Publicidade

Jornal do Brasil

Concurseiros – JBlog – Jornal do Brasil

Receita Federal: esta é a hora de começar a estudar

A Receita Federal aguarda a autorização do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão-MPOG, para a realização de novo concurso para os cargos de analista e auditor- fiscal. Ambos os cargos requerem nível superior em qualquer área e a remuneração é de R$ 14.965,44 de acordo com o edital do último concursos para Auditor em 2014 e de R$ 7.996,07, de acordo com o edital do último concurso para analista tributário de 2012. Os concursos da Receita Federal tem como organizador a banca Esaf.
No entanto, mesmo ainda não autorizados os concursos, é necessário inciar os estudos a partir de agora, pois este é um concurso que exige uma preparação antecipada pelo grau de complexidade das provas. São 12 disciplinas para Analista Tributário e 11 para Auditor.
De acordo com Dênis França, professor do QC, a preparação de quem está realmente focado e decidido a alcançar um cargo público bom como os da Receita federal, deve ser permanente. “Nada de esperar edital. Esse é o momento de fazer a diferença, porque depois que sai o edital, muita gente estuda. Contudo, como os programas são muito extensos, pode ser tarde demais”.
Para Dênis, é um grande desafio, que deve ser resolvido de maneira muito mais psicológica do que qualquer outra coisa. “É nessa hora que o candidato mostra para si mesmo que está realmente focado. Sugiro que seja feita uma lista de prós e contras. No que você acha que sua vida será melhor se você alcançar esse cargo? Escreva isso numa lista e coloque num lugar onde você olhe todos os dias, pra se manter ligado”, ensina. Segundo o professor, outros artifícios são úteis também, como colocar uma foto do prédio do local que você pretende trabalhar como plano de fundo da área de trabalho do computador ou do celular. “Mas é claro que há estratégias que ajudam a manter a motivação que passam pelos estudos também. Estabelecer metas de estudo de uma parte dos itens do programa, alternar as ferramentas de estudo (leituras, resumos, resolução de questões, aulas etc), enfim, cumprir etapas de médio e curto prazo que tenham começo meio e fim é muito importante para o candidato não ficar com aquela impressão de que se trata de algo muito abstrato e distante. Recomendo também que o candidato visite com regularidade os fóruns de discussão e se mantenha sempre atento às notícias relacionadas ao concurso”, complementa.
O edital de auditor-fiscal sofreu alterações com relação ao anterior, de 2012, e, para Dênis é dificil afirmar se haverá outras modificações ou não. “O mais importante é que, mesmo que haja mudanças, a maioria do programa sempre é mantida. Então, focar nos estudos tendo por base o programa do último concurso é uma medida bastante segura e que dá excelentes resultados”,orienta.
Já com relação a analista, cujo último concurso foi em 2012, o especialista acredita em uma maior probabilidade de alterações no programa, uma vez que isso ocorreu no concurso atual para auditor. “O fato é, que quanto mais distante no tempo está o programa de disciplinas de um edital, maior é a tendência de que ele sofra alterações para o próximo certame. Quem está decidido, porém, não se deixa desanimar com isso e dá desde logo o seu melhor, e assim terá tempo suficiente, quando for publicado o edital, pra correr atrás das possíveis novidades”,aconselha .
Para ele, é difícil precisar quais e como serão as mudanças, caso hajam. “No último edital para auditor, houve uma tendência clara na diminuição das questões e peso de disciplinas de conhecimentos gerais e não tão diretamente ligadas à atividade do cargo em si – algumas disciplinas foram até excluídas, como Direito Civil, Penal e Empresarial – , com o consequente aumento da importância das disciplinas específicas, que representam com mais exatidão o dia a dia de um profissional da Receita Federal”, analisa. Dênis acredita que, talvez isso possa ser tomado como um norte. “Mas, eu não recomendaria a nenhum candidato, neste momento, deixar de estudar qualquer das matérias que foram cobradas no último concurso. Afinal, anda dá tempo de ver tudo e fica preparado sem preocupações ou dúvidas, esclarece.

