apresentações e hoje está no Vasco.
Os framenguistas não vão entender esse questionamento ou vão fingir que não entendem. Mas algo há, algo há. E isso explica também porque o Framengo nunca caiu para a Segundona.
E sem choro, por favor.

Postado por paulocesar  | Comentar

Compartilhe:

´Bora falar do homem de Pau Grande

11 comentários
Meus amigos. Minha página lá no face está parecendo a capa do jornal O POVO por causa das cenas de violência policial que ocorreram ontem em São Paulo e no Rio de Janeiro em razão das manifestações populares contra o aumento das passagens de ônibus. Não quero que aconteça aqui também. Bora falar de futebol, bora falar de Botafogo, bora falar do maior jogador que já existiu na face da terra.

Vamos falar do HOMEM DE PAU GRANDE (calma, tricolores). Encontrei ontem sem querer essa delícia de livrinho. Não conhecia. O autor é filho da Elza Soares.

Muitas histórias são conhecidas e foram contadas por mestre Sandro Moreira, João Saldanha e outros geniais coleguinhas. Como a que reproduzo abaixo.

Para ler é só clicar duas vezes seguidas no mouse.

Sorry, torcedores de times comuns. Vocês nunca tiveram ou terão nada igual. O homem de pau grande somos todos nós, botafoguenses. Vocês não passam de meros pintinhos.

Postado por paulocesar  | Comentar

Compartilhe:

Torcida do Flamengo já começa a divulgar imagem da Caixa Econômica Federal na camisa do clube

81 comentários

Reprodução

Como já era esperado! E não demorou nem um mês! Alguém tinha dúvidas de que isso iria acontecer? E agora? Que desculpas ele vão dar? É para isso que as pessoas abrem conta na Caixa? É nisso que elas querem que seu rico dinheirinho seja investido? Essa foto você não vai ver nos grandes sites e blogs dos grandes jornais e emissoras de rádio e tv. Contra FATOS não há argumentos.

Obrigado pelo link, Edgard.

Quem quiser ver as imagens, clique aqui.

Postado por paulocesar  | Comentar

Compartilhe:

Se o Flamengo tem uma caixa, o Botafogo tem o melhor banco do Brasil

40 comentários

Meus amigos

Está bonito esse início de Brasileirão para o Glorioso. Um empate contra o campeão da Copa Toyota e duas vitórias contra adversários diretos. E o principal: mostrando que esse ano o Botafogo tem elenco. Tem time, tem banco. E não é banco estatal que rasga todos os princípios da ética e dos bons costumes para fazer média com times de massa (vá lá). É banco de futebol, banco de bola, de gente que sabe jogar. Seedorf tem uma gripe, entra Andrezinho; Fellype Gabriel sente uma dor devido aos diversos atentados que costuma ser vítima dentro de campo e entra Vitinho; Jefferson está na seleção, entra Renan; Dória está em outra seleção e é cobiçado por europeus e times sedentos de serem iguais ao Botafogo e entra Antônio Carlos; Lodeiro cansa e entra Renato. E por aí vai. Essa é a diferença para os anos anteriores. Não é mais a era de Renato Cajá, Vitor Simões, Tony, Jean Coral e cia. Mas é preciso estar atento e forte. Viram o lance duvidoso do Júlio César, em que, na “dúvida”, é sempre contra o Botafogo; e os injustificáveis 5 minutos de prorrogação que o vossa senhoria deu.

Quanto ao outro, o outro é apenas o time do Sistema: das estatais e das emissoras públicas.

Aliás, o título poderia ser também “um” caixa em vez de “uma” caixa. Como tem o outro time comum, o Fluminense.

Postado por paulocesar  | Comentar

Compartilhe:
Publicidade
Publicidade
Assine o RSS