Publicidade

Jornal do Brasil

Cabo Frio JB News

Dengue está controlada em Cabo Frio

O Município de Cabo Frio está respirando mais aliviado em 2014, com a diminuição dos casos de Dengue na cidade depois da epidemia de 2013. De janeiro a junho deste ano, foram notificados 226 casos da doença, número menor do que o registrado no mesmo período nos últimos 3 anos. Em 2011 foram registrados 6.232 casos, em 2012  a Secretaria Municipal de Saúde notificou 2.896 casos, e no ano passado, foram registrados 8.635 casos da doença. Mas mesmo assim, os resultados ainda estão distante do que a Secretaria Municipal de Saúde entende como ideal, sobretudo porque os levantamentos do Índice de Infestação do Aedes ainda mostram situações preocupantes em alguns bairros.

– Em Saúde Pública nunca há o que se comemorar enquanto persistirem casos da doença, disse Edilane Medeiros, Superintendente de Vigilância em Saúde.

Mas essa redução no número de notificações é resultado do trabalho de combate ao mosquito da Dengue que foi intensificado no município em março de 2013 com a utilização de um carro UBV – Ultra Baixo Volume – , equipamento que aplica o inseticida de forma parecida aos carros fumacê, porém, sem a fumaça. Segundo o gerente do setor de combate a Vetores de Cabo Frio, Alcides Cunha da Silva, o sistema é muito mais apropriado e eficiente no combate à dengue, eliminando o surgimento de novos ovos do mosquito Aedes Aegypti., interrompendo assim a cadeia de transmissão.

– O horário de trabalho do carro é de 5 às 9 horas da manhã e de 17h às 21 horas, pois esses são os horários que o mosquito está em atividade. Nós orientamos os moradores para que abram portas e janelas no momento em que o carro UBV estiver passando, alerta Alcides.

O novo equipamento reforçou o combate a dengue que já vinha sendo feito com 6 motos fumacê, utilizadas para eliminar o Aedes Aegypti em sua fase adulta. Além do carro UBV e das motos, equipes do setor de Combate a Vetores realizam diariamente o tratamento focal em terrenos baldios e áreas alagadas, o que elimina o ciclo de nascimento do mosquito desde o ovo até a pupa, última fase antes do adulto, quando ele passa a transmitir a doença.

Segundo a Superintendente de Vigilância em Saúde, Edilane Medeiros, a melhor forma de se evitar a dengue é combater os focos de acúmulo de água, locais propícios para a criação do mosquito transmissor da doença. Para isso, é importante não acumular água em latas, embalagens, copos plásticos, tampinhas de refrigerantes, pneus velhos, vasinhos de plantas, jarros de flores, garrafas, caixas d´água, tambores, latões, cisternas, sacos plásticos e lixeiras, entre outros.

– Há que se trabalhar junto com a população, objetivando sempre zerar estes índices, finalizou Edilane.

A prevenção é a principal arma contra a doença

 

 

Compartilhe:
Comentar
Assine o RSS
Publicidade
Publicidade
?>