Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

Que vinho beber com a sua amante?

Pode ser o seu ou a sua amante. O que não pode é faltar o aroma ou a cor do pecado. Nada como os aromas de maça verde de um Crémant de Limoux, o pecado original, digo, terra do espumante original que nasce em 1531. A maçã verde vai deixar seus lábios tão incandescentes que nem o frescor das bolhas vai ser capaz de atenuá-los. Esses momentos românticos merecem glamour, mas não devem deixar você se arruinar. No Zona Sul o Crémant de Limoux Aimery Grand Cuvée 1531, série limitada, está por R$ 83,70 no site. (Foto: Kika Revolver do Crazy Horse nas lentes de François Goize). Santé.

 

 

Tags: , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

25ª Prowein é show de eficiência e sucesso de público

Prowein sempre surpreende pelo seu tamanho, número de visitantes e expositores. Todos são profissionais do setor. Amador não entra, nem pagando. O ingresso custa 50€ por dia, para todos. São apenas três dias e nunca dá tempo de visitar todo mundo. Este ano foram 61.500 participantes (60.500 em 2018) de 142 países (133 em 2018). Do outro lado do balcão são 6.800 fornecedores de 64 países. Esta foi a 25ª edição da feira alemã de Dusseldorf que conseguiu se impor como a maior feira mundial de vinhos e destilados.

 

Importadora Expert Wine trará vinhos da Borgonha com a dupla assinatura Bernard Loiseau – Albert Bichot para o Brasil. Na foto (da esquerda para a direita) Orlando Leone,  Albéric Bichot, Eugênio Fernandes e Christian Ciamos comemoram a nova parceria.
Com tanto fornecedor junto este é o momento ideal para que compradores revejam todos os produtores com quem trabalham. Circulando pelos salões notei diversos importadores brasileiros: Grand Cru, Expert Wine, All Wine, Casa Rio Verde, Decanter, Verdemar, Mistral e com certeza muitos outros estavam presentes. No campo dos expositores o Brasil ficou no pavilhão dos ultramarinos, no stand coletivo Wines of Brasil. Estavam lá Casa Valduga, Aurora, Perrini, Salton e vários outros. No mesmo pavilhão ainda tinham os EUA, Nova Zelândia, Austrália, Israel, Chile, Argentina e Uruguai. Já a França e Itália tinha dois pavilhões cada e diversos produtores dispersos no pavilhão alemão onde seus importadores locais expunham seus vinhos para o trade local. Espanha e Portugal dividiam um pavilhão. Tinha mais, mas nem tive tempo de chegar em países do leste e outros.

 

James Tetsuo da curitibana All Wine traz da Prowein os vinhos do Château Maison Blanche da Maison Bouey.
Aconteceram muitos encontros, degustações, algumas palestras e um corre-corre que não acaba mais. Das nove às dezoito horas é um movimento frenético. O primeiro dia é relativamente mais calmo, pois cai num domingo. Já o segundo é uma loucura e tem forte presença alemã. No fim da tarde do terceiro dia muitos começam a correr para pegar seus vôos, antecipando o encerramento da sua participação no salão. Afinal, ninguém quer passar mais uma noite em Dusseldorf. Alguns tentam esticar as degustações e ficar mais um pouco, mas às 19 horas as equipes de desmonte dos stands começam a agir e desmontam tudo. É aquela rigidez alemã característica. Pela manhã não resta pedra sobre pedra. Tudo está pronto para o próximo evento no parque de exposições de Messe. Um salão extremamente profissional, mas sem qualquer glamour. Santé.

Tags: , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Danio Braga conta os bastidores do concurso de Melhor Sommelier do Mundo

Ontem começou o mundial dos sommeliers e o Brasil está na disputa com Diego Arrebola, tricampeão brasileiro. Para saber como tudo está acontecendo conversamos com Danio Braga, o presidente da Associação Brasileira de Sommeliers, ABS Brasil, que está em Anvers, na Bélgica acompanhando e participando da organização do XVI concurso de Melhor Sommelier do Mundo.

 

Diego Arrebola é o candidato do Brasil no mundial.

RR – Como está o nível de preparação dos candidatos?

