Publicidade

Jornal do Brasil

Concurseiros – JBlog – Jornal do Brasil

Concurso STM: dicas de Administração Geral

Está chegando a prova do concurso STM e trazemos dicas de Administração Geral para Analista Administrativo com o professor Alexandre Baêta.

Vamos conversar um pouco sobre estratégias de estudos e da preparação para o concurso do Superior Tribunal Militar.

Os cargos de carreira administrativa do STM exigirão, de seus candidatos, sólidos conhecimentos em Administração.

Vale lembrar que essa disciplina será objeto de cobrança tanto nas provas de Técnico quanto nas de Analista Administrativo.

Como os conteúdos das disciplinas correlatas à Administração são extensos, a preparação antecipada é muito importante.

Contudo, como estamos com o edital já publicado, podemos utilizar a organização e o planejamento de estudos como grandes aliados, em nosso projeto de aprovação.

Análise e verticalização de Edital

Um pré-requisito fundamental para todo estudante que deseja prestar uma boa prova é o conhecimento detalhado de seu edital.

Estude o edital de seu concurso. Explore todos os tópicos, comparando-os com os assuntos exigidos em outros editais de concursos de seu interesse.

Uma boa maneira de iniciar o estudo do edital é organizar todos os conteúdos, de cada uma das disciplinas e, em seguida, destacar todas os tópicos já estudados e aqueles cujos conhecimentos ainda precisam ser consolidados.

Segundo o item 15.2.3 do edital, que versa sobre os conhecimentos específicos para o cargo 1, analista judiciário – área: administrativa, temos como temas propostos em Administração Geral:

1 Funções de administração: planejamento, organização, direção e controle

1.1 Processo de planejamento.
1.1.1 Planejamento estratégico: visão, missão e análise SWOT.
1.1.2 Análise competitiva e estratégias genéricas.
1.1.3 Planejamento tático.
1.1.4 Planejamento operacional.
1.1.5 Administração por objetivos.
1.1.6 Balanced scorecard.
1.2 Organização.
1.2.1 Estrutura organizacional.
1.2.2 Tipos de departamentalização: características, vantagens e desvantagens de cada tipo.
1.2.3 Organização informal.
1.3 Direção.
1.3.1 Motivação e liderança.
1.3.2 Comunicação.
1.3.3 Descentralização e delegação.
1.4 Controle.
1.4.1 Características.
1.4.2 Tipos, vantagens e desvantagens.

2 Gestão de projetos

2.1 Elaboração, análise e avaliação de projetos.
2.2 Principais características dos modelos de gestão de projetos.
2.3 Projetos e suas etapas.

3 Gestão de Processos

3.1 Conceitos da abordagem por processos.
3.2 Técnicas de mapeamento, análise e melhoria de processos.
3.3 Construção e mensuração de indicadores de processos.

4 Gestão de risco

5 Processo decisório

5.1 O processo racional de solução de problemas.
5.2 Fatores que afetam a decisão.
5.3 Tipos de decisões.

6 Processo de mudança: mudança organizacional, forças internas e externas, o papel do agente e métodos de mudança

7 Decreto‐Lei nº 200/1967

Elaboração de plano de estudos

Está é uma análise dos principais tópicos a serem estudados.

A banca CESPE, organizadora do concurso para o STM explora frequentemente, em suas provas, os temas propostos nesse edital.

No ano de 2017, a banca CESPE organizou, dentre outras, as provas do TRE-TO, TRF-1,TRT-7, TCE-PE e TRE-BA. Ou seja, foram cinco concursos de tribunais. Em todos eles, foram encontrados vários dos tópicos exigidos na prova do STM.

O candidato deve, portanto, atentar-se da importância que a disciplina Administração tem para a nota de sua prova.

