Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Festival de Cannes é um grande negócio para alimentos e bebidas

Os eventos aumentam em muito o consumo habitual de alimentos e bebidas nos hotéis. O departamento de A&B tem nos eventos uma fonte muito importante de faturamento. Na verdade, ele não se limita a servir café da manhã, refeições e bebidas aos hóspedes. Os salões, quando bem trabalhados, são fundamentais. No caso de Cannes, onde demos números na coluna anterior, mostram a força dos eventos.  O Festival de Cannes não se limita a um concurso para escolher os melhores filmes, atrizes, atores, roteiros e companhia. Se fosse isso seria apenas mais um dia na alta temporada. É o maior evento da indústria cinematográfica mundial. Em paralelo acontecem encontros que geram negócios, muitos negócios.

Ilha de queijos na Praia Majestic.

O Marché du Film é o mais importante centro de negócios do cinema reunindo 12000 profissionais sendo 3200 produtores, 1200 vendedores, 1750 compradores e 800 programadores de festivais. Percebeu que não tem ator e diretor na lista? Tem que alimentar esse povo todo. O hotel Majestic Barrière recebeu nesta última semana os profissionais do Marché. Foi lá na praia Majestic onde além do píer o hotel tem um restaurante que se debruça sobre as areias do Mediterrâneo. Ostras, queijos, canapés, vinhos e champagnes em profusão mantiveram o clima de negócio animado. Nas fotos abaixo e com os números que dei fica fácil acreditar que se consomem 18500 garrafas de vinhos e espumantes em 12 dias além de toneladas de alimentos. Santé.

 

Milhares de ostras vão ser consumidas no Majestic durante o Marché du Film. (As fotos são uma cortesia da produtora brasileira Mares Filmes.)

Os convidados no píer Majestic se servem de canapés.

Taças de vinho esperam os participantes no final do píer. 

 

Tags: , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Château Croix Mouton é um grande vinho a preço bem comportado

Jean Philippe Janoueix é a quarta geração de uma família que sabe produzir e vender vinhos. As origens remontam a 1867, mas será em 1930 que seu avô Joseph comprará a primeira propriedade Château Haut Sarpe e posteriormente La Croix e La Croix Saint Georges em Pomerol. Seu pai Jean François expande as propriedades adquirindo outros châteaux na margem direita. Em 1994 o caçula Jean Philippe pilota o Château Chambrun de apenas 1,7 hectares em Pomerol, lá as propriedades são pequenas mesmo, e se destaca. O seu sucesso permite buscar outras aventuras e possuir alguns ícones da margem direita como Château La Confession, Saint Émilion Grand Cru, e Château La Croix Saint Georges em Pomerol. Parker o considera um belo produtor e suas notas estão em geral acima de 90 nestes dois vinhos, chega a atingir 93 em 2010 no de Saint Émilion e 93+ com o Pomerol em 2012. Além de possuir outros bons vinhos em áreas nobres como Sacré Coeur também em Pomerol, Cap Saint George em Saint Émilion e Cap D’Or na denominação satélite Saint Georges Saint Emilion.

A cada ano a fonte e a cor da letra M mudam marcando a diferença entre as safras do Château Croix Mouton.

Além destes grandes vinhos Jean Philippe tem ainda outras belas propriedades que buscam produzir vinhos que não necessitam de um longo de envelhecimento para se ter prazer. Não necessitam, mas podem envelhecer por vários anos. Falo de 20 Mille, Château Le Conseiller e Château Croix Mouton todos em Bordeaux Supérieur. Vou me restringir a este último pois é facilmente encontrado no Brasil.

 

Dionísio Chaves sommelier bicampeão brasileiro, degusta atrás das garrafas os vinhos de J.P. Janoueix

Duas safras distintas estão no mercado neste momento. A rede carioca Zona Sul selecionou Château Croix Mouton 2010 e a escolha do sommelier consultor Dionísio Chaves não se deu apenas porque o ano foi fantástico, mas por também estar pronto para beber e no seu apogeu. Um dos critérios da seleção de toda a linha Reserva Especial. O preço é R$ 129,60. Já a Evino, site de vendas on line, optou pela safra 2014 um ano dito clássico, isto é, bom sem ser excepcional, e está hoje sendo vendido a R$ 127,90. Para Robert Parker o 2010 do talentoso Jean Philippe é um “excepcional de uma denominação modesta” (outstanding wine from a humble appellation) e sapecou 90 pontos. Foi Neal Martin quem provou 2014 no guia americano e o defende de quem o considera de estilo moderno alegando que é equilibrado e potente. Deu 87 pontos e pode ser bebido agora ou dentro de alguns anos. Críticos diferentes e anos diferentes. Mas sempre com patamares altos de notas.

