Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Pipi de gato é aroma de sucesso

Degustar um vinho é sempre um prazer. Na hora de beber tente apreciar suas sutilezas. Em cada gole uma oportunidade de descobrir aromas e compartilhar sensações com quem estiver dividindo a garrafa e o momento. Para alguns a identificação de cada aroma surge muito naturalmente, para outros existe uma maior dificuldade de traduzi-las. Nada impede o prazer.

Quem gosta de cozinhar vai percebendo o desfile de aromas que lhe são familiares especiarias doces, morango, mirtilho, jabuticada, cereja, ameixa… para os tintos. Para os brancos os perfumes serão de damasco, limão, pêra, pêssego fresco, abacaxi … ou ainda aromas florais de acácia, rosa, menta, pimentão, tomilho e tantos outros. Nem todos percebem tudo e cada um percebe de forma diferente certos gostos e sensações. É da natureza humana. Se quiser se aprofundar pratique, compartilhe, troque comentários ao beber ou trine com os kits de aromas. Ou apenas beba.

Tem aromas que nada tem a ver com os odores da cozinha como o couro, suor de cavalo, a pelica ou o pipi de gato. Este é uma característica de alguns vinhos brancos feitos com a uva Sauvignion.  Quando colhida um pouco verde apresenta este cheiro. Isso acontece devido à presença da molécula de mercapto butano (4MMP) que em função das suas diferentes concentrações pode trazer aromas de cassis, broto de cassis ou pipi de gato. Todos estes aromas em pequenas proporções são interessantes e agradáveis. Alguns gostam com maior intensidade e outros detestam. A cada um seu gosto.

Rótulo do vinho da neozelandesa Cooper’s Creek.

Onde achar o pipi de gato? Em vinhos de Sauvignon branca do Vale do Loire, de Bordeaux, Bergerac e mesmo da Nova Zelândia onde é muito apreciado. Tão apreciado que a vinícola Cooper’s Creek lançou a marca Cat’s Pee on a Gooseberry Bush. Jogada de marketing. Santé.

Tags: , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

As notas da discórdia de 20 a 100 ou América x Europa

Cada vez que comparo, e com certeza não estou sozinho nisso, as notas dos críticos americanos com as dos europeus, e franceses em particular, é a mesma confusão. Parecem as notas da discórdia. Franceses, portugueses e a inglesa Jancis Robinson pontuam sobre 20 pontos. Por que eles pontuam assim? Ora nas escolas desde pequeno as notas são sobre 20 e não sobre 10 pontos como no Brasil. As revistas americanas e, hoje em dia, a inglesa Decanter fazem sobre 100 pontos. A associação dos enólogos e dos sommeliers também usam 100 pontos. Se fosse um probleminha de 10, 20 e 100 era fácil de explicar. Bastava fazer uma proporção simples.

Os profissionais experientes já têm a tabela de pontuação na memória e intuitivamente colocam pontos para o visual, nariz e boca. Esta última é a que tem maior peso e aqui são analisados o equilíbrio, o comprimento na boca e a apreciação geral. Cada tabela vai ter suas sutilezas e diferenças. Mas o que muda mesmo são as malditas notas. A escola europeia é mais rigorosa. Sabe aquele professor que nunca dá mais de 8 para ninguém? Aqui é assim. Na França quando um vinho atinge 15/20 pontos ele é muito bom e equivale 88 a 90 pontos, dependendo do “professor”. Se você jogar isso numa conversão americana a nota seria medíocre 75 pontos!! Vinho intragável. Tem muito Champagne bom, de grandes marcas, que são avaliados entre 14 e 15 pontos. E são muito bons! Atingir 16 pontos nas revistas e guias franceses é coisa para vinho de altíssima qualidade. Fora da curva como está na moda dizer. E olha que são apenas 80 pontos! Imagina um vinho de 90 teria que atingir estratosféricos 18 pontos. Numa boa universidade professor algum distribui estas notas aleatoriamente e com frequência,  somente em trabalhos ou provas excepcionais. Anote aí: se o vinho obtém na França 14 pontos é para considerar seu bom vinho para beber com amigos e ter agradáveis momentos juntos. Se chega a 15 pode reservar para beber com quem entende e aprecia. Se bater 16 acenda velas e convide alguém especial. Acima disso é vinho para grandes ocasiões. Vinho para o dia a dia é entre 11 e 13 pontos. Anotou?