DB – A cada concurso as coisas são sempre mais complicadas. O preparo dos candidatos muda a cada vez que acontece um mundial. O preparo, o coaching como se diz internacionalmente, é um fato que vem acontecendo nos três últimos mundiais. Candidatos muito preparados são treinados por equipes que se dedicam exclusivamente a isso. Vários países que não tinha tradição como os do norte da Europa são hoje extremamente fortes devido ao treinamento. Acho que é cada vez é mais difícil se tornar campeão do mundo. Há 50 anos que existe este Concurso e do primeiro campeão para o 16° existem várias diferenças. A tecnologia ajudou no entanto, o mundo do vinho também mudou muito, as perguntas são inúmeras, a complexidade do mercado também mudou, o consumidor está muito mais esclarecido, …realmente está cada vez mais difícil ser campeão.  É claro que beber e o serviço do vinho pouco mudaram, mas o conhecimento técnico, o conhecimento do mercado faz com que este profissional tenha que se atualizar mais a cada dia, a cada momento.

RR – Neste cenário muito competitivo como se situam nossos sommeliers?

DB – O Diego é um sommelier extremamente preparado, mas acredito que estejamos ainda muito longe do preparo que os candidatos europeus e canadenses possam ter. Nós temos trabalhado muito nestes últimos três concursos e preparado nossos sommeliers com estágio na Europa incentivado pela indústria. Mas nós não temos uma indústria do vinho que tenha ainda a sensibilidade de investir dinheiro para promover o mercado profissional de uma forma um pouco mais ampla, correta e ao meu ver dirigida a um mercado de qualidade. Sem apoios fica difícil criar profissionais. As associações de sommeliers tem trabalhado ultimamente para montarmos um projeto de ensino diferente para melhorar a qualidade dos profissionais. Mas o profissional no Brasil, como você sabe, tem um conhecimento básico, baixo, e com um conhecimento baixo fica difícil querer alcançar grandes resultados lá na frente.

RR – Qual sua expectativa?

DB – Vamos fazer o nosso melhor. Acho que o Diego Arrebola tem grandes chances de poder chegar entre os semifinalistas. Acredito que vai ser um concurso maravilhoso, de grande nível e extremamente rico. Cada vez mais os profissionais estão bem qualificados. Que vença o melhor.

Santé.

 

Tags: , , , , , ,

Compartilhe:
2 Comentários

Malbec e Cahors perdem um dos seus maiores vinhateiros

Georges Vigouroux, um dos vinhateiros que impulsionou o retorno dos vinhos de Cahors na cena internacional, faleceu dia 7 de fevereiro. Os châteaux de Mercuès e de Haute-Serre são suas propriedades de referência. Inovador soube aliar gastronomia, marketing e a promoção internacional da uva Malbec e dos vinhos de Cahors.

Três gerações da família Vigouroux no vinhedo de Cahors. (Foto divulgação)

 

Nos anos 70 ele criou o vinhedo do Château Haute Serre, época em que a denominação estava em decadência e tinha apenas 400 hectares. Hoje o AOC Cahors pode se orgulhar de ter 4000 ha. Nos anos 80 ele compra o Château de Mercuès, nas portas de Cahors e o transforma num hotel Relais e Châteaux com um restaurante gastronômico. Pilotado pelo chef Julien Poisot o restaurante tem uma estrela Michelin. Na entrada de Cahors ele colocou uma grande e bela loja de vinhos chamada Atrium é um marco na cidade. A partir dos anos 90 ele começa a exportar os vinhos de Haute de Serre para os Estados Unidos e depois para o Canadá. Ele chama a atenção da imprensa americana e ganha notoriedade internacional. Nesta época seu filho Bertrand Gabriel passa a dividir com ele a direção do grupo. A transição já estava consumada. Tal qual seu avô, um dos primeiros a engarrafar vinho na propriedade, ele havia passado o bastão a Georges no século XX ainda em vida. Santé.

Tags: , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Paris é a capital mundial do vinho?

A França não ia ficar sem reagir ao forte crescimento da feira alemã de Prowein. Paris será o campo de batalha desta guerra que tem como objetivo trazer para de volta para a França a supremacia sobre os salões de vinho. Vinovision era um mediano salão de vinhos setentrionais franceses com participação do Loire, Centro, Beaujolais e Champagne. Acontecia em Paris. Vinovision comprou Vinisud, o tradicional e importante salão bienal dos vinhos do Sul da França e o transformou em anual. Um ano em Montpellier, como rezava a tradição, e o ano seguinte, este ano, em Paris juntamente com Vinovision. Dessa união nasceu o ambicioso projeto Wine Paris que começou ontem e vai até o dia 13 no Parque de Exposições de Paris porta de Versailles.