Com os vinhos de Jean Philippe Janoueix a certeza é que mesmo em denominações mais modestas o rigor no cultivo, na seleção das uvas e na vinificação estão presentes. A uva dominante é a merlot, a densidade chega a atingir 6600 pés por hectare, o rendimento é inferior a 46 hl/ha, quase igual ao do La Confession  que tem 42, idem para o período na cubas. A idade das vinhas é de 39 anos quando em La Confession é de 40. Outro terroir e outras características, mas um grande vinho por um preço bastante justo para os padrões brasileiros. Santé.

Tags: , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Homens preferem rosé e as loiras

Continuando a degustar a pesquisa da Sowine/SSI para Vinisud nos deparamos com a questão sobre a cor preferida dos vinhos para a geração Milênios. Quando a questão é saber qual a cor do vinho preferida as duas cidades estão de acordo e a ordem de preferência é a mesma: 1° tinto, 2° branco e 3° rosé. A surpresa que rompe com estereótipos é que dentre os que preferem rosé a maioria é de homens. O rosé é mais consumido por homens, 56% em NY e 45% em Londres, do que por mulheres, 31% e 24% respectivamente. Definitivamente os homens preferem rosés e as loiras, como diz o título do filme dirigido por Howard Hawks e que tem Marilyn Monroe como ícone.

Espumantes lideram em Londres na geração Milênios. (arte Sowine)

Em uma coisa os dois sexos concordam: amam espumantes. O vinho preferido dos ingleses é o espumante com 41%, e olha que o Champagne está fora desta pesquisa, o que com certeza elevaria o índice, mas quem comprou a pesquisa foi Vinisud, do sul e não os champanheses, situados mais ao norte. Os Yankees colocam os espumantes em segundo com 36%. E 40% consomem as bolhas uma ou mais vezes por semana enquanto 36% dos ingleses a bebem mais ocasionalmente. Os homens consomem muito mais frequentemente os espumantes do que as mulheres, essas sempre nos surpreendendo. Em NY 54% dos homens bebem uma ou mais vezes espumante durante a semana, as mulheres são apenas 27% e em Londres 22%.

Quando esta geração bebe? De noite, né? Na noite e nos finais de semana é a escolha de 60% dos britânicos, já em NY eles são 50%. Mas nas noites durante a semana o consumo também é grande e um há um empate técnico entre Londres, 47% e NY 46%. No almoço durante a semana é a vez dos americanos mostrarem força com 23% contra 13% dos súditos de sua majestade. O local de preferência é, pela ordem, em casa, nos restaurantes e nas casas dos amigos, os índices são iguais ou acima de 50%. Nos bares apenas 29% dos ingleses e 24% dos nova-iorquinos bebem vinho. Devem tomar cerveja ou será que os pubs estão vazios? Os americanos fazem compras mais vezes por semana 49% contra 40% dos britânicos. Os ingleses preferem nitidamente comprar em lojas de varejo e supermercados 66%, tal qual na França os supermercados lideram. Afinal, sempre tem excelentes preços. Os americanos se contentam com 51%. Nas lojas especializadas 45% de americanos e 30% de londrinos. Na internet os Yankees são 25% a preferir este meio de compra enquanto os ingleses são 16%. No Brasil estima-se em 26%. Enquanto na China 40% das vendas seriam on line. Outro estudo da Sowine, genérico e não restrito a uma geração apenas, diz que no Reino Unido este índice seria de 30%. Acredito que nas grandes cidades a facilidade de comprar por impulso e a presença de muitos pontos de vendas próximos diminua a força da internet.

A geração muda, mas o bolso continua sendo a parte onde mais sensível do corpo humano. Os dois principais critérios para compra são o preço 40% em NY e 47% em Londres. No segundo critério temos outro empate. A origem do vinho é importante para 36% dos consumidores da geração Milênios. Praticamente no mesmo patamar, mas em terceiro lugar, as qualidades gustativas e olfativas do vinho. Logo depois são os tipos de uvas que determinam a escolha. E só então entra a força da marca que alcança expressivos 24% em NY e 14% em Londres. Uma coisa é certa as etiquetas devem ser de fácil leitura. Os rótulos clássicos ou modernas oferecem o mesmo grau de atração. O que ninguém gosta é de etiqueta maluca, as chamadas originais.

Anúncio desta semana do supermercado Lidl oferece preços baixos e bons vinhos.

Na outra pesquisa da Sowine, genérica, temos o orçamento médio do parisiense por garrafa que oscila entre 5€ e 10€ e o do nova-iorquino entre 11€ e 20€. Veja como é bom morar num país produtor onde o vinho não é taxado como álcool forte ou produto de luxo. Claro que mais perto de 10€ o vinho é melhor, mas este intervalo permite comprar vinhos muito bons. Santé.

Tags: , , , ,

Compartilhe:
Comentar
?>