Anúncio da Evino mostra diferentes pontuações para o mesmo vinho.

Vejamos o caso prático de anúncio no site da Evino: Péssac Léognan 2011 do Château Lespault-Martillac. James Suckling ex-Wine Spectator e hoje independente deu 91 pontos, ele sempre pontua para cima em relação aos seus colegas americanos. Bettane & Desseauve, o Parker daqui, é muito econômico nas notas e sapecou um 15 neste 2011 do Château Lespault-Martillac, que nos grandes anos obteve 16! Veja que os comentários, tradução minha, tem enormes elogios – « Nós amamos o nariz todo elegante, a fruta bem madura, as notas de especiarias e minerais, a boca é harmoniosa, sem ter nada de pesada ou agressiva, apresentando uma bela trama de taninos, muito sedosos e com um final longo, fresco e equilibrado.” Não conheço o vinho, mas um comentário desse quer dizer que o ele é tudo de bom. B&D recomenda beber até 2020. Não conheço e não provei, mas confio. Santé.

Compartilhe:
Comentar

Safra 2017 de Bordeaux surpreende os críticos

Semana passada estive em Bordeaux visitando alguns grandes châteaux e pude apurar e perceber que é grande e positiva a expectativa para a safra 2017. A degustação dos vinhos Primeurs começa na próxima semana para os profissionais do mercado, mas para os jornalistas ela já aconteceu. Uma coisa é certa as uvas foram colhidas em boa maturação. Nenhuma nota verde detectada em ambas as margens do vinhedo. Os críticos começam a publicar seus comentários e as notas são bem altas e os melhores atingem 96 pontos na margem direita e 95 na esquerda para a Wine Spectator.

Quando visitei o Château Angélus, 1° Grand Cru Classé A, vi por diversas vezes Hubert de Boüard consultor e coproprietário, circular pelas adegas e supervisionar sua equipe. Ele nos conta que as merlots, uvas mais precoces do que as cabernets, foram colhidas em setembro e estavam bem equilibradas e com frescor, o que corresponde a uma tendência de gosto atual do consumidor. Foi na segunda semana de outubro que atingiu seu ponto de madureza a Cabernet Franc e em seguida foi a vez da Cabernet Sauvignion. A extração durante a vinificação foi a palavra chave do sucesso e do equilíbrio de um vinho terminado. A extração se fez delicadamente, privilegiando os taninos, o que marcará o ADN desta safra. Para os produtores que não sofreram com a geada, que mais parece para alguns uma amputação, a safra 2017 se inscreve na linhagem das mais belas expressões bordalesas. Equilíbrio, pureza, taninos carnudos, frescor e apetência, certifica Boüard.

Fachada do Château Angelus (foto Edith Monseux)

Já o crítico francês Jean Marc Quarin, que acabou de degustar 300 vinhos da nova safra, resume assim suas degustações: – Os tintos são bastante coloridos (nas degustações em Primeurs esta é uma característica que denota qualidade, nota minha) os aromas são frutados, precisos e constantemente puros, sem notas verdes e os melhores vinhos são complexos. Minha primeira surpresa foi a suavidade dos vinhos. Não esperava. Eles serão muito agradáveis de se beber, mesmo jovens. A graduação alcoólica está em torno de 13, característica do ano. Outra agradável surpresa é que os vinhos estão bem construídos no meio de boca e no final. Na margem direita os vinhedos das partes mais baixas gearam, o que obrigou o produtor que possui vinhas nas encostas a usar apenas estas, de melhor qualidade. O resultado mudou o vinho que ganhou em profundidade e é mais entusiasmante, conclui Quarin.

Se os châteaux atenderam às expectativas do público teremos preços para baixo, mas como a safra foi menor acho difícil. Em todo caso 2017 é um belo ano. Santé.