O fato de ser em fevereiro ajuda na luta contra Prowein que é em março. Vinexpo Bordeaux, a antiga maior do mundo acontece em junho, pois isto atende aos interesses dos anfitriões, mas já é tarde para as compras na Europa. Os alemães colocaram sua máquina de guerra (eficácia, precisão…) contra o glamour dos châteaux e festas de Bordeaux. Ganharam.  Hoje são 6.500 expositores de todo o planeta. Mas o império contra-ataca e Bordeaux já prepara seu próximo salão, também em Paris, mas em janeiro de 2020. Os grandes vinhos de Bordeaux e de toda a França, estarão aliados ao charme de Paris neste combate. Pode ser uma boa estratégia. Nos dois casos Paris ganha.

Wine Paris tem forte presença de produtores franceses. (foto: Jean Bounan)

Não faz sentido a maior feira ser na Alemanha, mas as divisões entre Vinisud e Vinexpo e as datas criaram a oportunidade. Londres que é um grande mercado já havia visto sua feira minguar e se tornar algo apenas para os comerciantes locais. Wine Paris começa modesta com 10 países, 7% do total, e uma forte representação francesa. São 2.000 expositores. Mas Bordeaux enviou apenas uma participação simbólica de 200 produtores. Para os visitantes são 1200 vinhos em degustação livre. Em todo caso vai começar a incomodar.

Mas a grande vencedora será Paris. Cidade onde mais se consome vinho no mundo com 49,5 litros por pessoa e 23.570 pontos de venda on-trade e off-trade (lojas e supermercados). São 20.000 bares, cafés, restaurantes e hotéis na região parisiense (on-trade). Cereja no bolo a capital francesa tem 142 estrelas no guia Michelin, sendo 10 restaurantes com 3 estrelas. Além de uma rede de formadores de opinião de grande importância internacional. Acredito que se depender apenas da Cidade das Luzes a alemã Dusseldorf vai perder esta guerra.

É sempre bom lembrar que a união faz a força, mas ainda não vai ser dessa vez. Não vejo espaço para tantas feiras na França. Os produtores não conseguem pagar tantos stands, viagens e deslocar equipes comerciais o tempo todo. Santé.

 

Tags: , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Feira mundial de vinhos orgânicos cresce 10%

Millésime Bio, a feira mundial de vinhos orgânicos, segue tendo um crescimento de expositores e de visitantes. Este ano o número de frequentadores profissionais aumentou em 10%, segundo os organizadores. O parque de exposições de Montpellier recebeu de 28 a 30 de janeiro 6200 pessoas que puderam degustar vinhos orgânicos de 1200 produtores de 22 países e 5 continentes. França (859), Itália (100), Espanha (81) e Áustria (26) eram os países com maior número de expositores. Argentina e Chile com quatro produtores cada um representaram a América do Sul. O Brasil não teve representantes.

Millésime Bio é um salão dedicado exclusivamente aos vinhos orgânicos certificados. (foto divulgação)

O leitor do blog sabe que Millésime Bio é a mais igualitária das feiras. Aqui cada produtor tem uma mesa, independentemente de seu poder econômico. Quem é analisado e degustado é o vinho, o marketing é deixado de lado e os produtores são todos apresentados de forma igual. Para participar o produtor tem que ser certificado como orgânico. Os franceses usam o termo biológico e o abreviam para Bio (pronuncia-se Biô). Em 2020 o salão Millésime Bio acontecerá de 27 a 29 de janeiro em Montpellier. Santé

Tags: , , , , , , ,

Compartilhe:
2 Comentários

Möet & Chandon lidera, Taittinger é vice e Veuve Clicquot fica em terceiro

O grupo Moët Hennessy perdeu a hegemonia no topo do pódio do ranking de Champagnes importados no Brasil. A turbulência no mercado abriu espaço para que novas marcas que investissem e ganhassem uma fatia maior de participação no setor. Segundo a Ideal Consultoria no novo ranking coloca Moët & Chandon em primeiro lugar, seguida da Taittinger, com Veuve Clicquot em terceiro lugar e Perrier Jouët em quarto fechando grupo de maior volume. Em quinto lugar ficou Louis Roderer e em sexto Nicolas Feuillatte, formam o segundo pelotão ainda distante dos quatro primeiros, mas distanciadas das demais marcas.

