Publicidade

Jornal do Brasil

Blog do Reinaldo - JBlog - Jornal do Brasil

A Cachaça: o resgate

Recentemente fui jantar no Restaurante Brigite’s, no Leblon e a dupla Leo “Black”, o bartender e Isadora Bello Fornari, especialista em cachaças (cachacelière?) me convenceu a provar um Negroni “tropical”.

Isadora e eu

Receita: Carpano Punta e Mês, Vermute (seco) e (em vez de gim) … cachaça envelhecida em barris de carvalho. Uma delícia.

Observação: eu não poderia “falar” de cachaça sem mencionar a minha amida Deise Novakovsky que há um par de anos (e põe tempo nisso) entende, defende e … prova as melhores Cachaças.

Deise

Ou seja, de uns 50 anos para cá (eu acho), a Cachaça saiu do botequim e vem ganhando status de bebida de entendidos em blogs, “clubes”, bares chiques e restaurantes da moda. Participa de concursos. Está no display de hotéis quatro e cinco estrelas. Industrializada ou artesanal. galeria de cachaças

Mas nem sempre foi assim. Durante todo o ciclo da cana de açúcar, do ouro e do café, a marvada foi a bebida do escravo, do negro … do cachaceiro.

cachaca destilação

Isso explica, talvez, porque o substantivo Cachaça é o vocábulo em português com mais sinônimos (para uns, 2000, para outros, 5000). Fazia parte da psicologia “do imigrante” desses despossuídos totais disfarçarem seu gostos, seus sentimentos — com medo do pelourinho.

Mas, e talvez por isso mesmo, como bem observou Câmara Cascudo no seu livro Preludio da Cachaça, publicado na sua Natal, em 1967, “ ela assegurou a sua sobrevivência ficando com o povo”.

Sobrevivência e expansão: a Cachaça era produzida em larga escala nos engenhos de Pernambuco, Bahia, sul do Rio de Janeiro e nas Minas Gerais. Paraty chegou a engarrafar 800 mil litros por ano, no final do século XVII. E assim foi até a abolição da escravatura, quando a produção entrou em franco declínio por óbvios motivos.

Mas mesmo durante essa gangorra que durou cerca de 400 anos, a imagem da Cachaça sempre esteve associada à escumalha.

Foi preciso que fatos políticos primeiro, e só depois econômicos, viessem em seu socorro.

O primeiro, A Revolução de Arte Moderna, em 1922. O manifesto/movimento Pau-Brasil defendia a cachaça no elenco de produtos brasileiros a serem valorizados em detrimento dos estrangeiros e o chamado Grupo dos cinco, integrado pelos escritores Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Menotti Del Picchia e pelas pintoras Tarsila do Amaral e Anita Malfatti, bebia cachaça nos restaurantes chiques de São Paulo e nos salões da Av Paulista.

Mais de 70 anos depois coube a outro carioca-paulista, o sofisticado FHC, assinar o decreto Decreto n° 4.072/2002 que regulamentou a Lei n° 8.918/1994. No texto, se protege a propriedade da denominação da cachaça como aguardente de cana típica e exclusivamente produzida no Brasil. A bebida também conquistou o interesse da academia no desenvolvimento de estudos, fomentando, gradativamente, a especialização profissional daqueles que atuam no setor.

Resultado: depois de uma humilhada peregrinação por nosso território, nossa cultura e nossa sociedade, sempre de 3º classe, mas durante a qual chegou a gerar filhotes como o quentão de pinga (misturada com gengibre) e a batida de limão (originariamente com mel ou rapadura, para aliviar a garganta dos seresteiros) a Cachaça chegou aos dias atuais como um dos valiosos produtos de consumo no Brasil e no exterior.
Uma commodity verde-amarela.

E além de ser servida “in natura” ela transferiu o seu DNA para um dos drinques mais consumidos aqui — e lá fora: a caipirinha, também declarada verde e amarelo(a) por decreto.

decreto-sobre-a-caipirinha-300x108

Em 2013, o IBRAC (Instituto Brasileiro da Cachaça) informou que a Cachaça é o segundo destilado mais consumido no país. E o terceiro no mundo. A capacidade produtiva instalada hoje, em fronteiras nacionais, é de 1,2 bilhão de litros por ano. São cerca de 4 mil marcas registradas e mais de 600 mil empregos gerados, direta e indiretamente.

Passou de capote o Rum, a Tequila, as bagaceiras, eau-de-vies e congêneres… Viva ela!

E por falar na escalada da Cachaça para ganhar status, outro passo de gigante foi o aval do então presidente Lula. Ele sempre assumiu que um operário alivia as mágoas com goles da “marvada” e também regulamentou a composição da cachaça.

lula-tomando-cachaca                                          ..

Obs: foto publicada no site www.futepoca.com.br (futebol, política e cachaça).