Postado por claudiajones às 11:38 | Nenhum comentário | Comentar

Compartilhe:

Importante é prosseguir!

Ingressar no serviço público demanda um grande esforço e,sem dúvida: gastos com curso, apostilas, livros; tempo de dedicação; abrir mão de amigos e família, ou seja, não é uma atitude que possamos adotar sem um certo grau de sacrifício. No entanto, sabemos, também, que a recompensa é diretamente proporcional, já que conquistar uma vaga na administração pública é sinônimo de trabalho digno, dinheiro certo no fim do mês, salário razoável, estabilidade, boa aposentadoria, para citar alguns bons motivos.

Porém, percebemos que sempre há uma certa insegurança a todos os candidatos ao serviço público quando se aproxima a eleição. O principal motivo: o governo que vier vai manter os concursos públicos? Isso tem feito com que alguns alunos venham me procurar para saber se valerá mesmo ou não continuar estudando e, como eu disse anteriormente, investindo em aulas, apostilas, tempo… A questão é a desmotivação que esse “buxixo” pode provocar no meio acadêmico.

No entanto, quero lembrar a você, leitor, que esse filme nós já vimos antes, em outros períodos eleitorais e até mesmo sem ser eleitorais. Podemos citar que, por ocasião da extinção da CPMF, lá em 2007, o governo federal anunciou que pararia as contratações por concurso público, que não haveria mais processo seletivo algum. Pois é, aconteceu exatamente o contrário. Vimos novamente esse filme quando ocorreu a crise financeira internacional, em 2008. Mais uma vez os concursos continuaram.

Claro que não posso garantir que agora será diferente, mas posso fazer essa análise otimista, sim, por conta do que venho observando como especialista do setor ao longo dos anos.

Vou enumerar algumas razões que justificam a minha opinião. Inicialmente, vale lembrar que o governo e precisa repor quadros que são reduzidos a partir de aposentadorias. Há algo em torno de 3% de servidores públicos se aposentando anualmente.

Paralelamente às aposentadorias, temos aí investimentos constantes em bancos, como o Banco do Brasil, Banco Central e Caixa Econômica Federal, que com frequência abrem agências e mais agências por todo o país. Assim, é necessário contratar – e isso se dá de forma transparente através de concurso público.
A ampliação das agências do Instituto Nacional do Seguro Social também é uma promessa do governo federal, que só poderá ser cumprida se servidores forem contratados. Isso representa mais um caso de processo seletivo à vista.

Neste momento, uma postura correta, na minha avaliação, é manter o ritmo de estudos. Talvez algumas áreas sofram um retardo na contratação de pessoal, mas certamente não será o quadro de todas as áreas, como avaliei anteriormente. Estudar para um concurso significa se preparar para vários outros, sobretudo da mesma área. A área bancária, por exemplo, como ilustrado no início da nossa conversa, estará em franca expansão, assim como a de segurança pública necessita de servidores.

Estudar é acumular conhecimento. O que você estudar agora, mesmo que a decisão de paralisação momentânea seja adotada, não se perderá no futuro. Além disso, os descrentes vão deixar de lado a preparação. Isso fará com que você, que não desistiu de estudar, se fortaleça, esteja melhor qualificado para quando a oportunidade surgir. Afinal, não podemos esperar essa tal oportunidade aparecer para começarmos uma preparação, não é? Tome, então, a decisão mais correta e faça desde já a sua história, trace o seu futuro e entenda que obstáculos, como uma eventual lentidão na liberação de concursos, não podem ser motivos suficientes para desanimar porque eles sempre existiram e sempre existirão.

Sendo assim, como costumo dizer, bons estudos!

Postado por claudiajones às 13:35 | Nenhum comentário | Comentar

Compartilhe:
Publicidade
Assine o RSS