Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Épernay é o coração da Champagne

Esta semana botei o pé na estrada. Dirigi por 870 km até chegar em Epernay, a cidade símbolo da Champagne. Viajei pela auto-estrada onde o limite de velocidade é mais elevado: 130 km/h. Mas chegando no departamento do Marne as estradas eram menores e meu GPS me levou por pequenos vilarejos, o caminho mais curto. Boa oportunidade para ver a chamada França profunda. Quando você se aproxima de Épernay as casas dos vinhateiros de Champagne se sucedem. Para identificar é fácil. Há sempre uma placa na casa como o nome do produtor e a menção degustação e venda de champagne.

avenue de champagne

Giratório na avenida do Champagne

Reims é a cidade grande com a magnífica catedral Notre Dame de Reims. Mas a avenida do Champagne fica em Épernay. As sedes das grandes “Maisons” se sucedem. Moët et Chandon, Perrier Jouet, Pol Roger, Boizel, Comtesse Lafond e tantas outras num espetáculo arquitetônico esculpido no século XIX. Riqueza, esplendor e beleza são características das mansões da avenida que faz parte do patrimônio mundial. Dali se vê a torre da Maison Castellane, do grupo Laurent Perrier. Mais afastada do centro da cidade fica a vinícola Nicolas Feuillatte, a mais vendida na França.

Apesar de ter apenas 23 mil habitantes a cidade é dinâmica, charmosa e animada. Seus bons restaurantes têm sempre nas mesas os produtores com seus clientes, turistas e, claro, os moradores. A Brasserie de La Banque fica na antiga sede local do Banque de France (Banco da França), a inscrição na fachada não foi retirada o que facilita a identificação, bem no centro. O local é imponente, grande e a comida é boa. Uma opção que me agradou mais foi a Grillade Gourmande, que além de muito boa cozinha possui uma churrasqueira à lenha, o que confere um gosto especial às carnes e peixes. Sugiro a pluma de porco ibérico. Épernay se dá ao luxo de ter uma ópera, sua fachada possui marcas de balas da Segunda Guerra Mundial.

avenue nuit

A avenida do Champagne já está decorada para as festas de final de ano.

Uma característica nos restaurantes da cidade é que as harmonizações se fazem sempre com champagne. Não vi ninguém beber vinho tranqüilo nas mesas ao lado nos dois restaurantes. Coincidência? Um champagne rosé ou uma cuvée de prestígio com preponderância da Pinot Noir para as carnes, o Blanc des Blancs para os peixes com molho e o brut sem safra para o aperitivo ou para acompanhar uma entrada são boas escolhas. Santé.

Compartilhe:
Comentar

Comentar:

?>