Destaco, dentro do edital do STM, os tópicos mais explorados pela banca examinadora:

  1.  Funções de administração: Planejamento estratégico, tático e operacional; :Visão e missão organizacionais; Análise SWOT; Balanced scorecard; Estrutura organizacional; Tipos de departamentalização; Motivação e liderança; Comunicação
  2. Gestão de projetos: Principais características dos modelos de gestão de projetos
  3. Gestão de Processos: Conceitos da abordagem por processos; Tipos de decisões
  4. Gestão de risco: Matriz de riscos (probabilidade x impacto), fatores de riscos
  5.  Processo decisório: O processo racional de solução de problemas; Tipos de decisões
  6. Processo de mudança: mudança organizacional, forças internas e externas
  7. Decreto‐Lei nº 200/1967: organização administrativa, descentralização e desconcentração;

É muito importante observar que boa parte dos tópicos apresentados acima também estão presentes na prova de Técnico Administrativo.

As maiores diferenças entre as duas provas estão no estudo de Administração Pública (somente para técnico) e Gestão de Riscos (somente para analistas).

Apesar de somente o cargo de Técnico Administrativo trazer o tópico Gestão de Pessoas, há assuntos correlatos à gestão de pessoas em ambas as provas. Motivação e Liderança são exemplos disso.

As demais áreas de estudos são bastantes próximas, ainda que a descrição nominal dos tópicos não seja idêntica.

Mas é importante que você saiba que as provas de técnico e analista podem ter níveis de complexidade diferentes. Por isso é ideal estar bem preparado, independentemente do nível de escolaridade de sua prova.

Características da banca examinadora

A banca CESPE tem por hábito valer-se das doutrinas mais ortodoxas e mais reconhecidas dentro do ambiente de estudos das organizações.

É raro encontrar questões que não sejam amparadas por doutrinadores consagrados como Chiavenato, Maximiano, Marco Aurélio P. Dias, entre outros autores clássicos.

Isso não quer dizer que não haja certo de nível de subjetividade nas questões. A banca CESPE exige de seus candidatos uma certa dose de esforço interpretativo e avaliativo.

As questões têm um grau de dificuldade considerável, pois exigem o conhecimento da doutrina e, em muitos casos, exige também que o candidato interprete essa doutrina, dentro uma proposição de ambiente organizacional.

São comuns questões que versam sobre situações hipotéticas, de supostas aplicações da Administração em casos práticos.

Uma das maiores dificuldades das provas da banca CESPE reside na complexidade de administrar os famosos “chutes”, uma vez que uma questão errada anula uma certa.

Contudo, a banca trabalha com um perfil de questões conhecido, o que traz certa previsibilidade para o candidato que realiza muitas questões.

Orientações sobre estudos

Em Administração, é preciso estudar as teorias que fundamentam as questões de provas.

Não há como resolver questões de Administração, com segurança e confiança nas respostas, sem um estudo aprofundado de tais teorias.

Nesse sentido, os estudos antecipados são fundamentais.

O ideal é mesclar teorias com resoluções de questões. Os conhecimentos teóricos devem ser revisados semanalmente, com ciclos maiores de revisões quinzenais.

É importante preparar resumos, pois os assuntos são muito extensos. Os resumos serão muito úteis na revisões, semanais e quinzenais.

Dica importante

Embora o processo ideal de estudos seja a harmonização de conhecimentos teóricos, baseados em leituras, com a prática, através da resolução de questões, precisamos nos atentar que edital já foi publicado e o tempo tornou-se exíguo.

Neste momento opte por leituras mais objetivas e resumos dos temas que ainda não tem conhecimento. E prepara-se apenas com as questões nos temas em que seus conhecimentos já estiverem consolidados ou em processo de aprendizado.

Em outras palavras, não adianta querer assimilar muito conhecimento teórico em um intervalo muito curto de tempo! Foque nas questões.

Transformar um plano de estudos em um projeto de aprovação

Há muitas questões envolvidas na aprovação em concurso público de ponta, como os concursos dos tribunais federais.

A busca pelos bons salários, benefícios e a estabilidade empregatícia faz com a concorrência aumente muito.

Por isso, é importante preparar um planejamento de estudos eficaz, identificando enfoques de carreiras, reconhecendo as doutrinas majoritárias, organizando tempo de estudos, resumos, métricas de evolução e resultados, dentre outros fatores relevantes.

Conheça uma proposta de coach para concursos públicos e mude, de uma vez, para a carreira pública.