Compartilhe:
Comentar

Château Guiraud 1° Cru Classé é pioneiro em vinhos orgânicos

Esta última quinzena foi intensa. Depois de Prowein, a feira mundial de vinhos em Dusseldorf, emendei com Toques e Clochers, o leilão dos grandes brancos de Limoux, em seguida fiz com uma semana de visitas a grandes châteaux de Bordeaux. De volta ao meu vilarejo no Corbières trago para vocês alguns desses momentos. Começo com uma das últimas visitas a do Château Guiraud, 1° Grand Cru Classé de 1855, produtor magnífico que faz um fantástico Sauternes e um branco encantador.

Château Guiraud é um pioneiro na condução do seu vinhedo em modo orgânico entre os primeiros Crus Classés de Bordeaux. Entre as carreiras de videiras são plantadas gramíneas e uma cerca viva de diferentes variedades de plantas percorre a propriedade e trazem maior biodiversidade ao ecossistema. A fragilidade de um vinhedo é devida a monocultura e a uma mesma identidade genética para cada pé de videira, tornando-o uma lavo fácil para pragas. Para aumentar as defesas naturais o coproprietário e gerente Xavier Planty, criou um conservatório de cepas, onde faz uma seleção massal para replantar suas cepas e garantir diferentes ADNs. São 135 espécies de Sémillons e Sauvignions brancas com diferentes matrizes genéticas que Guiraud possui e conserva. A maior parte dos vinhedos usa clones reproduzidos em escala em hortos, mais econômicos e mais vulneráveis. O trabalho efetuado por Planty vai além da condução e se aproxima da biodinâmica, sem bruxaria, e vê tudo de forma holística. Ninhos para passarinhos podem ser vistos por todas as parcelas, eles irão atacar insetos que são nocivos. Insetos que também atacam as pragas tem sua presença estimulada para criar um ambiente ecológico onde a natureza ajude a evitar as doenças e pragas que atacam o vinhedo. Planty não usa herbicidas e possui certificação de orgânico desde 2011, apesar de conduzir deste modo desde 1996.

A localização em Sauternes é em frente ao Château d’Yquem, ao lado de Château Rieussec e banhado pelo rio Cirons, posição ideal para que a podridão nobre (Botrytis cinerea) aconteça. A uvas vão se botritisando, graças a um microclima particular, e são colhidas uma a uma conforme ficam no ponto ideal da prodridão nobre. A colheita se estende por vários meses no Château. Começa em final de agosto, para os brancos e podem terminar somente em dezembro para as uvas do Sauternes. Um verdadeiro trabalho de ourivesaria com colheita manual bago por bago, muito rigorosa. Aliada a uma vinificação perfeita vão oferecer vinhos de excelente qualidade. O branco é uma novidade que tem dado certo entre alguns grandes de Sauternes como neste e em d’Yquem.

G de Guiraud é um Bordeaux branco, a parcela é vizinha de cerca, viva, do Sauternes, mas não possui a classificação, tendo de se contentar com a denominação genérica, como seus vizinhos. Isso não impede que seja um grande vinho. É vinificado pela equipe de Planty com uma dedicação extrema. O corte é 50% de Sémillon e 50% de Sauvignion branca, tudo conduzido da mesma forma que o Sauternes. As cepas possuem idade média de 35 anos. No entanto as uvas não são botritizadas, são colhidas no final de agosto antes que a podridão se instale. A fermentação alcoólica é feita 80% em barricas, as mesmas que foram usadas no ano anterior para o grande Sauternes, e 20% em cubas de inox. O envelhecimento em barricas dura cerca de sete meses. Provei o 2014 e o 2017. O primeiro é muito aromático, untuoso e de longo comprimento. Aromas de pêssego branco, casca de limão e frutas exóticas. O segundo é mais jovial, com notas florais e toranja. Há um ano havia provado o 2013 um vinho enorme. G de Guiraud 2014 – 4****

Os Sauternes de Guiraud fazem parte do primeiríssimo nível. O Petit Guiraud é muito bom e o Guiraud excelente. Provei o Petit Guiraud 2013 e os Guirauds 1998, 2008 e 2009. Meu destaque é para o 2008 que possui frescor ótimo, aromas de damasco e toranja, na boca é amplo e com textura delicada. Elegante e possui um equilíbrio perfeito. Guiraud 2008 – 5***** Santé.

P.S. Recomendo também o restaurante do Château, La Chapelle que já merece sua primeira estrela.

 

Compartilhe:
2 Comentários
?>