Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Os brancos voltam com força em Bordeaux

Se você acha que em Bordeaux os vinhos tintos sempre dominaram reveja seus conceitos. Até meados dos anos 70 o vinhedo bordalês era majoritariamente branco. Hoje representam cerca de 11% da produção. Mas o aumento do interesse pela uva Sauvignon branca deu um novo élan a estes vinhos que podem também ser de guarda. Graves e Péssac-Léognan são denominações líderes nesta cor, mas hoje Médoc faz belos vinhos e há a concorrência também de Sauternes, que em função da crise dos vinhos licorosos, lançou vários brancos de prestígio. Os brancos a serem bebidos jovens, em geral, são de Entre-Deux-Mers e Bordeaux.

Este vinho agradou pelo seu frescor e complexidade.

G de Château Guiraud é o branco seco deste  Grand Cru Classé de Sauternes. Não se trata de um segundo vinho, mas de um ótimo branco feito por Michel Liessi e Xavier Planty que traz um corte com 70% de Sauvignion branca e 30% de Semillon. Na hora da colheita selecionam as uvas maduras que não foram afetadas pela podridão nobre, botrytis, nas duas primeiras passagens pelo vinhedo. O vinho é intenso, amplo, com notas de agrumes e frutas. Tem muito boa complexidade. Durante almoço na Cité du Vin, em Bordeaux ,foi a minha escolha. Delicioso. Não é um vinho caro 12€ (R$42) nas lojas. Na mesma linha você vai encontrar o Y do Château d’ Yquem, de preço mais salgado, 150€ (R$525), R de Riussec a 18€ (R$63) ou o S de Suduiraut em comportados 12€ (R$42).

No Médoc as ofertas se multiplicam. O Château Fonréaud de Listrac-Médoc faz um branco para ser bebido jovem o Le Cygne, muito bom, por 17€ ( R$60). Já o Château Mouton Rothschild faz o Bordeaux Ailes d’Argent, excelente, provei o 2015 durante a degustação de Primeus ano passado, possui grande precisão de aromas, bela acidez e uma mineralidade magnífica, traz uma ponta de sal no final. O preço é de 70€ (R$245). Já o Pavillon Blanc do Château Margaux é um Bordeaux 100% Sauvignion branco, amplo, carnudo e estruturado e um final incrível. O preço também 170€ (R$595).

Mas tradição é tradição e me encantam os vinhos de Graves e Péssac Léognan. Vinhos excelentes que possuem preços razoáveis como o Château Malartic-Lagravière a 50€ (R$175) ou o Château Carbonnieux de 28€ (R$100) que aceita vários anos de envelhecimento ou o Château de Chantegrive com sua Cuvée Caroline, maravilhosa ou seu “primeiro preço” Chantegrive a 12€ (R$42), que vai agradar a muitos e deve ser bebido jovem.

Um segundo vinho de qualidade.

Não faltam opções entre os Bordeaux brancos. Mas se aí no Brasil os preços são bem maiores e seu orçamento não der para estes tops, busque um Entre-Deux-Mers, 2015, de um pequeno Château que com certeza não irá decepcioná-lo. Uma oportunidade? O Bordeaux Le Charme de Marjosse 2012 de Pierre Lurton por R$ 112. Santé.

Onde encontrar:

www.grandcru.com.br

Malartic-Lagravière 2010 e 2013 São excelentes vinhos de guarda e ambos possuem 93 pontos Robert Parker.

Château de Fieuzal 2010 com 92 pontos RP

Domaine de Chevalier 2010 com 92 WS

Château Smith Haut Lafitte 2010 e 2012 ambos com 95 pontos WS

www.vinosevinos.com.br

Château les Charmes de Marjosse 2012

Compartilhe:
Comentar

Comentar:

?>