Acesse: www.facebook.com/admfederal e saiba mais.

Postado por claudiajones às 15:10 | Nenhum comentário | Comentar

Compartilhe:

Concurso Polícia Federal: dicas fundamentais para todos os cargos

No nosso post de hoje vamos trazer dicas bem importantes para quem está se preparando para o concurso Polícia Federal.

O concurso da Polícia Federal está perto de ser aberto; a expectativa é grande e o tempo é curto para estudar uma grande quantidade de matérias.

Dessa forma, é preciso manter uma estratégia para o preparo mais eficiente possível.

Cargo de Delegado

O concurso para Delegado Federal exige conhecimentos específicos em diversas áreas jurídicas, necessitando de um estudo amplo e menos denso.

Em outras palavras, o certame não exige um especialista em uma determinada área.

O bom candidato sabe o suficiente de cada matéria, não um preparo aprofundado de todas, até porque é impossível saber tudo. Dessa forma, é importante um estudo vinculado com as atividades típicas de Delegado Federal.

Exemplificando: a função é presidir inquérito policial, trabalhando nas investigações policiais e na segurança pública em âmbito federal.

O servidor público não vai lidar com recursos em matéria penal ou situações exclusivamente de âmbito estadual. Estes conteúdos devem ser analisados com menor profundidade, pois a possibilidade de serem cobrados é baixa.

Por outro lado, a matéria inquérito policial deve ser muito bem analisada pelo candidato, justamente por ser específica de atuação do Delegado Federal.

Cargo de Agente Federal

Quanto à carreira de Agente Federal, apresenta a especificidade de cobrar conhecimentos jurídicos e não jurídicos – dificultando os estudos de todos os candidatos.

Frise-se: como o concurso exige formação superior em qualquer área, uns terão mais vantagens e desvantagens em certas questões. Por exemplo: o contador terá vantagem na parte de contabilidade, mas terá maior dificuldade nos conhecimentos jurídicos.

Dessa forma, o óbvio tem que ser dito: estude aquilo que não sabe e deixe de lado a sua área de formação. É importante ser estratégico, não tem jeito. A quantidade de matérias é enorme, necessitando de uma diretriz certeira.

Cargo de Perito criminal

Quanto à carreira de Perito Criminal, sem sombra de dúvidas é a mais difícil de obter êxito, pois os conhecimentos são extremamente profundos na área, exigindo conhecimentos jurídicos que não são da expertise do candidato e a quantidade de vagas é reduzida.

É importante verificar o conteúdo cobrado das provas anteriores, pois, normalmente, como são disciplinas de Ciências Exatas, estas não mudam muito ao longo do tempo se compararmos com as Ciências Humanas.

Além disso, importante fazer módulos específicos das matérias jurídicas, pois aprender Direito sem um professor é um trabalho dificílimo.

Dicas essenciais

Dicas para todas as carreiras da Polícia Federal: existe uma certa tradição da banca ser a Cespe/UNB. Ou seja, esta segue um padrão de cobrança de conhecimentos com assertivas para julgar certo ou errado, sendo a marcação equivocada contabilizando pontuação negativa.

Portanto, o candidato deve marcar apenas quando tiver absoluta certeza; na dúvida, não marque. Já conhecemos aprovados que marcaram apenas duas questões de certa matéria e passou, pois contrabalanceou em outras disciplinas os êxitos.

Além disso, fundamental ler os informativos dos tribunais superiores, pois a banca sempre cobra muitas questões acerca de conhecimentos específicos dos entendimentos do STF e do STJ.

Por fim, não esquecer de elaborar muitas questões anteriores, é fundamental para entender o padrão da banca, objetivando potencializar o número de acertos.

Colaborou:

Thiago Jordace –  Doutor em Direito da Cidade pela UERJ, Mestre em Direito Penal pela UERJ, Graduado em Direito pela UFRJ, advogado e professor.

Gabriela Goldstein  Química formada pela UFF e professora.

Postado por claudiajones às 18:58 | Nenhum comentário | Comentar

Compartilhe:
Publicidade
Assine o RSS