Taittinger assume a vice-liderança no ranking de Champagnes no Brasil.

É a primeira vez que Moët Hennessy do Brasil cede um dos dois primeiros lugares no ranking para um concorrente. Historicamente a liderança era de Veuve Clicquot, o grupo não comenta questões estratégicas já nos informou o serviço de imprensa tanto na França quanto no Brasil. A disputa está acirrada e Moët & Chandon somente recuperou o primeiro lugar no último trimestre após um forte sprint final. Em volume foram 5838,6 caixas de 9L,  para Moët & Chandon, 5718 para Taittinger, 4318,6 para Veuve Clicquot e 5258,3 para Perrier Jouët. Em faturamento, que é o que define o ranking, Möet & Chandon US$ 1.671.902,50, Taittinger US$1.312254,30, Veuve Clicquot US$ 1.201.801 e Perrier Jouët US$ 754.666,3. Num outro patamar Louis Roederer com US$ 195.397,60, com 294 caixas e Nicolas Feuillatte US$ 114.959,50 para 630 caixas.

No ano o mercado encolheu. O volume de 2017 foi de 38.043,4 caixas e caiu para 26.464,90 caixas de 9L em 2018. Enquanto faturamento encolheu de US$ 8.486.596,4 para US$ 6.107.190,30 no mesmo período. O câmbio pesou na importação de Champagnes. O cenário parece mais positivo para 2019 prevê Felipe Galtaroça da Ideal Consultoria. Santé.

Tags: , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Uma taça de prosa com Didier Depond dos Champagnes Salon e Delamotte

Tenho 54 anos e nasci em Tours no Vale do Loire. Em 1986 entrei no grupo Laurent-Perrier e hoje presido o Champagne Salon e Delamotte (ambos fazem parte do grupo) que são vinificados no mesmo local. Comecei minha carreira como vendedor e depois fui para o marketing onde cheguei ao posto de diretor geral em 1997 e presidente em 2000. Meu primeiro vinho – Meu primeiro vinho eu provei muito cedo como é tradição numa família de vinhateiros, meus dois avós eram produtores na Touraine. Respeitando o antigo costume uma gota de vinho na ponta do dedo de meu pai foi colocada na minha boca durante meu batismo. Sorte de iniciante era um bom Sauvignon branco.
Minha harmonização preferida – Sem dúvida Champagne com trufas ou com um Comté, (queijo de massa dura) curtido 12 meses. Já com um Champagne de safra antiga gosto de um “ris de veau” (timo do vitelo) ligeiramente grelhado.

 

Minha região preferida – Quando nós amamos realmente o vinho estamos sempre abertos a diferentes regiões e bons vinhos são produzidos em muitas partes do mundo. Eu prefiro beber os bons e os grandes vinhos, não importa de onde venham. Bordeaux, Borgonha e Champagne são meus prediletos, mas não esqueço a Argentina e seus Malbecs, a Espanha e seu Jerez, nem Portugal e o vinho do Porto.

 

Meu vinho favorito – A ocasiões são muitas para beber bons vinhos e conforme o momento irei mudar. Meus Champagnes, claro. Eu gosto de beber um Fino (Jerez) ou um grande Armand Rousseau, da Côte de Nuits na Borgonha, ou ainda um Léoville Las Cases, de Saint Julien no Médoc.

Didier degusta um Salon 2002. (fotos Michel Jolyot/divulgação)

Minha melhor safra – Produzir vinhos e safras é como o nascimento em uma família. Cada filho é precioso e todos devem ser amados. Eles serão diferentes, cada qual com sua personalidade. Em Delamotte o Blanc des Blancs é um vinho fabuloso, bem equilibrado e verdadeiro. Um vinho para beber e repetir. Ele é a carteira de identidade da nossa “Maison”. Já em Salon somente produzimos nos grandes anos. Foram apenas 37 no século XX, caso único no mundo do vinho em todos os continentes. Então destaco Salon 1997, Salon 2002 e, em breve, Salon 2008 que foi produzido apenas em formato magnum.


