Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Como escolher um bom sake sem saber falar japonês

Estive no Japão na última quinzena e a bebida nacional atraiu a minha curiosidade. Cada vez que ia ao restaurante um leque de opções de sake se apresentava nas diversas cartas. Nos supermercados, aqui os minimercados dominam a paisagem, sempre ficava a admirar as garrafas de sake sem nada entender. Indo visitar o museu do pintor Katsushika Hokusai (1760-1849), famoso pela sua onda, em Obuse, região de Nagano, passei em frente à sede do produtor Masuchi-Ichimura Sake Brewery, ou simplesmente Masuchi. Nagano possui 87 produtores, é o segunda maior concentração de “brasseurs” do Japão logo atrás de Niigata com 97 e empatado com Hyogo.

Equipe do produtor de sake Masuchi em Obuse, Japão. (foto: site oficial)

Masuchi é uma “ brasserie” artesanal que utiliza tonéis de madeira e não de inox. Além da sede possui um hotel, lojinha e restaurante, no melhor estilo enoturismo. Na verdade, o sake é bebido como um “vinho” de arroz, e possui classificação como os vinhos. Sua fermentação é chamada de múltipla fermentação paralela.

Bom vamos ao que nos interessa saber na hora de escolher um sake na prateleira ou no restaurante. Isto é saber ao menos como evitar um sake de mesa (como no vinho evitar o vin de table) e beber um AOP, isto é, um sake especialmente classificado. O futsu-shu é o sake de mesa, a parte inferior da classificação, pois possui ingredientes que não são autorizados para os sakes especialmente classificados. Este tem uma taxa de polimento do arroz superior a 70% e contém mais de 10% de álcool adicionado. A taxa de polimento é fundamental na determinação da qualidade. Quanto menor a taxa maior a qualidade. 70% é o limite alto, 60% você já tem algo bem legal e abaixo de 50% é a elite.

O rótulo traz muitas informações, mas sempre em japonês, o que dificulta bastante, ao menos para este colunista. O grau alcoólico dá para ser percebido, no alto à esquerda do rótulo. Geralmente entre 15 e 17 graus. Importante é a informação de que o sake é 100% da mesma variedade. Se tem a taxa de polimento é também um bom sinal. A densidade indica se o sake é seco, meio seco ou doce. O ponto de referência é zero, baixo de zero é doce, acima é mais seco. Tem muitas outras informações, mas tudo em japonês e, sinceramente, não ajuda. Com esta já dá para escolher.

O sake pode ser bebido gelado, na temperatura ambiente ou quente. De 5°C a 50°C. Para esquentar o sake coloque ele em banho maria até atingir 50°C. Santé.

Créditos: Cameraman – Eric Rebouças

Intérprete – Danieli Nakamura

Compartilhe:
Comentar

Comentar:

?>