Mas a glória, mesmo, se deu em abril de 2012, quando a Presidente Dilma aproveitando a visita a Washington,  assinou um acordo com o governo dos EUA pelo qual ambos os signatários reconheciam – de uma lado, que a nossa tão querida cachaça é um produto genuinamente brasileiro e, do outro, que o Tenessee Bourbon (uísques de milho) também é uma bebiba  genuianamente (norte)americana.

E, para celebrar, ambos brindaram com cachaça!!!

Dilma brindando com Obama

Mas independentemente desses “picos de prestígio”, a cachaça vem ganhando um novo espaço na área cultural e do turismo, principalmente no Estado do Rio. Para nossa sorte (cariocas-fluminenses), a Primeira-Dama do Estado, D. Maria Lúcia Horta Jardim, está pessoalmente empenhada na criação do Museu da Cachaça, no Rio. Aliás, graças a ela (e outros “devotos”, é claro) foi criado o Polo da Cachaça do Vale do Café, que envolve 14 municípios da região e 15 alambiques.

Industrializada ou artesanal, envelhecida em tonéis de carvalho por 2 a 10 anos ou novinha, a Cachaça está na mídia. E aqui vai a lista das 50 marcas preferidas pela Seleção dos Especialistas, publicada no O Dia de dezembro agora (2015), pelo Dirley Fernandes, também colunista da Revista Gula e titular do blog Devotos da Cachaça

Anísio Santiago/ Havana
Áurea Custódio 3 anos
Authoral
Bento Albino Extra Premium
Canabella Ouro
Canarinha
Caraçuipe Ouro
Casa Bucco Ouro
Cedro do Líbano
Claudionor
Companheira Extra Premium
Coqueiro Prata (amendoim)
Da Quinta Umburana
Da Tulha Carvalho
Dona Beja Extra Premium
Engenho Pequeno
Espírito de Minas
Germana
Germana Heritage
Harmonie Schnaps Extra Premium
Harmonie Schnaps Prata
Havaninha
Indaiazinha
Leblon Signature Merlet
Magnifica Carvalho
Magnifica Reserva Soleira
Maria Izabel Carvalho
Mato Dentro Amendoim
Mazzaropi Carvalho Francês
Porto Morretes 12 anos Exp.
Porto Morretes Premium
Reserva 51
Reserva do Gerente Carvalho
Reserva do Nosco Ouro
Reserva do Nosco Prata
Sanhaçú Amburana
Sanhaçú Freijó
Santo Grau Cel Xavier Chaves
Santo Grau Paraty
Santo Grau PX
Sapucaia Reserva Família
Sebastiana Castanheira
Serra Limpa
Vale Verde 12 anos
Vale Verde 3 anos
Weber Haus Amburana
Weber Haus Carvalho/Cabriuva
Weber Haus Lote 48
Werneck Ouro
Werneck Safira Régia

Haja fígado!

Tags:

Compartilhe:
2 Comentários

Comentários:

  • Não observei na lista a mundialmente conhecida PITU em variados sabores. Qual a razão dessa omissão?

    Antonho CArlos

    11 de janeiro de 2016 às 09:26

  • 裏原はまだ終わっていないのでは? という意見も当然あるかと思いますが、ネオ裏原系と裏原系は別物です。 モンクレールのジャケットの女性の肩の項目は非常に興味深いとすべてのポケットは exquiste、undountly ハリウッド スターの非の打ち所のないブランドです。 モンクレール バジーレ
    ショールカラー+DBでジャケット風に仕上げたスウェットアイテム。 「生まれてすぐのお前(私)をこのダウンに包んで、いろんなところに出かけたんだよ~」といういい話を、100回くらい聞きました(笑)そこまでではないのだけど、どうか来年も着られますように。
    モンクレール ブランソン 品番とサイズ、発送に必要なお名前、電話番号、住所をお伺いいたします。 私たち6人、全員が孫持ちで、この少子化の中、私たちの子供が生んだ孫が21人。
    モンクレール 激安 レディース
    今までの柄もないではないのですが、少なくなっています。 うめ~~南大門入り口の路上で両替をしてるハルモニ、今年も元気かなぁと行ってみると、元気そのもので座っていた。 モンクレール ジャパン カスタマー
    クリック頂いてヤフーオークション上で御覧下さい。 最近はこんな『すっきりコーデ』が増えてきました♪そしてネイビー好みかも。
    モンクレール ジャパン カスタマー 今回の旅行の目的の一つ、母ちゃんが行きたかった「御殿場アウトレット」でお買い物にお付き合いです後方に世界遺産の富士山を見ながらお買い物が出来ます。 それから、その際は、ペットショップではなく、保護されている子たちを選んでくれると嬉しいです猫ブームの事で、同感だなと思えるツイート、記事があったので紹介させてもらいます。
    モンクレー ベストモンクレール アウトレット

    odorthdb

    1 de abril de 2017 às 12:10

Comentar:

?>