Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Descubra os 6 Champagnes Blanc de Noirs da nossa degustação

Os safrados se destacaram nesta degustação de Blanc de Noirs, branco de uvas pretas. Natural que estes se sobressaiam, pois são produzidos somente em grandes anos, envelhecem mais tempo e tendem a ser mais complexos. Tivemos um empate técnico entre um Champagne de vinhateiro que apesar de não ser safrado tinha um belo diferencial. É elaborado a partir de uma seleção parcelar classificada como Grand Cru. Com o mesmo total de pontos um representante das cooperativas cujas uvas também têm suas origens em parcelas classificadas como Grand Cru. Na pontuação optamos por apresentar as notas com estrelas no popular padrão Vivino e as converter segundo a tabela Vivino para o padrão Parker para facilitar a compreensão de todos.

Montaudon Blanc de Noirs, Brut, NV – Produzido pela cooperativa Alliance Champagne que tem como marca principal Jacquart. Montaudon foi fundada em 1891 pelo chef de adega Auguste Louis a “Maison” deixa de ser familiar em dezembro de 2010 quando é comprada pela Alliance. Importada pela Wine tem 3 anos de envelhecimento na adega. Preço R$ 582,40. Sua cor é dourada clara, o nariz é discreto com notas de flores brancas e pêssego, nos aromas secundários percebemos acácia e rosa branca. Na boca se nota se uma dosagem um pouco maior (10g/l), como é tradição do produtor, tem com boa estrutura, final agradável e acidez mediana. 3,7 ****ou 88 pontos.

Drappier Brut Nature Zéro Dosage, Blanc de Noirs, NV – Uma referência dentre os produtores do departamento do Aube na região de Champagne, mais ao sul. Situado em Urville na Côte de Bar Drappier é conhecida por fazer vinhos com baixa dosagem, plenos e vinosos. Este não foge à regra, sem adição de licor de expedição seu açúcar é natural. Aqui cabe uma explicação o licor de expedição que contém vinho e açúcar. É ele que vai definir o estilo final do Champagne. Hoje a tendência é de reduzir esta dosagem. O produtor quando não adiciona açúcar e o vinho não tem mais de 3g/l ele pode ser chamado de Brut Nature, Não Dosado ou ainda Zero Dosagem. Importado pela Zahil e esgotado no site do importador neste momento. De cor ouro acinzentado tem bolhas finas e delicadas. No nariz flores brancas, frutas cítricas e aromas secundários de frutas maduras e amêndoas. Na boca o ataque é franco, intenso e com um belo frescor. Um agradável amarguinho no final de boca. 3,8 **** ou 89 pontos.

Philipponnat Extra Brut, Blanc des Noirs, 2012 – Extra brut, significa que o teor de açúcar está entre 0 e 6g/l de açúcar, portanto uma dosagem bem baixa. Charles Philipponnat, que dirige a Casa optou por uma dosagem mínima de apenas 4,5g/l. Importadora da marca é a Clarets, mas não consta ainda no site. A cor é amarela clara, o nariz bem aberto e expressivo, apresenta aromas de frutas, mel, caramelo, cítricos, e flores brancas. Na boca é vivo, intenso, equilibrado, aéreo e elegante. Seu final é persistente e muito agradável.  3,8**** ou 90 pontos.

Joseph Perrier Brut Nature, La Côte à Bras Cumières, Blanc des Noirs 2010 – Um outro com dosagem zero, o que confirma uma tendência. Joseph Perrier é uma das joias da Champagne e possui um conjunto de vinhos que tem como característica a complexidade e a fineza. A quinta geração mantém esta pequena “Maison” no alto do pódio. A parcela fica em Cummières na montanha de Reims, pertinho de Hautvillers onde D. Pérignon fez suas primeiras bolhas. Estará em breve no Brasil. A cor é amarela clara e as bolhas desfilam elegantemente na taça. Os aromas exalam flores de laranja, frutas amarelas, cítricos, frutas em compota e frutas secas. Girando mais a taça pão de mel, marmelada e baunilha. O ataque é vivo, na boca percebe-se o grande equilíbrio. É aéreo, complexo e untuoso. Os aromas se confirmam na boca mostrando grande complexidade. Tem um belo corpo e um longo final. 4,1**** ou 91 pontos.

Nicolas Feuillatte Grand Cru Blanc des Noirs, Millésimé 2008 – A jovem cooperativa de apenas 42 anos, conseguiu a façanha de ser o Champagne mais vendido da França e o terceiro do mundo neste curto espaço de tempo. Para você ter uma ideia ela vende mais do que a soma de Möet Chandon e Veuve Cliquot na França, o maior mercado mundial do Champagne. A marca é vendida no Brasil pela Evino, mas o Blancs de Noirs ainda não está disponível. A dosagem é de 6g/l. As parcelas estão na montanha de Reims principalmente em Verzy e Verzenay. Sua cor é dourada clara, no nariz sutileza e complexidade. Começa com aromas florais, flor de laranjeira e cítricos. Na sequência flores secas, pão de mel e café. Na boca um belo ataque e aromas de brioche, frutas tropicais e notas minerais. Um champanhe gastronômico, de bela acidez, untuoso e com ótima estrutura. Um longo e magnífico final num equilíbrio perfeito. Encantou aos jurados. 4,4 ***** ou 93 pontos

Lallier Sélection Parcelaire, Grand Cru Les Sous, Blanc de Noirs, Extra Brut NV – Lallier é a estrela em ascenção em Champagne. Francis Tribaut é um apaixonado e excelente vinificador. Ele produz somente Champagnes Grand Cru, à exceção do Rosé que é um Premier Cru. Sua pequena “Maison” fica em Aÿ, famosa por ser uma terra de predileção da Pinot Noir. Claro que a parcela em questão, Les Sous, fica em Aÿ. São produzidas apenas 4000 garrafas. A importadora é a Vinhos do Mundo que ainda não tem este lançamento recente da Lallier. Sua cor é dourada clara, o nariz é fino e expressivo. Destacam-se num primeiro momento frutas amarelas, como o damasco e tropicais. Depois frutas em compota, maduras e mel. Na boca o ataque é amplo, os aromas se confirmam e passeiam nas papilas. Um vinho de bela complexidade, rico, intenso e harmônico. Apresenta um final longo e delicioso. Outra unanimidade entre os jurados. 4,4 ***** ou 93 pontos. (Continua)

Compartilhe:
Comentar

Comentar:

?>