Publicidade

Jornal do Brasil

Papo de Ambiente – JBlog – Jornal do Brasil

Planejamento para o lixo, em Hong Kong

Um plano para redução do lixo individual em 40% no prazo de dez anos foi lançado nesse mês de maio em Hong Kong. Os sete milhões de habitantes da cidade produzem 1,27quilos diários de lixo per capita. Para ter uma noção desse volume, basta verificar que aqui no Rio a produção média é de 0,70 por habitante/dia. Ou seja, o padrão deles consegue superar o já exagerado que temos.

O plano prevê medidas como a tarifação dos serviços sobre resíduos domésticos, a reciclagem de 55% do lixo, o descarte de 22% em depósitos e a polêmica incineração de 23%. No geral será uma evolução, se levarmos em consideração que no ano de 2011 foram descartados 52% do lixo em depósitos e 48% reciclados.

O esforço se deve ao que tem sido considerada a iminência de uma crise ambiental. Outra cidade asiática, Taipé, adotou a taxação do lixo por volume e conseguiu reduzir em 65% a quantidade de lixo produzido por pessoa.

Lá, como aqui ou qualquer lugar, com consumo crescente, não haverá solução ambientalmente aceitável para o lixo.

 

Postado por ivanaccioly

2 Comentários | Comentar

Compartilhe:

Simulador online para uso de energia solar

Quem analisa a ideia de aderir à energia solar e gerar sua própria eletricidade pode testar online um simulador de consumo e potência com a instalação de um sistema fotovoltaico. É possível, por exemplo, verificar quanto pode ser economizado na conta de luz com a adesão ao sistema, assim como ter ideia sobre as áreas de telhado ou terreno necessárias para instalação de módulos fotovoltaicos. A ferramenta gratuita está em

O uso é bem simples, mas para fazer os cálculos é necessário ter à mão a conta de energia elétrica. Será solicitada a localização, os dados de consumo de kWh e o valor mensal pago. Esse conjunto permite ao sistema indicar qual é o potencial de geração fotovoltaica, a redução de emissão de CO2 e a área que será ocupada pelo sistema.

Veja aqui uma simulação:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O sistema foi criado pelo Instituto Ideal, com base na resolução da Aneel n°482 de 2012. Uma cartilha http://migre.me/ezutA oferece boas informações sobre a utilização da energia solar.

 

Postado por ivanaccioly

0 Comentários | Comentar

Compartilhe:

Tags:

Excesso de lixo exige mudança no consumo

A audiência pública realizada na terça-feira, dia 7, na Assembleia Legislativa do Rio sobre o fechamento dos lixões deixou claro que a sociedade brasileira precisa urgentemente rever seus padrões de consumo. Enquanto o volume de lixo for crescente não haverá solução. O pior é que não há sinais em contrário. Todo esforço é direcionado ao incentivo do consumo indiscriminado, desde os governos ao setor privado. O estímulo ao consumo consciente não existe. As construções e desconstruções faraônicas – como as obras do Maracanã – são exemplos do descompromisso. Sejam resíduos sólidos ou orgânicos, demandam destinação que mesmo os aterros sanitários, sucessores dos irregulares lixões, não oferecem. Eles têm vida útil limitada. Devem funcionar cerca de 20/25 anos. E depois?

Se o fim dos lixões contribui para a redução dos danos ambientais, incluindo os provocados à saúde pela contaminação de lençóis freáticos, dos cursos d’água e do solo, por exemplo; não há garantias da eficiência absoluta dos aterros, o que contribui para a rejeição de suas instalações pelos municípios. Ninguém quer sua presença.

Além disso, há a questão do chorume resultante da decomposição do lixo orgânico, mais um problema de difícil solução. Só o lixão de Gramacho, em Duque de Caxias, fechado no ano passado, continua a produzir cerca de 2mil m3 (dois milhões de litros) de chorume por dia e, mesmo sem atividade, continuará produzindo por mais 15 anos. O recém- inaugurado aterro de Seropédica, produz 1mil m3, mas não tem como tratá-lo e o remete para a estação de tratamento de esgoto (ETE) de Icaraí.  O tratamento, segundo os especialistas, chega a R$40,00 o metro, a conta não tem fechado.