Se meu vinho fosse um personagem – Talvez Napoleão pela força e ambição, mas também uma mulher como Audrey Hepburn, a perfeita feminilidade, a perfeita elegância, enfim “la classe”. ( Detalhe de poster Audrey Hepburn)
Santé.

P.S. – O Blog volta na segunda semana de Janeiro. Feliz Ano Novo.

Tags: , , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Está chegando a hora de tomar Champagne

Tomar Champagne é como comemorar um gol numa final, viver um grande amor, curtir uma paixão ou ouvir estrelas. O encanto mágico das sofisticadas bolhas é uma sensação inesquecível, sensual e prazerosa. É entrar em estado de graça. É andar nas nuvens. Se as vendas no Brasil caíram este ano é culpa da economia local que muito sofreu. No resto do mundo não foi assim. Alguns importadores brasileiros e produtores de Champagne seguem acreditando e investem no Brasil. A queda nas vendas das principais marcas do grupo LVMH, leia-se Möet Chandon e Veuve Clicquot, abriu um vácuo que já é ocupado, parcialmente, por diversas outras marcas. Essa mudança não é ainda capaz de repor a perda da líder histórica, mas o mercado está se democratizando. (foto Pinterest).

Nossa seleção de Champagnes para o júri busca refletir essa nova paisagem. Acreditamos e desejamos um Brasil economicamente melhor em 2019 e optamos por degustar dois tipos de Champagne que fogem do habitual. Blancs de Noirs, Champagne que é elaborado somente com Pinots, Noir ou Meunier, uvas escuras, e os safrados que estão no alto da pirâmide. Estes são elaborados somente nos grandes anos. Chega de pessimismo vamos fazer nossa parte e acreditar que o Brasil vai melhorar. Os Champagnes degustados foram: Drappier, Joseph Perrier, Montaudon, Ellner, Delamotte, Nicolas Feuillatte, Lallier, Castelnau e Philipponnat. Um nível altíssimo de qualidade que encantou os jurados. Nos próximos posts vamos publicar os resultados da degustação e apresentar cada produtor. Santé.

 

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Compartilhe:
Comentar

Chuvas aceleram colheita no Languedoc, causam desastres e 12 mortes

Sexta-feira, sábado e domingo visitei em companhia de alguns amigos da ABS-Rio quatro propriedades do Languedoc. Em La Clape, a bela denominação comunal próxima de Narbonne, visitei o Château d’Anglès, em Cabardès, perto de Carcassonne e mais no interior, visitei o Château de Pennautier do Conde de Lorgeril e o Château Ventenac dois estilos bem diferentes apesar da proximidade. Domingo estive numa outra denominação comunal, a de Corbières-Boutenac, no Château de Luc da família Fabre. Todos tinham a preocupação de terminar a colheita no mais tardar no domingo, pois uma previsão de chuva forte se anunciava. Todos conseguiram aumentar a cadência e terminar a colheita. Em breve conto os detalhes das visitas. Mas isto não foi o mais importante do dia.

Clique para ver imagens aéreas da situação.

 

Rio Orbieu que normalmente é um riacho. (foto Didier Granat)

Ninguém poderia imaginar que a chuva seria tão forte no departamento do Aude. A meteorologia francesa previu chuva forte, lançou um alerta laranja. Foi pouco. A chuva começou tarde da noite. Somente na segunda feira às 6 horas da manhã o serviço meteorológico trocou o alerta de laranja para vermelho. Muito tarde. Cidades inundadas, pessoas mortas, rios e canais transbordaram e pontes rompidas. Foi terrível. Em menos de 5 horas 295 mm forma despejados dos céus, o que representa aqui seis meses de chuva. O rio Orbieu subiu 8 metros. Em belas casas como na cidade de Trèbes a água atingiu 2 metros dentro das residências. Até o momento são confirmados 12 mortos, 1 desaparecido, 8 feridos e 3331 lares evacuados para evitar o pior. Uma barragem foi aberta, pois poderia romper. A coisa foi tão sinistra que o Primeiro Ministro Eduard Philippe veio fazer uma visita para acompanhar a situação. Santé.

Ce pont a été détruit par les terribles inondations dans l'Aude

Ce pont a été détruit par les terribles inondations dans l'Aude

Posted by BFMTV on Monday, October 15, 2018

Tags: , , , , ,

Compartilhe:
Comentar
?>