Esse chorume de Seropédica evidencia a precariedade do sistema de coleta e tratamento do lixo. Hoje, como os de outros pequenos aterros, não é tratado. O lixo levado do Rio para Seropédica, numa viagem de 80 quilômetros, tem o chorume trazido de volta – mais 80 quilômetros – para ser tratado.

Grave também é a situação dos quatro aterros sanitários da região de Niterói, que enviam o chorume para a estação de Icaraí.  O material é tratado, mas seu destino final é a maltratada Baía de Guanabara. Qual o efeito que, mesmo diluído, ele tem sobre o ecossistema?

A promessa do governo do estado, representado pelo subsecretario Luiz Firmino na audiência, é alcançar a meta de extinção dos lixões até 2014. Ele apresentou números diversos e diferentes soluções. Há municípios que criaram seus próprios aterros em sistemas de consórcios, outros onde o governo do Estado construiu a unidade e serão objetos de licitações para funcionamento e outros que deverão ser licitados para construção e operação. Mas a previsão é de que a administração desses aterros será tão complicada quanto foram os fechamentos.

Outro aspecto levantado na audiência comandada pela deputada Aspásia Camargo, é o social. O fim dos lixões tem deixado sem fonte de renda milhares de pessoas. As alternativas oferecidas pelas cooperativas não são suficientes, pois as organizações demandam uma quantidade de trabalhadores menor. José Henrique Penido, da Comlurb, empresa de limpeza urbana da cidade do Rio de Janeiro, diz que em Gramacho  havia quase 1,7mil catadores. Os seis centros de triagem que estão em construção no Rio vão gerar cerca de 400 empregos. Problema que demanda solução urgente e que merece agilidade dos governos.

Já que o consumo é alto, devíamos esperar que fosse elevado também o índice de aproveitamento dos seus resíduos. Mas não é o que acontece.

A própria Comlurb  desconhece os esforços, ainda tímidos, é verdade, que parte da população já faz na separação do lixo seco e úmido. É triste ver como aquilo que foi separado em casa é jogado e misturado numa mesma caçamba do caminhão recolhedor ainda na própria porta e se perde sem um destino mais nobre. É hora dos governos  incentivarem a destinação correta do lixo. Isso vale para suas próprias representações.

Um questionamento feito pela representante da Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares da Coppe-UFRJ  ficou no ar: “Será que essa casa manda seus materiais recicláveis para as cooperativas?” Acho muito difícil.

 

 

Postado por ivanaccioly

5 Comentários | Comentar

Compartilhe:

Tags: , ,

Indústria inscreve para prêmio ambiental

As empresas fluminenses têm até esta segunda-feira, dia 6, para se inscreverem no prêmio Firjan de Ação Ambiental. Serão premiadas cinco categorias: água e efluentes sanitários; biodiversidade emissão de gases de efeito estufa (GEEs) e mudança do clima; gestão de resíduos sólidos; e relação com o público de interesse, referente a programas de comunicação.

A premiação acontecerá no dia 5 de junho. Formulário de inscrição e  regulamento podem ser encontrados no  www.firjan.org.br.

 

Postado por ivanaccioly

1 Comentário | Comentar

Compartilhe:

Fim dos lixões em pauta na Alerj

Bom debate sobre o fim dos lixões que resistem em pleno século XXI no próximo dia 7, terça-feira, às 10horas, na Assembleia Legislativa do Rio (auditório Nelson Carneiro, sexto andar do prédio anexo). A Política Nacional de Resíduos Sólidos prevê até 2014 o fechamento de todos esses espaços, que deverão ser substituídos por aterros sanitários. Mas, como quase tudo no país, os prazos parecem curtos para serem cumpridos.

A convocação é da deputada Aspásia Camargo, que em seu texto de divulgação faz os seguintes questionamentos: “O estado está em vias de conseguir encerrar seus lixões no tempo previsto? Assim como construir os aterros saneados para receber os resíduos? E os catadores estão recebendo o suporte necessário? O que tem a dizer o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), a Secretaria de Meio Ambiente do Estado, as prefeituras, as associações e cooperativas de catadores, entre outras autoridades e membros da sociedade civil?”

Bom, eu não sei as respostas. Estarei lá para ver o que dizem as autoridades e, mais ainda, para saber como a população convive com esses espaços, muito deles, além de insalubres, irregulares.

Vou conferir.

 

Postado por ivanaccioly

1 Comentário | Comentar

Compartilhe:
Publicidade
Assine o RSS
Publicidade
?>